PUBLICIDADE

Topo

Dr. Kalil

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Apneia do sono: por que é preciso diagnosticar e tratar

Mais Roberto Kalil
1 | 25
Siga o VivaBem no
Roberto Kalil

Roberto Kalil Filho é médico cardiologista, professor titular da disciplina de Cardiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), presidente do Instituto do Coração (inCor/HCFMUSP) e diretor do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês. É responsável pelo portal de saúde Dr Kalil Coração & Vida, consultor do quadro Bem Estar, do programa ?Encontro?, da Rede Globo, e estreou o programa Minuto do Coração, na Jovem Pan.

Colunista do UOL

22/03/2021 04h00

Certamente você já ouviu falar em apneia do sono. Trata-se de interrupções recorrentes na respiração no momento em que dormimos, e que gera roncos irregulares durante o descanso. O problema é comum, mas nem todo mundo que tem a doença — sim, é considerado doença — tem o diagnóstico.

E o que apneia do sono tem a ver com outros problemas de saúde, a exemplo das doenças cardiovasculares? A explicação está nestas pequenas pausas na entrada de ar. Quando isso acontece, há diminuição da concentração de oxigênio no sangue e, consequentemente, superativação do sistema nervoso. Com isso, eleva-se o ritmo dos batimentos cardíacos e o estímulo da contração dos vasos sanguíneos -- o que, com o tempo, aumenta o risco de desenvolvimento das chamadas doenças cardiovasculares, a exemplo de arritmias, infarto e AVC.

Tratamentos vão desde os mais simples, como perda de peso, placa nos dentes e máscara CPAP, até cirurgia.

Quem explica mais sobre o tema é o diretor do Laboratório do Sono do Instituto do Coração (InCor-HCFMUSP), Geraldo Lorenzi Filho, no vídeo acima.

Convido a todos para assistir.

Também estou nas redes:
Instagram: @drrobertokalil
Youtube: Canal do Dr. Kalil
Facebook: robertokalilfilho

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL