PUBLICIDADE
Topo

Papo Preto #33: A criminalização do movimento funk

Mais Papo Preto
1 | 25

De Ecoa, em São Paulo

02/06/2021 06h00

Neste episódio de Papo Preto, Yago Rodrigues entrevista Bruno Ramos, produtor cultural e articulador nacional do Movimento Funk, sobre o papel do funk hoje para periferias e favelas. Ramos há dez anos estuda o movimento e a sua estigmatização pela sociedade para orientar os artistas do meio e dar respostas às indagações do movimento.

Ele conta que o movimento que nasceu inicialmente para dar suporte à população periférica e organizar a produção dos artistas para que tirassem do funk o seu sustento, ganhou novas dimensões em 2013 depois do assassinato de MC Daleste, alvejado por um tiro durante um show. "A partir desse acontecimento começamos a receber um público diferente, da classe média, jornalistas, estudantes, querendo entender o que estava acontecendo", conta ele a partir de 7:59 do arquivo acima.

Como nem eles entendiam o motivo da violência, o movimento passou a promover reuniões e conversas para tentar entender por que mesmo depois de 30 anos de existência o funk ainda era tão criminalizado, perseguido e estigmatizado.

O produtor fala do incômodo que sente por ter tido acesso à universidade e ao conhecimento que distribui hoje. "Eu tive vantagem social. Privilégios nós, pretos periféricos, nunca teremos, mas alguns de nós conseguem vantagens sociais e eu fico incomodado com isso porque sei que não sou regra, fui uma exceção, por isso cabe a mim repassar o conhecimento que tive para dar continuidade à nossa luta, precisamos formar lideranças" (a partir de 16:40 do arquivo acima).

O processo de criminalização do funk, segundo Bruno Ramos, tem início na década de 1990. "Não é um problema que começa com o funk e nem vai acabar com ele. O que o movimento sofre é o mesmo que sofreu o samba, depois o hip hop, estamos sofrendo 100 anos de criminalização da música negra no Brasil" (a partir de 23:52 do arquivo acima).

Ele admite ainda que existem problemas e arestas a serem aparadas sempre, que as criticadas letras machistas são um problema até mesmo para o movimento funk. "Mas cabe a nós corrigirmos isso, discutir isso na perspectiva do movimento funk para a gente ampliar o conhecimento, para esses artistas terem maturidade para saberem que aquilo é um problema estrutural" (a partir de 45:00 do arquivo acima).

Papo Preto é um podcast produzido pelo Alma Preta, uma agência de jornalismo com temáticas sociais, em parceria com o UOL Plural, um projeto colaborativo entre o UOL, coletivos e veículos independentes. Novos episódios vão ao ar todas as quartas-feiras.

Podcasts são programas de áudio que podem ser ouvidos a qualquer hora e lugar — no computador, smartphone ou em outro aparelho com conexão à internet. Você pode ouvir Papo Preto no canal do UOL no YouTube e nas plataformas de podcast Spotify, Google Podcast, Deezer, Apple Podcast e CastBox.