PUBLICIDADE
Topo

Leo Dias

Carnaval RJ: escolas de samba têm salários atrasados. Mangueira preocupa

Marquês de Sapucaí no desfile 2019 - Divulgação / Liesa
Marquês de Sapucaí no desfile 2019 Imagem: Divulgação / Liesa
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

20/01/2020 10h30

Faltando aproximadamente um mês para as escolas de samba do Grupo Especial do Rio entrarem na Avenida, o que vem chamando a atenção nos bastidores do Carnaval carioca é o atraso dos salários dos funcionários, além dos fornecedores das agremiações que também estão sem pagamento há alguns meses. Campeã do Carnaval do ano passado, Mangueira é a única que assume a dificuldade publicamente, as demais negaram a informação. Porém, o que se vê é a alegria característica da festa já dando espaço para a tristeza de quem sobrevive da folia.

Beija-flor, Viradouro e Grande Rio, que são agremiações de outros municípios do Rio, não enfrentam dificuldade financeira. Cenário oposto ao que ocorre na Cidade maravilhosa. A festa, que viu o orçamento destinado pela Prefeitura diminuir sistematicamente desde que Crivella assumiu o cargo, está quase pronta, mas as contas dos funcionários que dedicam o ano inteiro para garantir a folia estão atrasadas. Leandro Vieira, carnavalesco da Mangueira, e o casal de coreógrafos da agremiação, Priscilla Mota e do Rodrigo Negri, por exemplo, ainda não receberam nem 50% do combinado até o Carnaval. Integrantes da Mocidade e Salgueiro chegam a dizer que estão com salários atrasados desde abril do ano passado, porém, ambas negaram a reclamação.

Até a Portela, maior campeã do carnaval carioca, está sofrendo com atrasos. Há funcionários reclamando até que tiveram seus salários reduzidos pela metade, o que foi negado pela escola de Madureira. Já na Vila Isabel, a situação é mais tranquila, apesar de alguns sustos. Por lá, o pagamento atrasa alguns dias, mas até o momento tudo foi quitado.

Como a festa mais popular do país não pode parar e a criatividade é a marca do Carnaval, a Mangueira tem criado mecanismos para se financiar com a ajuda dos torcedores.

"A Mangueira vem enfrentando dificuldades financeiras, mas está procurando saídas para honrar com os seus compromissos, entre eles, o salário de seus funcionários. Uma das alternativas é o nosso projeto "Mangueirense Nota 10", um financiamento coletivo onde o próprio torcedor pode contribuir para ajudar a fazer o carnaval da escola, à partir de R$ 10", disse a assessoria de imprensa da Mangueira.

Paraíso do Tuiuti, Estácio de Sá, Unidos da Tijuca e Salgueiro afirmam que as reclamações não procedem e estão com os barracões quase prontos para o desfile. As demais também negaram a crise e se pronunciaram através de nota.

"A informação não procede e causa muita estranheza. A União da Ilha não atrasa salários há mais de 10 anos", garante o presidente da escola Djalma Falcão.

"A diretoria do Grêmio Recreativo Escola de Samba Portela, através de sua assessoria de imprensa, informa que os salários dos seus funcionários da quadra, barracão e segmentos de desfile estão em dia, inclusive no que se refere ao décimo terceiro salário dos funcionários celetistas, pago no mês de dezembro de 2019. Em relação aos empreiteiros do barracão, informamos que todos estão recebendo os valores previamente acertados em contrato, de acordo com o cronograma do projeto do Carnaval 2020 (com quitação prevista até o Desfile das Campeãs). Aproveitamos a oportunidade para negar qualquer redução e/ou corte salarial, seja de funcionários, seja de segmentos de desfile".

"A Mocidade Independente de Padre Miguel informa que não há pendências nos pagamentos de nenhum dos seus funcionários. Informa também que 90% da produção do seu desfile já está concretizada".

"O G.R.E.S. São Clemente vem, por meio deste, esclarecer que se mantém totalmente em dia com suas obrigações financeiras mediante aos fornecedores e funcionários de seu quadro atual. Mesmo com a complicada situação atualmente vivenciada pelas escolas de samba, nossa agremiação segue arcando totalmente com suas responsabilidades firmadas desde o início dos trabalhos para o Carnaval 2020. Com a mesma clareza que sempre demonstramos durante todos os anos de trabalho no Carnaval, reafirmamos que nos mantemos com todas as contas em dia e devidamente esclarecidas. Seguimos totalmente coesos com nossos princípios e cumprindo com todos os acordos firmados, sempre registrados e comprovados em nossas prestações de conta".

"A Unidos de Vila Isabel vem através deste comunicar que não possui salários atrasados conforme questionado. Estamos com nossos profissionais sendo pagos corretamente conforme planejamento para o carnaval de 2020. Reiteramos o comprometimento em cumprir uma gestão saudável financeiramente e transparente diante dos componentes, torcedores e opinião pública".

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Leo Dias