PUBLICIDADE
Topo

Carnaval 2020 de SP: conheça os sambas-enredo das escolas do Grupo Especial

Unidos de Vila Maria no Desfile das Campeãs de SP em 2019 - Simon Plestenjak/UOL
Unidos de Vila Maria no Desfile das Campeãs de SP em 2019 Imagem: Simon Plestenjak/UOL

Colaboração para o UOL

Em São Paulo

14/01/2020 18h34

Resumo da notícia

  • Entre as 14 escolas que desfilam no Grupo Especial do Carnaval de São de Paulo, a Unidos de Vila Maria escolheu falar da China
  • Tom Maior elegeu como tema "É coisa de preto", no qual vai falar da contribuição do negro no desenvolvimento do Brasil
  • Vice-campeã em 2019, a Dragões da Real levará para a avenida o tema "A Revolução do Riso: A arte de subverter o mundo pelo divino poder da alegria"

Entre as 14 escolas que desfilam no Grupo Especial do Carnaval de São de Paulo, a Unidos de Vila Maria escolheu falar da China: "A Grandeza da China e Suas Mentes Sábias e Brilhantes, Remetem ao Mundo os Seus Encantos. O Sonho de um Povo Embala o Samba e Faz a Vila Sonhar".

A Tom Maior, por sua vez, escolheu como tema "É coisa de preto", no qual vai falar da contribuição do negro no desenvolvimento do Brasil. Vice-campeã em 2019, a Dragões da Real levará para a avenida o tema "A Revolução do Riso: A arte de subverter o mundo pelo divino poder da alegria".

Conheça abaixo os 14 sambas-enredo das escolas do Grupo Especial do Carnaval paulistano.

Barroca Zona Sul

BENGUELA? A BARROCA CLAMA A TI, TEREZA!

No caminho do amanhã... Obatalá

É a luz que vem do céu... clareia

Vem de Benguela o clamor de liberdade

Barroca pede tolerância e igualdade

Axé, Tereza

Divina alteza, meu tambor foi te chamar

Sua luz nessa Avenida

Incorpora a chama yabá

Da magia irmanada por Odé

Não sucumbe a fé, traz a luta de Angola

E a corrente arrastou pro sofrimento

Um sentimento, valentia quilombola

Reluz o ouro que brota em seu chão

Desperta ambição, mas há de raiar o dia,

Do Guaporé ser voz de preservação

Em plena floresta... auê auê

Resistência na aldeia... Quariterê

Na mata, sou mestiço, guardião

O meu grito de guerra é por libertação

O nosso canto não é apenas um lamento

A coragem vem da alma de quem ergueu o parlamento

Do castigo na senzala à miséria da favela

O povo não se cala, óh Tereza de Benguela

Vem plantar a paz por essa terra

A emoção que se liberta

E a pele negra faz a gente refletir

Nossa força, nossa luta

De tantas Terezas por aí

Tom Maior

É COISA DE PRETO

Brasil, não vim pra ser escravo nem servil

Sou filho dessa pátria mãe gentil

Que traz a esperança no olhar

Oh, meu país... que tanto sustentei em meus braços

Espelha tua grandeza num abraço

Revela o meu dom de encantar

Não é esmola teu reconhecimento

O meu talento é mais que samba e Carnaval

Na luz da ribalta,

Retinta beleza se fez imortal

A negra inspiração... é poesia

A arte de criar... é quem me guia

Floresce de um baobá

Um pensamento de amor

Herança que a mordaça não calou

Se a vida deixou cicatrizes

Ideais são raízes do meu jeito de viver

Faço da minha negritude

Um legado de atitude, inspiração pra vencer

Lutar... é preciso lutar por igualdade

Liberdade... fazer da resistência uma nova verdade

Soprando a poeira da história

A nobreza em meus olhos brilhou

É o dia da nossa vitória

Conquistada sem favor

Um guerreiro da cor

Herdeiro de Palmares

Sou Tom Maior, a voz da liberdade

A minha força pra calar o preconceito

É coisa de pele, é coisa de preto

Dragões da Real

A REVOLUÇÃO DO RISO: A ARTE DE SUBVERTER O MUNDO PELO DIVINO PODER DA ALEGRIA

É só abrir seu coração

Deixa falar a emoção

"Qua qua ra qua qua", deixa as mágoas pra lá

"Qua qua ra qua qua", vamos juntos buscar!

Deus sorriu pra mim

De alma lavada eu vou

A Dragões me fez assim

Criança Real eu sou

Solte a voz e vamos rir de nós

Poder brincar, sonhar...

Todos juntos desatar os nós

A festa não tem hora pra acabar

Vem comigo gargalhar

Eu não quero mais sofrer

Dessa vida eu vou levar

Aquilo que eu viver

A receita da alegria

É caminhar contra o vento

Nos momentos de agonia

Ser amigo do tempo

Afaste a dor

Vista a sua fantasia

Viva o jogo do amor

A cura de cada dia

Mancha Verde

PAI! PERDOAI, ELES NÃO SABEM O QUE FAZEM

Oh, senhor! Benditos os que rogam o perdão

Derrame sobre nós a Tua glória

Verás que a dor não foi em vão

No céu, uma linda estrela brilhou

Reluz o Salvador

Eu choro ao ver que o pecado me consome

Sou as duas faces desse homem

Que há de vencer o mal

É preciso lutar, exaltando Penhas e Marias

Que clamam por direitos, igualdade

Essa é a Tua vontade

Em nome do Pai, amém

Justiça e paz aos homens de bem

Deus não criou raça e nos ensinou

Aos olhos não existe cor

Quero me deitar em verdes campos

Ver a natureza florescer

Não ter a maldade como herança

Fazer valer cada amanhecer

É hora de darmos as mãos,

Cumprir a nossa missão

Perdoe se algo te fiz, me abraça e vem ser feliz

Nunca perca a esperança

Sempre é tempo de sonhar

A vida é um sopro divino a se revelar

Só o amor pode curar o mundo

No altar do Carnaval, canto em oração

A Mancha é a voz dos filhos Teus

Olhai por nós, meu Deus

Acadêmicos do Tatuapé

O PONTEIO DA VIOLA ENCANTA... SOU FRUTO DA TERRA, RAIZ DESSE CHÃO... CANTO ATIBAIA DO MEU CORAÇÃO

Ê viola! Inspiração da minha alma sertaneja

Ê viola! O meu paraíso abriu a porteira

O galo canta anuncia um novo dia

Relicário de beleza, doce água cristalina

É sagrado esse chão...

No suor da enxada eu cresci de grão em grão

Lá vem o trem... lá vai fumaça

O meu folclore é herança popular

Senhora do Rosário me alumia

Salve as águas de Oxalá

Lê lê lê lê lê á... vem pro nosso arraiá

Tem fogueira, quentão viva meu São João

Puxe o fole sanfoneiro pra viola chorar

O balão vai subindo pro céu enfeitar

Sou eu... filho da terra onde mora a poesia

Um violeiro que seguiu em romaria

Oh mãe querida peço tua proteção

Trago no peito essa tradição

E o orgulho de viver nesse lugar... (Meu lugar)

Num "templo" de paz e amor

Das mãos calejadas a arte brotou

Do alto da pedra, obra divina do meu criador

É carnaval...

Sinto perfume das flores

Um doce sabor no meu paladar

É Atibaia... nos braços do povo a cantar

Ponteia viola... bate o meu coração

Sou fruto da terra, raiz desse chão

Tatuapé... comunidade guerreira

Levanta sacode a poeira

Império de Casa Verde

MARHABA LUBNÃN

Vem das mãos do criador

O cedro que a história preservou

Guardiões da terra prometida

Revelam magias, o sopro da vida

Nação milenar, o sol não se esconde

Guerreiros ao mar, além do horizonte

Seguem ao toque do vento

As dobras do tempo na imensidão

Das divindades, a fé e a proteção

Tantas emoções ao lutar

Pra te defender, por te amar

Se a lágrima rolar, faz parte da missão

A força de uma nação

Herança que ao mundo seduzia

A brisa se espalhava pelo ar

Das cinzas, uma lenda renascia

O sonho para imortalizar

Oh, meu Brasil!

Hoje sua alma é libanesa

Um elo de amor que não desfaz

Meu Tigre guerreiro num canto de paz

Tá escrito nas estrelas

Que Deus é por nós

A Casa Verde é a nossa voz

Eu sou Império, mais um filho desse chão

São duas bandeiras, um só coração

X-9 Paulistana

BATUQUES PARA UM REI COROADO

Quando um toque ritmado toca o destino,

Cada passo mostra o que passou

Sou um contador e conto a dor de um peregrino...

Um som divino me enfeitiçou

Vi os Ibejis beijarem a sorte,

A morte singrar o oceano

Mudaram os ares, os mesmos olhares,

Ferida no corpo, a alma espelha

Rufam tambores que marcam a pele vermelha...

O som da Marujada,

Na tribo que festeja,

Encanta a batucada,

Começa a peleja

Rito da moça na aldeia, tom que passeia no ar...

É valor de mina longe a ecoar

Arrasta-pé no chão rachado,

Poeira vagueia ao luar do sertão

Brilham forró e xaxado,

Festa do Divino e São João

Gira a saia e abre a roda,

Alegria transborda também na Bahia...

Maracatus, Caboclinhos,

Seguindo o caminho que a fé irradia

No Ticumbí, no Catopês,

Pandeiros, ganzás, xequerês

Dos atabaques do jongo à Folia de Reis...

zona norte desfila e emociona outra vez

Eu sou o samba, rei do povo brasileiro,

Sou o batuque da X-9 nos terreiros

De Ogum, meu padroeiro, e de todos os orixás,

Na pulsação que vem dos ancestrais

Pérola Negra

BARTALI TCHERAIN - A ESTRELA CIGANA, BRILHA NA PÉROLA NEGRA

Sou eu, filho do oriente

Sob a luz do luar... valente

Mesmo perseguido, não irei me curvar

Carrego meus costumes e heranças

A esperança sempre foi motivação

Se a vida insiste em dor e sofrimento

Levo na bagagem o talento que condena a inquisição

No velho continente, deixei marcas nessa gente

Minha cultura aos quatro cantos florescia

Paixão que fez raiz em Andaluzia

Gira cigana, saia rodada

O seu bailado acende a fogueira

Tem castanholas, violinos e pandeiros

É festa pra dançar a noite inteira

Na palma da mão, destino traçado

Presente e futuro nos levam ao passado

Energia reluz no cristal

A carta da sorte espanta o mal

Sou um bandoleiro vagando na vida

Coberto de ouro, paixão colorida

Nas minhas andanças de longas jornadas

Cheguei ao Brasil

A terra de encantos mil

Olhai por nós, oh, Santa Sara

Olhai por nós... salve a cigana Madalena

A nossa voz

Sou a força do bem, emoção irradia

A estrela da sorte é a luz e me guia

Minha Pérola é a escola que eu amo

Joia Rara do samba e do povo cigano

Colorado do Brás

QUE REI SOU EU?

O luar do Maranhão clareia

Meu samba na veia

O sonho só começou

Meu povo querendo mais

Eu sou Colorado do Brás

Se cada um escreve seu destino?

O meu foi conduzido pelo Criador

Um órfão, um guerreiro, um menino

"O escolhido", que rei eu sou?

"No clamor desejado", capitão de Deus

Herdeiro esperado por toda nação

De nobres e plebeus

Ao santo flechado, mais que devoção?

Meu nome virou uma lenda

A Coroa me fez Dom Sebastião

Pode acreditar? louco eu não sou

Missionário sonhador...

Marejado na retina

Consagrado? luz divina

Abençoado? fiel desbravador

Lá no Marrocos, segui a minha missão

Sumi do mapa, ficou a interrogação

Por onde está nossa alteza?

Na Índia ou habitando mosteiro

Preso, misterioso em Veneza

É o povo em busca do meu paradeiro?

Mas, a realidade é que sempre estive aqui

No Belo Monte ou na Praia dos Lençóis

A alegria do Brasil eu descobri

É o presente que há em cada um de nós

E o touro encantado é minha magia

Vermelho e branco, encantaria

Numa só voz?

Gaviões da Fiel

UM NÃO SEI QUÊ, QUE NASCE NÃO SEI ONDE, VEM NÃO SEI COMO E EXPLODE NÃO SEI PORQUÊ...

O que é esse aperto no peito?

Invade a alma, não dá pra negar

É a mais sublime inspiração de um criador

Que o sonho em suas mãos moldou (é o amor, é o amor)

Eu quero viver romances proibidos

Doce delírio que desperta os sentidos

Quando dispara o insensato coração

Se a alma eternizar... vai muito além da razão

Quantos sentimentos... me levam

À luta por um ideal

Chama que ninguém pode apagar

É a liberdade de poder sonhar

É, não existem fronteiras,

Nem mesmo barreiras vão nos separar

Se a vida imita a arte,

Numa doce ilusão, vou mergulhar

Eu sou o olhar que te encontra pelas ruas

Um acorde que seduz à luz da lua

Sou o canto que ecoa pelo ar

E se eu enlouquecer,

Será de tanto amar

Vai arrepiar... abra o seu coração

Vem se apaixonar, explodir de emoção

Um sentimento que arrasta multidões

Canta, Gaviões

Mocidade Alegre

DO CANTO DAS YABÁS, RENASCE UMA NOVA MORADA

Olorum, supremo criador do universo

Seus olhos sofrem com meus gestos

Oh, meu Senhor

Agô, meu Pai Maior... tanto caos, destruição

No Aiyê, o tambor vai ecoar

É preciso acreditar na grandeza de Obatalá

Yaô, bela menina... yaô (ôô), a esperança

Entregue nos braços de Yemanjá

Nas águas purificar... odoyá

Deusa do amor... mamãe Oxum

Vento sopra e traz a força de Oyá

Na pureza de Ewá, um novo amanhã

A coragem vem de Obá, o saber vem de Nanã

Eh mulher 'feita' no poder da criação

Das águas, do solo, da chama sagrada

Soprando os segredos da renovação

Com a bênção de Orum, clareou, clareou

Ritual, feitiçaria no aiyê um novo dia

Santuário que das cinzas ressurgiu

Natureza em harmonia então sorriu

Lá vem elas... guerreiras... poderosas yabás...

Carregada de axé

Nossa Morada renascerá

Yabá cantou, o chão estremeceu

O corpo arrepiou, a lágrima correu

Oh, mãe rainha, te ofereço na avenida

A Mocidade, emoção da minha vida

Águia de Ouro

O PODER DO SABER - SE SABER É PODER? QUEM SABE FAZ A HORA, NÃO ESPERA ACONTECER

Águia, em suas asas vou voar

E no caminho da sabedoria

Páginas da história desvendar

Sou eu, no elo perdido um desbravador!

O tempo é o meu senhor

Na busca da evolução...

Criar e superar limites da imaginação

A mente "dominar"

Jamais deixar de acreditar!

Brincar de Deus... recriar a vida

Desafiar, surpreender

Na explosão a dor, uma lição ficou!

Sou aprendiz do Criador

Em cada traço que rabisco no papel

Vou desenhando o meu destino

No horizonte, vejo um novo alvorecer

Ao mestre, meu respeito e carinho

É nova era, o futuro começou

É tempo de paz, resgatar o valor!

Águia... razão do meu viver

Berço que Deus abençoou

Nada se compara a esse amor!

Meu coração é comunidade

Faz o sonho acontecer

Pompeia guerreira, chegou sua hora

Seu manto reluz o poder do saber

Vila Maria

A GRANDEZA DA CHINA E SUAS MENTES SÁBIAS E BRILHANTES, REMETEM AO MUNDO OS SEUS ENCANTOS. O SONHO DE UM POVO EMBALA O SAMBA E FAZ A VILA SONHAR

Vila, um caso de amor na avenida

O mundo hoje te reverencia,

Oh, China! Oh, China!

Um caso de amor na avenida

O mundo hoje te reverencia,

Oh, China! Oh, China!

Meu dragão milenar

Emana a energia que me faz sonhar

Grandes impérios se erguiam,

Mentes brilhantes que criam

Viver em perfeita harmonia

Caminho traçado, que maravilha!

Da lua, posso ver os astros a bailar

Artes de um povo em união

Filhos de uma só nação

Oh, pátria guerreira da sabedoria

Em cores e versos, essa melodia...

Tão bela ternura espalha no ar...

Faz encantar!

É fascinante, sonho real

Que retrata esse país continental!

Renova o corpo e a alma

Com o verde da esperança

Desperta a potência e a bonança

Xiè Xiè! A Vila Maria vem agradecer

Por tuas glórias, meu canto ecoou

O nosso momento chegou!

E faz a festa... a hora é essa

Um novo tempo vem aí

A Mais Famosa a reluzir

Rosas de Ouro

TEMPOS MODERNOS

Sou eu, sou eu, coração de aço

A cada passo, pronto pra sonhar

Meu mundo desfaço

Feito criança, vou sorrir ou chorar...

Saudade do abraço amigo

Não consigo entender

Quem sabe nas folhas do livro

Encontro o motivo, a luz do saber

O que será? Será...

Quero viver pra ver

Como vai ser o meu destino,

Se o meu futuro não é o mesmo de um menino?

Das mais belas mãos

Revoluções a nos guiar

A inovação vem dessas mentes

O que esperar?

Dona ciência, por favor, não leve a mal

Chegou a hora de rasgar o manual

Quero ver minha Roseira passar

É tempo de amar, é tempo de amar

Aprender, ensinar

Conectar as emoções, unir os corações

Eu sei que o tempo voa e vai voar

Eterna como a Rosa, assim será

A nossa relação, não importa a geração,

Renascerá!

São Paulo