PUBLICIDADE

Topo

Dr. Kalil

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Remédio Tofacitinibe e covid-19: próximos passos após publicação científica

Mais Roberto Kalil
1 | 25
Siga o VivaBem no
Roberto Kalil

Roberto Kalil Filho é médico cardiologista, professor titular da disciplina de Cardiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), presidente do Instituto do Coração (inCor/HCFMUSP) e diretor do Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês. É responsável pelo portal de saúde Dr Kalil Coração & Vida, consultor do quadro Bem Estar, do programa ?Encontro?, da Rede Globo, e estreou o programa Minuto do Coração, na Jovem Pan.

Colunista do UOL

05/07/2021 04h00

Nas últimas semanas, um importante estudo brasileiro sobre o uso do remédio Tofacitinibe (conhecido no tratamento contra artrite reumatoide e outras doenças autoimunes) em pacientes internados com pneumonia provocada pela covid-19 chamou a atenção do mundo.

Isto porque os resultados iniciais impactantes - associado a 37% menos risco de morte ou falência respiratória pela doença - levaram à aprovação do trabalho no jornal científico New England Journal of Medicine, um dos periódicos médicos científicos de maior prestígio no mundo.

Intitulado "Stop Covid" (Pare a Covid), foi liderado pela Academic Research Organization (ARO), do Einstein, em parceria com a Pfizer - além de mais 15 instituições brasileiras, a exemplo do Instituto do Coração (InCor/HCFMUSP).

A curiosidade que fica é: e agora, quais são os próximos passos? Quando deverá acontecer a aprovação pelos órgãos reguladores no mundo? O remédio entrará, de fato, no tratamento da doença?

Para responder estas e outras perguntas, conversei com o médico Otávio Berwanger, diretor da ARO e chair do comitê executivo do estudo, e a médica pesquisadora Patrícia Guimarães, integrante do trabalho.

Convido a todos para assistir ao vídeo acima.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL