PUBLICIDADE
Topo

RJ: onda de furtos marca abertura do Carnaval não oficial; casais são alvo

5.jan.2020 - A abertura do Carnaval não oficial ocorreu no centro do Rio; na foto, bloco na Cinelândia - Dikran Junior/Futura Press/Estadão Conteúdo
5.jan.2020 - A abertura do Carnaval não oficial ocorreu no centro do Rio; na foto, bloco na Cinelândia Imagem: Dikran Junior/Futura Press/Estadão Conteúdo

Gabriel Sabóia

Do UOL, no Rio

06/01/2020 14h47

A abertura do Carnaval não oficial do Rio, realizada ontem (5), foi marcada por uma onda de roubos e furtos a foliões. Relatos compartilhados nas redes sociais dão o tom da insegurança nas ruas do centro da capital fluminense, onde mais de 20 blocos se apresentaram. Entre os alvos preferenciais, estavam casais que se beijavam.

A jornalista Lívia Silva, 34, foi uma das pessoas que deram falta dos seus pertences enquanto aproveitava um dos cortejos. "Estava sendo feliz, beijando na boca, quando uma amiga veio me avisar que tinha sido furtada. Fui checar a minha pochete —na única vez em que deixei o celular lá, e não na cartucheira— e também tinha acontecido comigo. Eu não senti nada", relatou.

Apesar dos relatos, não há números oficiais quanto aos crimes praticados ontem no centro do Rio. Procurada em relação ao contingente mobilizado para o policiamento da região, a PM ainda não respondeu. A Polícia Civil também não se manifestou quanto ao número de registros feitos em delegacias da região.

A produtora audiovisual Luana Ribas desfila como pernalta (em cima de uma perna de pau) e, por isto, conseguiu ver do alto a ação dos assaltantes na Praça Quinze. Ela conta que os casais foram alvo preferencial.

"Depois que desci da perna, consegui observar enquanto beijava o meu namorado. Tinha outros dois casais também se beijando e percebi o vendedor de bebidas tentando pegar as coisas de um deles. Me meti, chamei o casal, mas a pochete já havia sido aberta", conta.

O trompetista Diego Rodrigues se apresentava em um bloco quando reparou que havia sido roubado.

"Fui comprar uma cerveja e coloquei a carteira dentro do case em que guardo meu trompete. Alguns minutos depois, um amigo encontrou a minha CNH no chão. Quando olhei os meus pertences, vi que o case havia sido cortado, possivelmente com um estilete, sem que eu tivesse percebido. Recuperei meus documentos, que foram deixados dentro da carteira sem dinheiro", relata.

O especialista em segurança e ex-capitão do Bope (Batalhão de Operações Especiais) Paulo Storani diz que cortejos de blocos carnavalescos, assim como outras aglomerações, são ambientes que envolvem riscos, que podem ser contudo minimizados.

"Estar no bloco é estar vulnerável, mas os riscos podem ser minimizados com medidas simples, como evitar usar celular no bloco, evitar se afastar de amigos e dividir os recursos entre os bolsos, por exemplo. Desta forma, ainda que você seja furtado, terá dinheiro para voltar para casa. Bolsas, por exemplo, também devem ser dispensáveis", afirma.

CarnaUOL