Topo

Filho de Perrella recebeu R$ 190 mil por três meses de trabalho no Cruzeiro

Gustavo Perrella fechou contrato de três meses com a diretoria do Cruzeiro. No entanto, deixou o clube em maio - Roberto Castro/ME
Gustavo Perrella fechou contrato de três meses com a diretoria do Cruzeiro. No entanto, deixou o clube em maio Imagem: Roberto Castro/ME

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

20/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Gustavo Perrella assinou contrato de consultoria financeira com o Cruzeiro por meio de sua empresa - a B.I. Sports Produções e Serviços Eireli
  • No acordo firmado pelo filho de Zezé Perrella, ele receberia R$ 190 mil. O acordo era válido entre 28 de fevereiro e 31 de maio de 2019
  • Metas de Gustavo Perrella eram contribuir com profissionalização da gestão financeira e de contratos e auxiliar no imbróglio com o Mineirão
  • Pagamento do filho de Zezé foi dividido em duas parcelas idênticas de R$ 95 mil. Valores foram pagos em 10 de abril e 10 de maio
  • Gustavo Perrella atesta a veracidade do contrato e cita Wagner Pires de Sá ao falar que recebeu R$ 63 mil por mês no clube mineiro

Gustavo Perrella, filho de Zezé Perrella, recebeu R$ 190 mil do Cruzeiro neste ano. Ele assinou um contrato por meio de sua empresa, a B.I. Sports Produções e Serviços Eireli, com três meses de duração, entre fevereiro e maio de 2019. De acordo com o vínculo, ele prestaria serviços na reestruturação da área financeira.

O UOL teve acesso ao contrato firmado entre Gustavo e a cúpula do clube. A cláusula segunda do acordo explica quais eram as obrigações do filho de Zezé Perrella na diretoria:

"Contribuir com a profissionalização da gestão financeira do CRUZEIRO, inclusive em projetos de reestruturação, com foco na sua integração, com o objetivo de torná-las mais eficientes e rentáveis; Promover atividades gerais que promovam a melhor eficiência dos processos administrativos financeiros e na gestão de contratos; Auxiliar na prestação de serviços na gestão financeira dos contratos com a Minas Arena Gestão de Instalações Esportivas e na reestruturação do Departamento Internacional do CRUZEIRO".

Para realizar o que foi feito, o filho de Zezé Perrella teria remuneração de R$ 190 mil, conforme a cláusula terceira do acordo. O valor foi pago em duas parcelas de R$ 95 mil. A primeira prestação foi quitada em 10 de abril. A segunda foi depositada um mês mais tarde, em 10 de maio. O vínculo foi firmado em 28 de fevereiro e se encerraria em 31 de maio do mesmo ano.

Procurado para falar sobre o assunto, Gustavo Perrella confirma a veracidade do contrato.

"Exato, a remuneração foi referente a três meses de contrato, ao qual eu optei por não renová-lo. O total mensal foi de R$ 63 mil", confirmou por meio de mensagem ao UOL.

"Lembrando que essa notícia foi dada em nota oficial pelo presidente Wagner [Pires de Sá]. Ele não foi correto ao falar o valor referente ao mês. Ele disse que o pagamento era de R$ 95 mil mensal", acrescentou.

Procurada para falar sobre o assunto, a diretoria do Cruzeiro não se manifestou até a publicação deste texto.

Zezé Perrella e Wagner Pires de Sá vivem altos e baixos desde o início do ano. Hoje vice-presidente de futebol do clube, Zezé já fez duras críticas à atual gestão, pensando inclusive em votar o afastamento da gestão por 120 dias para depois tentar um impeachment. Atualmente, porém, a dupla trabalha junta nos bastidores. Perrella, inclusive, voltou a atuar oficialmente na diretoria cruzeirense ao assumir no dia 10 de outubro o comando do futebol.