PUBLICIDADE
Topo

De Fusca pelas Américas: ele largou tudo e pegou a estrada com o seu cão

Mais Brasil com Zeca
1 | 25

De Nossa

30/01/2021 04h00

O que faz um jovem deixar o emprego em um shopping, vender as poucas coisas que tem e, como menos de R$ 10 mil, largar-se pelas rodovias das Américas acompanhado apenas de seu cão? Detalhe: a bordo de um Fusquinha velho.

Foi para descobrir os fatores que estimularam esse ímpeto viajante que Zeca Camargo conversou com Jesse Koz no programa Brasil com Zeca, de Nossa, em parceria com MOV, a produtora de vídeos do UOL. Confira no vídeo a entrevista completa.

O ínício da aventura

Insatisfeito com a vida que levava em Balneário Camboriú, Jesse Koz pediu demissão, vendeu seus bens e embarcou em uma viagem com seu cão Shurastey (que ganhou o nome graças à música do The Clash, "Should I Stay or Should I Go") no Fusca apelidado de Dodongo.

jesse koz - shurastey - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

A ideia era seguir rumo ao sul "até onde o dinheiro permitisse". Pouco mais de um mês depois, chegou ao Ushuaia, o "Fin del Mundo", na Patagônia Argentina. E veio a ideia: por que não dirigir até o Alasca?

Natural de Curitiba, Jesse trabalhou como vendedor em loja de roupas até final de 2017. "Mas queria fazer algo novo e diferente, que eu lembrasse alguns anos à frente e me fizesse feliz".

jesse koz shurastey - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Três meses depois de deixar o emprego, colocou tudo o que tinha à venda — entenda-se aí moto e alguns eletrônicos — e comprou barraca, caixa térmica, cadeira e mais alguns itens que poderia precisar pelo caminho.

Em 15 de junho de 2017 eles chegaram ao Ushuaia, depois de 7.000 km rodados. "Foi a emoção mais forte até hoje. Venci muitas dificuldades, principalmente dos últimos 220 km embaixo de neve e com gelo na pista", conta.

jesse koz - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

De volta ao Brasil, com R$ 300,00 na carteira, Jesse decidiu aproveitar que já reunia mais de 35 mil seguidores na conta do instagram @shurastey_ para fazer dinheiro. Deu palestras,vendeu adesivos, bonés, canecas, almofada.

Foi assim que conseguiu seguir viagem para trajetos ainda mais desafiadores, cruzando as Américas em mais de 70 mil km de viagem.

O melhor amigo

jesse koz - shurastey - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Presente no dia a dia de Jesse desde 2016, Shurastey é superparceiro: adora entrar na água, ama correr, rolar e até ter o corpo "enterrado" na areia. Às vezes, dorme na barraca com seu dono, mas geralmente fica fora do carro.

O cachorro é peça-chave dessa aventura. "Acho que se estivesse sozinho, sem ele, já teria parado, porque a parte emocional pega muito - você não tem contato com outras pessoas, não conversa com ninguém e o Shurastey me dá esse suporte emocional"

jesse koz shurastey - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

A casa-móvel

Do jogo com o qual Jesse se distraía na infância e na adolescência saiu o apelido do carro. Dodongo é um personagem quase indestrutível de "Legend of Zelda" e empresta seu nome ao veículo de 1300 cilindradas, ano 1978, adquirido no início de 2017, que já encarou desertos de areia e de sal, neve, rios, florestas e todo tipo de estrada de terra e asfalto.

jesse koz shurastey - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Ele foi adaptando o carro para a aventura. Tem um reservatório de água potável, geladeira e reservatório de água e chuveiro para os banhos. Em cima dele, fica a barraca, onde Jesse dorme quando não há camas ou sofás disponíveis. A estrutura é montada e desmontada em menos 5 minutos.

Dodongo passou por uma reforma completa quando eles chegaram ao México: uma preparação para o desafiador Alasca. Porém, esta última perna da aventura está em stand by por conta da pandemia da covid-19.

Shurastey e eu: galeria de aventuras