PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro é retratado como "assassino do clima" no Carnaval alemão

Carro alegórico com boneco do presidente brasileiro com serras elétricas no lugar dos braços  - Ina Fassbender/AFP
Carro alegórico com boneco do presidente brasileiro com serras elétricas no lugar dos braços Imagem: Ina Fassbender/AFP

Da Deutsche Welle

24/02/2020 16h07

O presidente Jair Bolsonaro foi tema de carros alegóricos durante os tradicionais desfiles carnavalescos na Alemanha hoje. A Rosenmontag, "segunda-feira das rosas", é o ponto alto do Carnaval de rua do oeste alemão, famoso por suas sátiras políticas.

Em Düsseldorf, um carro alegórico trouxe um boneco do presidente brasileiro na posição de Cristo Redentor, mas com serras elétricas no lugar dos braços abertos. Nelas, lia-se "assassino do clima" e "Bolsonaro". Em volta do boneco, havia tocos de árvores decepadas e ensaguentadas.

Mas um detalhe da representação causou polêmica nesta segunda-feira. Uma bandeira brasileira estampada no peito de Bolsonaro trazia uma suástica nazista em seu centro.

Carnavalescos responsáveis pelo carro alegórico tiveram que remover o símbolo nessa segunda-feira, após recomendação das autoridades.

Policiais avistaram a suástica e consultaram promotores públicos, que concluíram que a representação representaria um crime - na Alemanha, emblemas e símbolos de organizações anticonstitucionais não são permitidos por lei. Assim, os organizadores foram aconselhados a cobrir ou remover a suástica.

Jacques Tilly, responsável pelo carro, confirmou o caso à agência de notícias DPA. "Isso é um absurdo, porque impede que haja liberdade de sátira, mas nós seguimos. Bolsonaro agora tem um buraco no peito", afirmou o carnavalesco.

Mais tarde, o ministério público expressou dúvidas sobre sua própria avaliação. "Uma análise mais aprofundada mostrou que a suástica nesse contexto deveria ser coberta pela liberdade artística", disse uma porta-voz do órgão.

Em Colônia, outro carro alegórico representou o presidente brasileiro, dessa vez segurando a bandeira do Brasil atada a um palito de fósforo tamanho família e exibindo um largo sorriso, diante de árvores carbonizadas e sambistas seminuas e chamuscadas.

"Esse é meu carro preferido", afirmou Holger Kirsch, diretor do desfile, em entrevista ao jornal local Kölner Stadt-Anzeiger. A alegoria, outra crítica às queimadas na Amazônia, produziu fumaça literalmente. "Nós trabalhamos com verdadeiras sacas de café e ainda instalamos um sistema de tubulação para que fumegue bastante", acrescentou.

Essa não foi a primeira vez que Bolsonaro é alvo do humor alemão. Em agosto, ele foi ridicularizado em horário nobre num programa humorístico transmitido pela principal rede de televisão pública da Alemanha, que criticou as políticas ambientais e agrícolas do presidente brasileiro e o chamou de o "boçal de Ipanema", entre outros apelidos.

A sátira política sempre foi um dos pratos principais dos desfiles carnavalescos no oeste alemão, em cidades como Colônia, Mainz ou Düsseldorf.

"Nosso mundo está mais político do que nunca - então, nossos carros alegóricos também o são", afirmou Kirsch ao jornal Bild. O tabloide informa que os 26 carros alegóricos do desfile deste ano em Colônia trouxeram, ao todo, representações de 14 políticos.

O presidente russo, Vladimir Putin, seu colega chinês, Xi Jinping, o premiê britânico, Boris Johnson, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foram outras atrações na Rosenmontag de Colônia neste ano.

As figuras da política alemã, logicamente, também não faltaram. Uma das alegorias exibiu a chanceler federal alemã, Angela Merkel, junto à sua colega da União Democrata Cristã (CDU), Annegret Kramp-Karrenbauer, que comunicou recentemente sua renúncia como chefe do partido.

Outro carro mostrou uma múmia representando o Partido Social-Democrata (SPD), que tenta ressuscitar dos mortos. A legenda, que integra a coalizão do governo alemão, enfrenta há anos forte tendência de queda nas pesquisas de intenção de voto.

Além da sátira política usual, um posicionamento forte contra a extrema-direita foi particularmente evidente em 2020. Enquanto Colônia representou sua famosa Catedral em lágrimas pelas vítimas do recente atentado terrorista em Hanau, Düsseldorf mostrou o racismo como uma arma mortal.

"Neste momento, não há nada mais sério do que o terrorismo de extrema-direita", afirmou o carnavalesco Tilly, de Düsseldorf. Um dos carros alegóricos na cidade representou a cabeça de um homem enraivecido, com uma arma saindo de sua boca, em que se lia "racismo". Na bochecha do boneco, a seguinte frase: "Palavras se tornam ações."

A alegoria também chamava a atenção para os ataques a tiros em Hanau na última quarta-feira, que deixaram nove pessoas de origem estrangeira mortas. Após o massacre, o terrorista voltou para casa, onde matou a mãe, de 72 anos, e cometeu suicídio. Numa carta de confissão e em vídeos, o atirador expõe pensamentos racistas, defendendo ideologias de extrema-direita.

"Não há apenas um perpetrador. Não é apenas aquele que atirou. Aqueles que prepararam mentalmente a ação também são responsáveis", afirmou Tilly, referindo-se às pessoas que proferem discursos racistas, xenófobos e de extrema-direita.

CarnaUOL