Topo

Como um clube de assinaturas está estimulando a economia periférica

Débora Luz e Bruno Brigida, criadores do Clube da Preta - Edilaine Pereira/Divulgação
Débora Luz e Bruno Brigida, criadores do Clube da Preta Imagem: Edilaine Pereira/Divulgação

Paula Rodrigues

de Ecoa

01/10/2019 08h00

Vantagens do modelo Os empresários conseguem se sustentar e gerar empregos. A clientela compra produtos com menos intermediários e conhece novas ideias.

O mundo também ganha O estímulo a negócios periféricos permite uma circulação de dinheiro menos desigual. Consequentemente, a economia, de um modo geral, também se fortalece.

Débora Luz e Bruno Brigida, ambos com 30 anos, são namorados e sócios. Moradores de São Paulo, desenvolveram um modelo de negócio pensando em conectar empreendedores negros e periféricos a novos clientes, o Clube da Preta. A cada mês, caixas com produtos de moda afro são enviadas para as casas de quem compra os planos oferecidos.

"Iniciamos o clube em 2017, usando o limite de R$ 3,5 mil do cartão de crédito", conta Débora. Em dois anos, a empresa passou de 15 fornecedores para 150, distribuídos por seis estados brasileiros. Todos são negros e periféricos. O negócio tem atualmente cerca de 400 assinaturas, com crescimento de 10% ao mês e faturamento mensal de R$ 18 mil.

O Clube de Preta entrega caixas com produtos de moda afro na casa dos clientes - Reprodução/Clube da Preta
O Clube de Preta entrega caixas com produtos de moda afro na casa dos clientes
Imagem: Reprodução/Clube da Preta

Dentro das caixas montadas pelo Clube são enviados acessórios, cosméticos, livros e roupas. Débora é quem faz a curadoria de fornecedores e produtos. Ela diz perceber que, por trás de cada uma dessas marcas, há muita história de empreendedorismo envolvida, algumas inclusive de grande sucesso. É o caso da paulistana Michelle Fernandes.

Empreendendo juntos

Michelle Fernandes tinha 28 anos e R$ 150 na carteira quando foi demitida do emprego como auxiliar administrativa, em 2012. Era pouco dinheiro, mas ela resolveu investir. Juntou a quantia ao seguro-desemprego e começou a produzir acessórios e turbantes. "Queria que mulheres negras tivessem a opção de comprar produtos com os quais se identificassem", conta.

Doze meses, muito trabalho e tecido depois, a moradora do Capão Redondo, extremo sul de São Paulo, tinha em mãos um negócio que gerou R$ 60 mil. Hoje, ela vende cerca de 600 peças da Boutique de Krioula por mês, com uma renda anual entre R$ 150 mil e R$ 180 mil.

Michelle deu início à marca junto ao marido e sócio, Célio Campos, participando de eventos culturais com seus produtos. Até aquele momento, ela conta que "não sabia nada de empreendedorismo". Em sete anos, virou referência no assunto.

Além de atualmente comercializar suas criações em feiras e em uma loja on-line, a paulistana revende os acessórios para o Clube da Preta.

Outra marca que integra o Clube é a Makida Moda, que produz roupas com tecidos africanos. A produção envolve quatro famílias, explica a fundadora da empresa, Ignez Barcelar, 33.

Temos a preocupação de empregar quem mais precisa, e de deixar os produtos com um preço justo. Queremos que o dinheiro gire dentro da nossa comunidade"
Ignez Barcelar, criadora da Makida Moda, integrante do clube de assinaturas

Nos lugares em que a marca não consegue chegar sozinha, entra o Clube da Preta. "Depois de receberem nossos produtos, muitas pessoas nos procuram para conhecer melhor a marca. Também ganhamos mais alcance nas redes sociais, e isso é importante porque boa parte
dos empreendedores periféricos não tem verba para investir no meio digital", diz Ignez.

Para Débora e Bruno, a relação com os fornecedores é de troca. "Tentamos passar o conhecimento que temos. Nossos empreendedores são a base do Clube da Preta. Se não estão bem, o clube também não está. Crescemos juntos", diz ela.

O Clube da Preta é o primeiro clube de assinaturas de moda afro do Brasil - Reprodução/Clube da Preta
O Clube da Preta é o primeiro clube de assinaturas de moda afro do Brasil
Imagem: Reprodução/Clube da Preta

Visão de negócio

Bruno conta que um esforço inicial do Clube da Preta foi para mudar a visão dos criadores sobre o que produziam. "Muita gente falava que só fazia aquilo para completar a renda. Por isso, nosso trabalho também é de troca de conhecimento, com pequenas curadorias", diz.

Para ele, as pessoas não recebem a educação financeira adequada para tocar um negócio.

Eu mesmo aprendi que deveria trabalhar para alguém, sempre como empregado, nunca empregador. Mas aí vi que isso não se sustenta, o que mais tem nas periferias é empreendedor"
Bruno Brigida, sócio do Clube da Preta

O exemplo estava bem perto deles. "A mãe da Débora tem uma empresa de bolsas, a minha vendia coxinha, marmitex", conta ele, que, antes da iniciativa, estudava administração de empresas e trabalhava no mundo corporativo. Já Débora cursava museologia.

Apesar de a maioria dos negócios periféricos nascer para suprir uma necessidade gerada pelo desemprego, Bruno vê uma recente onda de vontade de empreender. Segundo o Instituto Data Favela, a renda nas periferias cresceu mais de 50% entre 2005 e 2015. "Os mais jovens são os que geralmente já vêm com um papo de fazer isso de forma consciente. Ouvimos dos nossos fornecedores que agora eles conseguem ver exemplos de empresas periféricas bem-sucedidas e também querem tentar", diz ele.

R$ 1 milhão nas periferias

Um estudo realizado pela empresa Outdoor Social estima que as 10 maiores periferias brasileiras tenham potencial de consumo de mais de R$ 7 bilhões em 2019. O Clube da Preta quer contribuir com isso, fazendo girar R$ 1 milhão nos próximos cinco anos.

Bruno assume que o plano é ousado, mas está confiante. "Isso eu aprendi no centro. O que mais se ouve em eventos de empreendedorismo é a galera branca falando: 'Daqui três anos minha empresa tem que faturar R$ 5 milhões'. E é o que eu levo para as pessoas com quem
trabalhamos. A gente vai gerar lucro porque há potencial", diz ele.

Bom pra todo mundo