PUBLICIDADE
Topo

Barista transforma apê de 42 m² em "selva" com 350 plantas e espécies raras

Mais Brasil com Zeca
1 | 25

De Nossa

23/01/2021 04h00

O urban jungle está com tudo. Ser louco por plantas e trazer as verdinhas para dentro casa em uma "selva" particular virou um movimento que toma as redes. Agora, imagine ser um dos expoentes dessa tendência, mas ter que comportar sua, digamos, floresta em um apartamento de apenas 42 m².

Pois essa é a realidade de Taniel Toy. O barista tem em seu apê, no centro de São Paulo, cerca de 350 plantas que dividem espaço também com o gato Roberto, que ganhou esse nome em homenagem ao paisagista Roberto Burle Marx, de quem Taniel é fã.

No programa Brasil com Zeca, o apresentador Zeca Camargo bateu um papo com o barista sobre essa paixão pelas plantas, como ele chegou a uma coleção tão grande e como faz para comportá-las em um apê diminuto que acabou virando uma estufa — e não estamos falando no sentido figurado.

Espécies raras

taniel toy - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Taniel é gaúcho e mora em São Paulo há 11 anos. As plantas tomaram uma proporção maior na sua vida quando ele passou a se interessar por espécies mais raras.

Em sua coleção estão antúrios, filodendros, samambaias gigantes (que podem atingir até 4 metros) e outras que são caras e raridades — uma delas chegou a custar R$ 1.500, "pra não perder a oportunidade."

Trata-se do antúrio cutucuense, do Equador, proveniente de uma floresta muito úmida e alta. Para resistir ao clima da cidade, ela fica num saco plástico para manter a umidade e dá folhas enormes.

Tudo controlado

taniel toy - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Taniel é tão cuidadoso com sua urban jungle que tem termômetro específico para manter a temperatura adequada para as plantas. "Criei uma tática de molhar com mangueira para diminuir o trabalho que dá", ri.

No seu Instagram, ele compartilha as fotos da casa há tempos — e se tornou influencer ao mostrar as plantas mais exóticas de sua coleção.

Porém, acha curioso o fato de várias pessoas pedirem para tomar café na casa dele. "É impressionante. O Instagram não é meu trabalho principal. Gosto de usar e de me comunicar com as pessoas, mas ainda me surpreendo quando pedem para tirar fotos comigo na rua".