PUBLICIDADE
Topo

CarnaUOL

Beija-Flor se reformula, investe no luxo e supera fiasco de 2019 com folga

Beija-Flor encerra o noite de desfiles na Sapucaí - Luciola Vilella/UOL
Beija-Flor encerra o noite de desfiles na Sapucaí
Imagem: Luciola Vilella/UOL

Do UOL, em São Paulo e no Rio

25/02/2020 03h29

Maior campeã dos desfiles realizados na Marquês de Sapucaí, a Beija-Flor de Nilópolis chegou à avenida com um desafio: esquecer o decepcionante 11º lugar do ano passado, um dos piores resultados da rica história da escola. A saída foi pela reformulação, com a chegada do carnavalesco Alexandre Louzada, que assinou a apresentação junto de Cid Carvalho, defendendo um enredo grandioso, "Se Essa Rua Fosse Minha". Deu resultado.

O desfile contrastou com o de 2019 e resgatou a aura clássica. Muito luxo, ao estilo Joãosinho Trinta, cores fortes, brilho e muita garra para narrar a história da humanidade, desde a Era Glacial até os dias de hoje. O público entendeu o recado e respondeu cantando alto e sambando até o fim da passagem da escola, a última a desfilar. Título a caminho? Difícil cravar, mas o fato é que a Beija-Flor conseguiu dar a volta por cima, e com bastante folga.

Carnaval 'Mad Max'

Misture Mad Max com Exu, coloque carros de ferro velho e brigas de gangues do Rio e do mundo. A comissão de frente da Beija-Flor teve tudo isso. Alguns dos veículos se desgarravam do elemento cênico e bailavam pela avenida, e de dentro deles saiam integrantes. Carnaval "punk" e teatral.

Beija Flor encerra o noite de desfiles na Sapucaí - Luciola Vilella/UOL - Luciola Vilella/UOL
Imagem: Luciola Vilella/UOL

O topless de Xica da Silva

Lexa, rainha da Unidos da Tijuca, não foi a única funkeira famosa a desfilar no segundo dia do Carnaval do Rio. Jojo Todynho saiu pela Beija-Flor, como destaque do chão no terceiro setor. Sua personagem: a escrava Xica da Silva, em versão de topless e coreografia inusitada.

Jojo Todynho em desfile da Beija-Flor - Reprodução/TV Globo - Reprodução/TV Globo
Imagem: Reprodução/TV Globo

Beija-Flor 'cristalizado'

Para contar a história do início dos tempos, a escola carnavalizou a Era Glacial trazendo seu símbolo, um imenso Beija-Flor em um carro dotado de esculturas de cristais, que brilhavam luzes multicoloridas como se estivessem refletindo os raios do sol. Um luxuoso carro abre-alas com 22 metros de envergadura.

Abre-alas do desfile da Beija-Flor - Reprodução/TV Globo - Reprodução/TV Globo
Imagem: Reprodução/TV Globo

Evolução pode perder pontos

Será difícil tirar pontos da Beija-Flor em quesitos como bateria, alegorias e mestre-sala e porta-bandeira, mas o mesmo não pode ser dito de evolução e harmonia. Houve uma certa demora para atravessar as 33 alas e, no fim, os integrantes tiveram de acelerar para chegar ao fim com tranquilidade, dentro dos 70 minutos regulamentares.

Beija Flor encerra noite de desfiles na Sapucaí - Luciola Vilella/UOL - Luciola Vilella/UOL
Imagem: Luciola Vilella/UOL

Voa, passarinho, voa

A Beija-Flor inovou em 2020 trazendo 400 miniaturas de beija-flor para a Sapucaí. E não só por isso. Mecânicos, eles voavam pelos ares até acabar a bateria, quando caiam sobre as arquibancadas, camarotes e pista. Um regalo para o público, melhor que os de casamento.

Beija Flor encerra o noite de desfiles na Sapucaí - Júlia César Guimarães/UOL - Júlia César Guimarães/UOL
Imagem: Júlia César Guimarães/UOL

"Se Essa Rua Fosse Minha"

Compositores Dario Jr, Diogo Rosa, Jean Costa, Julio Assis, Junior Fionda, Magal Clareou, Thiago Soares
Intérprete Neguinho da Beija-Flor

Preceito!
Minha fé pra seguir nessa estrada
Odara ê! Reina firme na encruzilhada
Abram os caminhos do meu Beija-Flor
Por rotas já trilhadas no passado
O tempo de tormenta que esse mar levou
Revela este novo Eldorado
Nas trilhas da vida, desbravador!
Destino traçado, vencedor!
Nos becos da solidão
Moleque de pé no chão

E nessas andanças, eu sigo teus passos
São tantas promessas de um peregrino
É crer no milagre, sagrados valores
Em tantos altares, em tantos andores

A vela que acende, a dor que se apaga
A mão que afaga se torna corrente

Nilopolitano em romaria
A fé me guia! A fé me guia!

Em meus devaneios
Entre o real e a imaginação
Saudade persiste, insiste em passear no coração
Feito um poema à beira-mar
Canto pra te ver passar
Me vejo em teu caminho
Nessa imensidão azul do teu amor
E às vezes, perdido
Eu me encontro em tuas asas, Beija-Flor
Por mais que existam barreiras
Eu vim pra vencer no teu ninho
É bom lembrar, eu não estou sozinho

Ê Laroyê Ina Mojubá
Adakê, Exu, ô, ô, ô
Segura o povo que o povo é o dono da rua
Ô, corre gira que a rua é do Beija-Flor!

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado no primeiro parágrafo do texto, a Beija-Flor é a maior campeã dos desfiles realizados na Marquês de Sapucaí, e não do século 20. A informação foi corrigida.

CarnaUOL