PUBLICIDADE
Topo

Filho do goleiro Bruno quer mudar de nome e tem medo do pai

Talyta Vespa/UOL
Imagem: Talyta Vespa/UOL

José Edgar de Matos e Talyta Vespa

Do UOL, em São Paulo (SP)

12/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • "Temo pela nossa vida", diz Sônia, a avó, que passa temporada com Bruninho em São Paulo.
  • A mãe de Eliza Samudio, modelo assassinada, recebeu a reportagem do UOL Esporte ontem (11).
  • Bruninho tem nove anos e se assustou ao saber que o pai saiu da prisão.
  • O menino diz que queria se chamar Gabriel e repete o desejo de alterar o nome, o mesmo do ex-goleiro do Flamengo.
  • Bruno Samudio é criado pela avó e diz não ter mágoa do pai. "Como vou ter ódio de alguém que não conheço?"
  • Sônia faz questão de mostrar fotos e contar sobre como era Eliza Samudio para o neto, que tinha poucos meses na época da morte da modelo.

"Que merda!", gritou Bruninho enquanto envolvia a cabeça com as mãos e esfregava os olhos com força. "Que foi, meu filho, que foi?", correu a avó, Sônia, da cozinha, onde preparava a marmita do filho que, logo, sairia para trabalhar. "Eu tô com medo", foi a resposta do menino de nove anos. O diálogo aconteceu no último mês de julho, quando o goleiro Bruno Fernandes deixou a prisão para cumprir pena em casa.

Bruninho soube da notícia sem querer, enquanto assistia à televisão na hora do almoço. Ele é filho de Eliza Samudio e do goleiro Bruno. Para o menino, no entanto, o pai só é pai na genética. "Ele é só meu genitor", diz a criança a todo mundo que pergunta. Não há raiva, nem rancor. Apenas medo. "Como vou ter ódio de alguém que não conheço?", argumenta. E conclui, para encerrar o papo e eliminar qualquer dúvida: "Minha mãe é a Eliza".

Do goleiro, Bruninho tem os pés, a covinha no queixo e a mania de arregaçar a barra das calças de moletom. Da mãe, o aconchego ao acariciar os cabelos da avó, a paixão por batata frita com ketchup, o time do coração (São Paulo) e o talento com a bola —esse herdado de ambos. "Minha filha era apaixonada por futebol. Quando criança, acertava toda a escalação do time do São Paulo, com os reservas. Jogava bola na rua todos os dias", diz Sônia de Fátima, mãe da Eliza, de 53 anos.

Durante as cinco horas em que UOL Esporte esteve com avó e neto, o menino não parou de bater bola. A redonda batia no pé, no peito e, ufa, fugia dos porta-retratos da casa em que ele e a avó estão hospedados, em São Paulo, por curta temporada.

Enquanto o menino brinca, a avó revela que tentou evitar ao máximo que ele jogasse futebol e assume, até, que comemorou quando um dos seus três cachorros comeu uma das bolas que o neto tinha em casa. "Depois de muita conversa com a psicóloga, decidi não interferir mais. O Bruno Fernandes é uma pessoa, o Bruno Samudio, meu neto, é outra. Ele deve escolher o rumo da própria vida".

Bruninho queria ser Gabriel

Bruninho não pode ver uma bola. O menino é são-paulino e apaixonado pelo esporte mais popular do país - Talyta Vespa/UOL
Bruninho não pode ver uma bola. O menino é são-paulino e apaixonado pelo esporte mais popular do país
Imagem: Talyta Vespa/UOL

Bruno Samudio gosta de ser chamado, se possível, só assim. Ele nega o segundo sobrenome, "Souza", do qual queria se desfazer. "Na verdade, ele me diz o tempo todo que queria se chamar Gabriel, que queria mudar de nome. Eu não vou fazer isso, de jeito nenhum. Se o Bruninho, quando for adulto, quiser fazer isso, vou respeitar. Mas não vou interferir no nome que minha filha escolheu", diz a avó.

"Levei meu neto para tirar o RG há alguns meses e ele teve de assinar o nome completo naquela partezinha ali embaixo. Escreveu só 'Bruno Samudio' bem grande para que não coubesse mais nada. Não adiantou: o atendente disse que precisaria colocar o "Souza" também e ele fez um escândalo", conta.

Do pai, Bruninho sabe pouco, mas o suficiente. "Um dia, se ele quiser, vai poder conhecê-lo. Ele diz: 'Mãe Soninha, como vou confiar num cara que tentou me matar? Nem se ele me oferecer um refrigerante fechado vou aceitar'. Ele fala que tem medo do Bruno, sabe? Um dia, sei que será inevitável o encontro dos dois. Mas, se depender de mim, ele não chega perto do Bruninho".

Bruno ovacionado pela torcida machuca

Entre os detalhes que a avó prefere evitar que o neto descubra está a volta do goleiro ao futebol. Bruno foi apresentado ao Poços de Caldas, de Minas Gerais, no último fim de semana e acabou ovacionado pela torcida. Sônia estava em casa quando recebeu a notícia, por meio de uma colega da igreja. "Ver pais levando os filhos para exaltar um assassino é uma inversão de valores. Eu acredito muito na ressocialização, inclusive na dele. Mas não no esporte. O esporte envolve ser ídolo e como um assassino vai ser ídolo de alguém?", questiona.

Ricardo Benichio/Folhapress
Imagem: Ricardo Benichio/Folhapress

Sônia insiste a cada sequência de perguntas que não tem mais ódio do homem que matou sua filha. Porém, admite o quão árduo foi este processo. "Ajoelhava e rezava, gritava, doía de um jeito que eu perdia a voz. Não saía, sabe? Quando o Bruninho era bebê, eu deitava na cama, ele, no berço, e fechava todas as janelas. Se eu pudesse sumir com ele para um lugar em que não tivesse gente, eu iria. Eu queria ficar só com ele. Se eu sentisse ódio do pai dele, automaticamente transferiria esse ódio para ele. Eu não podia odiar meu neto".

Desde o assassinato da filha, em junho de 2010, a vida de Sônia é um alerta sem fim. À reportagem, garante que nunca desligou o celular desde que comprou: "Ah, há muitos anos já". Se o neto foge dos olhos dela, a avó vira e revira a cabeça até encontrá-lo. E grita o nome, quando não consegue.

É sempre assim: ela chega à escola dez minutos antes de o sinal marcar o fim da aula. De dentro do portão, Sônia espera Bruninho todos os dias. "Ele vive perguntando quando vai poder ir à escola sozinho. Digo que, quem sabe, daqui uns seis ou sete anos. Quem sabe, hein?".

Um grude com a avó

Sônia chora ao lembrar da filha Eliza. As lembranças surgem nos pequenos gestos do neto Bruninho - Arquivo Pessoal
Sônia chora ao lembrar da filha Eliza. As lembranças surgem nos pequenos gestos do neto Bruninho
Imagem: Arquivo Pessoal

"Ele ri quando falo isso. A gente não se desgruda, ele é muito chegado comigo", diz. Se Sônia acorda cedo, lá vai Bruninho 'zumbizando' atrás — não importa a hora. Naquele dia, o relógio marcava seis da manhã quando o menino levantou da cama, só dez minutos depois de a avó despertar com as galinhas. "Ele sente que eu não estou do lado", diz Sônia.

Só que nem sempre o grude foi possível: quando Eliza foi assassinada, ela se mudou da cidadezinha onde morava no interior do Mato Grosso do Sul. Sônia, o filho mais novo, o neto e o marido passaram a morar nos fundos de um comércio cercado por um muro de 6 metros de altura. Lá atrás, numa portinha, ficava a casa da qual ela passou anos sem sair: de madrugada, o marido a colocava no carro e dava uma ou duas voltas no quarteirão, só para que pudesse ver a rua.

"Comecei a sair com o Bruninho há poucos meses, eu tinha medo de que o reconhecessem. E ele não gosta muito de sair comigo por esse motivo. Diz: 'Mãe — ele me chama de mãe —, sempre que estou com você as pessoas descobrem quem eu sou'. E ele mesmo começou a criar suas próprias defesas: sempre que vê uma câmera, vira o rosto. Às vezes, é até grosseiro com quem pergunta alguma coisa sobre o pai. E não gosta de jornalista, não, viu? Fica bravo quando eu dou entrevista, diz que eu deveria parar de fazer isso porque sofro e que dói nele me ver sofrer", afirma Sônia.

Sempre que a avó se emociona, Bruninho seca suas lágrimas com as mãos e, num desespero de afago, repete, atropelando a mesma frase, várias vezes: "Eu estou aqui, não chora, eu estou aqui com você, sempre vou estar".

Nesta entrevista, Sônia extravasou quatro vezes, em momentos alternados. Ora de raiva, ora de saudade. A avó de Bruninho chorou ao olhar para o sorriso da filha estampado em uma foto, e de raiva ao se lembrar do neto jogado numa casa em uma comunidade.

Bruninho ganhou uma bola autografada ainda bebê pelo ex-goleiro Zetti - Arquivo Pessoal
Bruninho ganhou uma bola autografada ainda bebê pelo ex-goleiro Zetti
Imagem: Arquivo Pessoal

"Não é justo. Esse filho não pediu para vir ao mundo, minha filha não o fez sozinho. Ela teve o Bruno Fernandes para fazer o filho. É fácil culpar a mulher por ter engravidado. É um inocente que não tem voz para pedir um socorro. Me dói muito quando lembro todo o sofrimento do meu neto, tudo o que ele passou na mão deles", desabafa.

As lembranças do sofrimento se manifestam na vida do menino. Segundo Sônia, há alguns gatilhos que o maltratam. "Ele não pode ouvir ninguém falar: 'Perdeu, perdeu'. Um dia, um amigo do meu marido encontrou a gente na rua e fez essa brincadeira. O Bruninho começou a gritar, grudou no meu corpo...'Mamãe, mamãe, me ajuda'. O coração disparou. Depois descobri, com o processo, que quando minha filha foi sequestrada, ela estava no carro no banco de trás com o Bruninho. O primo do Macarrão sentou ao lado dela e gritou: 'Perdeu, Eliza, perdeu'.

O choro vem, enfim, em forma de alegria, quando Sônia relembra a primeira vez em que viu o neto. "Eu estava no conselho tutelar e ele estava em pezinho no colo de uma mulher, coberto por um paninho que eu puxei para deixar o rosto dele à mostra. Ele me olhou com esses dois olhões e abriu aquele sorriso. E eu o peguei, coloquei junto ao meu peito. Ele esfregava a cabeça em mim, olhava para mim e ria como se ele me conhecesse. Ele me cheirava e ria. Então foi assim, esse foi o momento que eu comecei a renascer. Renasço todos os dias desde então. Hoje, peço a Deus só uns dias a mais para que eu possa ver meu neto virar um homem íntegro, honesto e amoroso".

Legado de Eliza

“Falo para ele que sou avó. A mãe dele se chama Eliza", diz Sônia, que reforça a memória de Eliza para o neto - Talyta Vespa/UOL
“Falo para ele que sou avó. A mãe dele se chama Eliza", diz Sônia, que reforça a memória de Eliza para o neto
Imagem: Talyta Vespa/UOL

Poucos minutos bastam para categorizar a relação entre Bruninho e Sônia. As memórias do menino sobre a mãe são escassas, já que Eliza foi assassinada quando ele era um bebê com menos de seis meses. É recorrente a criança abordá-la como "mãe", como ocorreu inúmeras vezes durante o encontro com a reportagem. Ao mesmo tempo, Sônia faz questão de manter o legado vivo da vítima do crime bárbaro envolvendo o ex-goleiro do Flamengo.

"Falo para ele que sou avó. A mãe dele se chama Eliza. Eu sou avó. Ele me chama de mãe, mas sabe que eu sou avó. Faço questão de lembrar para o Bruninho o quanto ele era amado e querido pela mãe. Digo: 'Sua mãe lutou pela sua vida. Sua mãe te quis, sua mãe te amou'. Se ela estivesse com vida, ela seria a melhor do mundo para você", discursa.

Sônia observa Bruninho brincando e revive. As lembranças da filha estão nos pequenos gestos do neto. "Dá saudades. Às vezes sonho com ela. Chamo o Bruninho e, quando ele vira o olho para mim, assim, de baixo para cima, vejo o olhar da mãe dele. Ele se parece bastante com ela".

Ao mesmo tempo em que aquece o coração ao se lembrar da filha, Sônia luta para manter a dignidade de Eliza. Ela evita ler comentários ofensivos, comuns em redes sociais e em reportagens envolvendo o nome dela, mas faz questão de manter o legado da modelo. Por Bruninho; e para Bruninho.

"Eu já fui humilhada muitas vezes, isso hoje não me incomoda mais. Quer me xingar? Me xinga. A minha filha não está aqui para se defender e o que ela fez da vida dela é uma escolha dela. Eu não tenho culpa pelas escolhas que minha filha fez. Eles podem falar o que quiserem. Espero que no futuro respeitem um pouco mais a Eliza", encerra, enquanto observa Bruninho correr e brincar, livre e sem medo.

Relembre o caso

Eliza Samudio, modelo e mãe do filho do goleiro Bruno, foi morta por asfixia e esganadura em 10 de junho de 2010, data determinada por reconhecimento de Justiça. A modelo teve o corpo, até hoje não encontrado, esquartejado pelos assassinos.

O ex-jogador do Flamengo acabou condenado a 22 anos e três meses de prisão por homicídio triplamente qualificado, sequestro e ocultação do cadáver. Desde julho, está fora da cadeia e agora tenta retornar ao futebol profissional.

Eliza tinha 25 anos quando, segundo relatos de amigos, saiu do Rio de Janeiro, onde morava, e foi para Esmeraldas, na região metropolitana de Belo Horizonte, onde conversaria com Bruno, com quem tinha um bebê de apenas quatro meses de idade. O atleta estava em compromisso pelo Flamengo, mas iria logo depois.

Bruno mantinha um sítio na cidade mineira, onde costumava descansar e reunir amigos. Revelado pelo Atlético Mineiro em 2005, o goleiro atuava no clube carioca e morava no Rio de Janeiro desde 2006. Foi no Rio, no começo de 2009, que Bruno começou a se relacionar com Eliza. Cerca de um ano depois, em fevereiro de 2010, eles tiveram um filho.

Amigos contam que o relacionamento entre os dois havia "azedado" logo que Eliza soube estar grávida. Eles relatam que Bruno e Eliza brigavam muito, e o goleiro a teria agredido e obrigado a tomar remédios abortivos assim que recebeu o comunicado sobre a gravidez.
A pedido dele, Eliza teria ido ao sítio de Minas para conversar e, talvez, chegar a um acordo com o goleiro sobre a paternidade do filho. Ela foi, mas não voltou.

Investigação e "revelação"

Conforme a investigação, cerca de três semanas após Eliza ter sido levada para Minas, um telefonema anônimo para o Disque Denúncia (181) informou que ela havia sido agredida e morta no sítio do goleiro em Esmeraldas. Imediatamente a polícia conseguiu um mandado de busca e apreensão e seguiu para o sítio, onde encontrou roupas de mulher, fraldas e objetos de criança.

Sônia contou à reportagem que a filha ficou sob cárcere privado por uma semana —e que o neto passou fome durante esse período. Segundo a mãe da vítima, a ideia do goleiro era assassinar, também, o próprio filho.

Mas foi no Rio de Janeiro que o caso "explodiu", no início de julho do mesmo ano, quando a polícia apreendeu, na casa do goleiro, localizada em um condomínio fechado no Recreio dos Bandeirantes, um adolescente de 17 anos, primo de Bruno, que afirmou ter participado do sequestro de Eliza. Segundo depoimento do menor, ele e Luiz Henrique Romão, o "Macarrão", levaram Eliza e o bebê para o sítio em Esmeraldas.

Em seguida, de acordo com o adolescente, ela foi levada a Vespasiano para a casa do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola", acusado de ser o executor do crime. Lá, Eliza foi amarrada, estrangulada e esquartejada, e partes do corpo foram jogadas a cães da raça rottweiler, que as comeram. O bebê não estava junto, havia ficado 40 km para trás, no sítio em Esmeraldas, sob os cuidados da mulher de Bruno, Dayanne Souza.

No dia seguinte ao depoimento do menor, a Justiça de Minas Gerais pediu a prisão preventiva de Bruno e mais oito pessoas, todas suspeitas de participarem direta ou indiretamente do crime: Bruno, Macarrão, Bola (suspeito de matar Eliza), Dayanne, Fernanda Castro (amante de Bruno), Elenilson Vítor da Silva (caseiro do sítio), Flávio Caetano de Araújo (amigo), Wemerson Marques de Souza (amigo) e Sérgio Rosa Salles (primo de Bruno). Um foi assassinado (Sérgio) e acabou inocentado por falta de provas (Flávio).

Jorge Rosa foi condenado pelo juiz da Vara da Infância e Juventude de Contagem a cumprir medida socioeducativa por envolvimento no caso. As informações de Rosa serviram de base para as investigações da polícia. Porém, após apontar Bruno, Bola e Macarrão como os autores do crime, ele voltou atrás e negou a versão.

Morte

Desde as prisões, em agosto de 2010, novos fatos surgiram, ora ajudando, ora embaralhando as investigações do que pode ter acontecido com Eliza em Minas Gerais. Dezenas de testemunhas foram ouvidas, delegadas foram afastadas do caso, acusados disseram ter sido agredidos ou passaram mal na prisão, e peritos chegaram a desqualificar provas colhidas durante o inquérito.

Morte e tentativas de homicídio, além de lista de marcados para morrer, também estiveram presentes nesses quase dez anos. Um dos réus, Sérgio Salles aguardava o júri em liberdade e acabou assassinado quando ia para o trabalho, em Minas Gerais.

Ainda nesse período, uma juíza foi acusada de tentar extorquir Bruno para livrá-lo da cadeia, um suposto plano para matar outra juíza e um deputado foi descoberto, uma série de TV contando o caso quase foi impedida de ir ao ar, e uma carta anônima chegou ao estúdio de um programa de rádio indicando o local exato de onde estaria o corpo de Eliza. Mesmo tendo sido revelado em sonho, o lugar indicado foi visitado pela polícia, que não encontrou nada por lá.

Julgamentos

Bruno cumpre penas de mais de 20 anos de prisão pela morte de Eliza Samudio. Conforme já explicitado nesta reportagem, o goleiro foi condenado por homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado do filho Bruninho.

No entanto, juiz Tarciso Moreira de Souza, da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais da Comarca de Varginha, concedeu a ele, no ano passado, a progressão para o regime semiaberto. Com isso, o ex-jogador do Flamengo pode deixar a prisão a qualquer momento, sob as seguintes condições:

- Manter endereço atualizado perante o juízo.

- Comparecer em juízo até o dia 10 de cada mês para atualizar endereço e prestar contas de suas atividades.

- Demonstrar em juízo, no prazo de 30 dias, que se encontra trabalhando, com cópia da carta de emprego, ou CTPS, ou outro documento hábil, ou justificar a impossibilidade.

- Em caso da não comprovação de trabalho, deverá prestar serviço em obra, ou instituição pública ou entidade conveniada com o juízo da execução, pelo menos a razão de 1 hora por dia ou 7 horas semanais.

- Recolher-se em domicílio a partir das 20h e até as 6h da manhã seguinte, bem como recolher-se no domicílio aos domingos e feriados.

- Sujeitar-se à fiscalização por parte da Polícia Militar e agentes penitenciários, em visita domiciliar e eventualmente no local de trabalho.

- Não se envolver, em qualquer hipótese, em ilícito penal, muito menos frequentar bares, boates ou lugares criminógenos.

- Comparecer em até 30 dias no juízo da execução penal de seu domicílio para informar seu endereço atualizado e proibição de ausentar-se da comarca sem prévia autorização do juízo.

*Com informações do UOL Esporte

Futebol