PUBLICIDADE

Topo

Universa

Casa brota de encosta rochosa apoiada em paredes de granito

Juliana Nakamura

Do UOL, em São Paulo

11/07/2013 07h02Atualizada em 21/04/2015 18h20

Marco de Canaveses é um pequeno município no norte de Portugal, conhecido por seu relevo acidentado, com colinas e serras que chegam a 900 metros de altitude. Nesse local, terra natal da luso-brasileira Carmem Miranda, uma casa de veraneio brota de forma quase natural do solo. Projetada pelo arquiteto Nuno Graça Moura, a construção de aproximadamente 370 m² de área integra-se de forma discreta ao cenário bucólico, combinando uma linguagem contemporânea e o modo de viver do século 21 às tradições construtivas locais.

As complexas características do terreno, constituído por plataformas horizontais suportadas por grandes muros de granito que chegam a 5, 6 metros de altura, foram determinantes para que Graça Moura tomasse algumas decisões. O arquiteto conta que a primeira dificuldade foi escolher o local exato para implantação.
 
O plano inicial era projetar uma moradia mais convencional com portas e janelas recortadas nas paredes, mas logo após os primeiros estudos sobre a região, isso se mostrou inviável. "Naquele momento, conclui que o melhor seria partir para um desenho mais abstrato, mas mantendo a preocupação de que o resultado final não deixasse de parecer uma residência", resume Graça Moura. 
 
A solução acabou sendo integrar a casa a um dos muros de granito existentes, tirando proveito do terreno acidentado. O resultado foi um bloco retangular que, apesar das linhas ortogonais, parece ser uma extensão da rocha.
 
Escavada na montanha, casa tem fachada de pedras
Veja Álbum de fotos
 
Outra estratégia adotada pelo arquiteto foi criar espaços e aberturas que permitissem, aos usuários, contemplar o rio e as montanhas no entorno. Isso fica evidente, por exemplo, na generosa varanda voltada ao poente, viabilizada pela estrutura da casa, concebida em concreto armado com lajes nervuradas e parcialmente em balanço.
 
Casa no subsolo
 
Como a RF House foi construída no terreno escavado, uma das particularidades da casa se apresenta logo na entrada, localizada no nível da cobertura: o acesso se dá por uma escada esculpida na pedra no patamar mais elevado. No pavimento superior foram alocadas as áreas privativas abertas para um pátio. Recuado, o piso inferior forma uma marquise de onde se tem vista para o rio e o horizonte. Nesse nível distribuem-se as áreas de uso coletivo (salas de estar e jantar, cozinha), voltadas para a face oeste e para a vista do jardim e do vale. 
 
Graça Moura conta que, de forma geral, o projeto procurou privilegiar soluções muito convencionais e econômicas. Para reduzir a necessidade de meios mecânicos de condicionamento de ar, buscou-se, por exemplo, favorecer a ventilação natural com a criação de aberturas, em quartos e salas, em direções opostas. Além disso, tais cômodos abrem-se ao exterior por meio de grandes panos de vidro protegidos por pátios e varandas.
 
Alguns cômodos localizados no interior da planta, também se conectam com o exterior e recebem luz natural por meio de claraboias. Entre os revestimentos, destaca-se o uso de ardósia no piso. Em grandes placas, a rústica pedra brasileira está presente em salas de estar e de jantar, cozinha, banheiro, despensa e varanda. 

Ficha técnica

RF House, Distrito de Avessadas, Marco de Canaveses, Portugal

Projeto de Nuno Graça Moura

Detalhes do projeto
  • Área do Terreno cerca de 7 hectares
  • Área Construída 370 m²
  • Início do Projeto 2005
  • Conclusão da Obra 2008
  • Projeto Nuno Graça Moura
  • Colaboradores Luísa Rosas, Vicente Brito, Cátia Bernardo, Rita Machado, Sofia Ferreira da Silva, Carlos Castro e Pedro Gonçalves
  • Construção Constance
  • Projeto de Instalações Elétricas Envest

Universa