PUBLICIDADE
Topo

Leo Dias

Após mudanças radicais, presidente da Grande Rio anuncia: 'Uma escola nova'

Grande Rio desfila na Sapucaí - Júlio César Guimarães/UOL
Grande Rio desfila na Sapucaí Imagem: Júlio César Guimarães/UOL
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

02/03/2020 07h43

O segundo lugar da Grande Rio foi comemorado por muitos e contestado por outros. Mas o fato é que é resultado de uma mudança drástica na escola, que deixou de lado enredos comerciais e voltou às raízes, com um tema afro, sobre o rei do Candomblé. Mas será que esta mudança é passageira? Comenta-se que a escola virá em 2021 falando sobre a história do guaraná, que nada tem a ver com essa nova proposta. Por isso, a Coluna do Leo Dias conversou com Jayder Soares, presidente de honra da escola. Leia abaixo:

COLUNA DO LEO DIAS - A Grande Rio mudou e, parece, que acertou. Escolheu um enredo autoral sobre o candomblé e marcou história. Mas enredos patrocinados sempre fizeram parte da historia da escola. Havia até uma proposta de um enredo sobre o guaraná para 2021. E ai, Jayder? A Grande Rio mudou definitivamente?

JAYDER SOARES - Sim, estamos no caminho da mudança entre acerto e erros. Essa é a nova Grande Rio. Quanto ao enredo do Guaraná, foi uma pesquisa realizada junto aos carnavalescos após o Carnaval do ano passado. Eles foram a Maués (cidade do Amazonas famosa por produzir o melhor guaraná do mundo) junto ao nosso diretor de carnaval pesquisar sobre o enredo e acharam interessante, mas de fato não fechamos o patrocínio. Preferimos postergar esse enredo, até porque estamos numa pegada mais raiz, estamos dando total liberdade aos nossos carnavalescos, que renovaram com escola, para criar. Repito: neste momento da escola, procuraremos enredos mais raiz.

Essa transformação da Grande Rio comercial para a Grande Rio raiz teve algum tipo de resistência na escola?

Não, muito pelo ao contrário todos felizes com essa nova fase que estamos vivendo, A escola está muito unida.

Vocês, ao longo dos anos, sempre fizeram grandes contratações de nomes emblemáticos do Carnaval. Gastaram muito dinheiro e não deu certo. Agora, apostaram em novidades, em gente nova e gente da casa. Vai continuar assim para 2021?

Sim, não vamos mudar nada, estamos no caminho certo, iremos sempre apostar no time de casa, afinal somos uma escola de samba, formamos profissionais do samba.

Há (ou havia) um enorme preconceito dos jurados com a escola por ser cheia de artistas e com assuntos mais comerciais. Você acha que conseguiram mudar a cabeça dos jurados?

Hoje em dia há muitas escolas de samba com muito mais artistas do que a Grande Rio, porém, não acho que o artista desvalorize o espetáculo. Mas a Grande Rio vem buscando restruturação, para alcançar o título.

Como você definiria essa nova Grande Rio?

Uma escola nova, que já vem brigando pelo campeonato há muito tempo e entendemos a necessidade de termos enredos mais raiz, a escola está muito unida em busca do sonhado campeonato.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Leo Dias