PUBLICIDADE
Topo

Após fiasco em 2019, Beija-Flor aposta no enredo "Se essa rua fosse minha"

Tradicional Ala das Baianas da Beija-Flor - Reprodução / Instagram @beijafloroficial
Tradicional Ala das Baianas da Beija-Flor Imagem: Reprodução / Instagram @beijafloroficial

Colaboração para o UOL

Em São Paulo

23/01/2020 11h39

Terceira maior vencedora do Carnaval do Rio, a Beija-Flor aposta no enredo "Se essa rua fosse minha" para voltar a brilhar na Marquês de Sapucaí.

Campeã pela última vez em 2018, a escola de Nilópolis teve um desempenho fraco no ano passado e terminou na parte de baixo da classificação - ficou apenas em 11º lugar.

No desfile deste ano, a Beija-Flor apresentará a trajetória do ser humano dentro da perspectiva das ruas, desde os tempos mais primitivos. A narrativa mostrará a evolução do homem e de seu caminhar, ao conquistar novos territórios e criar civilizações.

Raissa de Oliveira segue como rainha de bateria da Beija-Flor. No ano passado, ela desfilou grávida, no comecinho da gestação. Ela samba à frente dos ritmistas desde os 12 anos. São quase duas décadas como rainha da agremiação.

De acordo com a programação do Grupo Especial do Carnaval do Rio de Janeiro, a Beija-Flor será a última escola a se apresentar, na madrugada de segunda (24 de fevereiro) para terça-feira, com previsão de início entre 2h30 e 3h20.

SAMBA-ENREDO

"Se essa rua fosse minha"

Autores: Magal Clareou, Diogo Rosa, Julio Assis, Jean Costa, Dario Jr., Thiago Soares e Junior Fionda

Intérprete: Neguinho da Beija-Flor

LETRA

Preceito! Minha fé pra seguir nessa estrada
Odara ê! Reina firme na encruzilhada
Abram os caminhos do meu Beija-Flor
Por rotas já trilhadas no passado
O tempo de tormenta que esse mar levou
Revela este novo Eldorado
Nas trilhas da vida, desbravador!
Destino traçado, vencedor!
Nos becos da solidão
Moleque de pé no chão

E nessas andanças, eu sigo teus passos
São tantas promessas de um peregrino
É crer no milagre, sagrados valores
Em tantos altares, em tantos andores

A vela que acende, a dor que se apaga
A mão que afaga se torna corrente

Nilopolitano em romaria
A fé me guia! A fé me guia!

Em meus devaneios
Entre o real e a imaginação
Saudade persiste, insiste em passear no coração
Feito um poema à beira-mar
Canto pra te ver passar
Me vejo em teu caminho
Nessa imensidão azul do teu amor
E às vezes, perdido
Eu me encontro em tuas asas, Beija-Flor
Por mais que existam barreiras
Eu vim pra vencer no teu ninho
É bom lembrar, eu não estou sozinho

Ê Laroyê Ina Mojubá
Adakê, Exu, ô, ô, ô
Segura o povo que o povo é o dono da rua
Ô, corre gira que a rua é do Beija-Flor!

? Na dúvida , vai as duas ! . . . . . . @eduardohollanda

A post shared by Raissa de Oliveira (@raissadeoliveirarainha) on

Rio de Janeiro