PUBLICIDADE
Topo

Red Bull Bragantino

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Vacina não será exigida na Libertadores, mas jogador antivax terá problema

Palmeiras e Flamengo na final da Libertadores 2021 no Uruguai - GettyImages
Palmeiras e Flamengo na final da Libertadores 2021 no Uruguai Imagem: GettyImages
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

29/01/2022 04h00

A Conmebol não exigirá a vacinação contra a covid-19 para que jogadores participem de suas competições em 2022, mas as restrições de entrada na maioria dos países da América do Sul praticamente tornará a vacina obrigatória para jogar a Libertadores e a Sul-Americana.

Se um jogador do time mandante não tiver a vacina poderá atuar sem problema, mas terá dificuldade para viajar. Brasil (após determinação do STF), Argentina, Uruguai, Paraguai, Colômbia e Equador só deixam entrar em seus territórios o viajante que tiver o quadro de imunização para a covid-19 completo (duas doses ou dose única, a depender do laboratório).

Outros, como o Chile, exigem uma quarentena de alguns dias, o que inviabiliza a participação de um não vacinado na partida, já que os clubes normalmente desembarcam na véspera dos confrontos.

A coluna apurou que as restrições impostas para se viajar fez com que a Conmebol decidisse não exigir a vacinação, já que os deslocamentos a tornarão praticamente obrigatória. Para disputar a final da Libertadores em novembro passado no Uruguai, os membros das delegações de Palmeiras e Flamengo precisaram da vacina para entrar no país.

O técnico da seleção brasileira, Tite, deixou de convocar o lateral-esquerdo Renan Lodi, do Atlético de Madrid, porque ele não tem o ciclo vacinal completo. Um dos motivos foi de que ele não poderia entrar no Equador para o jogo realizado em Quito nesta quinta (27), pelas Eliminatórias - empate por 1 a 1.

No Brasil, a CBF publicou diretriz em que exigirá o ciclo vacinal completo contra a covid-19 para participação em seus campeonatos. O documento será obrigatório para relacionar o atleta para uma partida e, sem ele, o registro é automaticamente rejeitado.

Em 2021, a Conmebol recebeu doação de 50 mil doses de Coronavac do laboratório Sinovac, acordo intermediado pelo governo do Uruguai, que serviria para imunizar os membros dos clubes e seleções participantes de suas competições e da elite masculina e feminina das dez federações filiadas — além de funcionários de confederações e árbitros. Clubes como Palmeiras, São Paulo, Atlético-GO e Atlético-MG usaram esses imunizantes.