PUBLICIDADE
Topo

Veja como resolver as principais preocupações envolvendo filhotes

Veja como resolver as principais preocupações envolvendo filhotes de cachorros e gatos - Reprodução/gettyImages
Veja como resolver as principais preocupações envolvendo filhotes de cachorros e gatos Imagem: Reprodução/gettyImages

Colaboração para o UOL, em São Paulo

21/10/2020 04h00

Mordidas incessantes, destruição de utensílios ou móveis da casa, xixi fora do lugar... Todo mundo que já teve algum filhote de cachorro em casa - ou conhece pessoas que tiveram - sabe que o processo de adaptação do pet a nova casa não é sempre dos mais tranquilos possíveis. Mas adiantamos: o carinho, companheirismo e alegria que esse novo amigo de quatro patas vai trazer para os tutores valem, e muito, o esforço inicial para lidar com esse temperamento efusivo dos filhotes.

Como os cachorrinhos não vêm com manual de instrução - e nem seria possível, já que cada um é único - o que o tutor pode fazer é tentar desvendar a origem de alguns desses comportamentos e, a partir disso, aplicar algumas estratégias mais ou menos universais para contê-los ainda na infância, evitando que o filhote leve maus hábitos para a fase adulta. Para te ajudar, o UOL BICHOS falou com a veterinária Thaís Matos, da empresa de serviços para pets DogHero, e reuniu dicas de como lidar com algumas dessas preocupações.

Móveis o objetos da casa destruídos: por que filhotes roem tudo e como coibir o hábito

Em filhotes, o ímpeto de morder móveis e outros objetos da casa geralmente pode ter duas raízes: a grande quantidade de energia que os cachorros têm nessa primeira fase da vida e a troca de dentição, com a queda dos dentinhos de leite e o nascimento dos permanentes. Muitas vezes, os dois motivos andam juntos. Por isso, a veterinária Thaís Matos aconselha que o tutor ajude o filhote a gastar energia de outras formas que não seja roendo móveis ou com brincadeiras destrutivas de uma forma geral.

Para isso, será necessário dedicar mais tempo a ele e entrar na brincadeira, proporcionando atividades como pega-pega e até mais passeios (caso o filhote já seja vacinado). Também vale investir em brinquedos desenvolvidos especialmente para essa fase da vida dos cãezinhos, que contribuirão para que ele pare de "atacar" os móveis caso o problema seja a coceira na gengiva por conta da troca dos dentinhos.

Mordidas nos tutores

Embora a troca da dentição também possa ser uma das possíveis razões para os filhotes morderem os tutores - ou até as visitas -, nesse caso as mordidas geralmente estão associadas a uma necessidade de atenção, explica Thaís. Segundo ela, se os tutores respondem às mordidas dando mais atenção para o animal, eles entendem que essa é uma forma de conseguirem mais tempo e dedicação dos humanos.

Por isso, o conselho dela é que o dono tente duas possíveis abordagens. A primeira delas é reprimir firmemente com um "shhh!" todas as vezes que o animal tentar morder uma pessoa - sem, é claro, ser violento. "Fale firme com seu pet, mas sem ser rude. Ele precisa saber quem manda nessa relação cheia de mordidas", aconselha a veterinária. Se o filhote insistir nas mordidas, a solução é passar a ignorá-lo, não retribuindo justamente com a atenção que ele esperava receber. Caso seja necessário, o tutor pode até sair de perto do animal e deixá-lo sozinho.

Cuidados para evitar acidentes: como evitar que filhotes subam na cama ou sofá

Por terem muita energia acumulada e curiosidade para explorar novos lugares, é natural, segundo a veterinária, que eles tentem escalar móveis e subir em camas e sofás. Nesse momento, o tutor deverá decidir quais regras quer que o animal siga dali em diante: será permitido ao pet subir e permanecer na cama? E no sofá?

Caso a resposta seja afirmativa, o tutor pode, já nessa fase, adquirir pequenas escadinhas ou rampas encontradas em lojas especializadas para pets e colocá-las junto das camas e sofás para que o animal possa se locomover com segurança.

Mas, se por outro lado, os tutores decidirem que não querem que o filhote suba nesses lugares, isso deverá ficar bem claro desde o início da convivência, quando ainda são filhotes. Comandos como "desça" e "senta" podem ser úteis, e devem ser ensinados com a ajuda de petiscos e das técnicas de adestramento positivo, que consistem em recompensar o animal por seus bons comportamentos.

Como adaptar o filhote para dormir sozinho (ou ao menos na própria caminha)

É natural que os filhotes queiram passar a maior parte do tempo possível junto com os tutores, mas alguns hábitos como o de dividir a cama com humanos não são incentivados por todos os veterinários, já que causam uma relação de extrema dependência entre o bicho e o tutor e dificulta que eles criem autonomia.

Por isso, se você quer incentivar desde cedo que o filhote durma sozinho e desenvolva esta independência, deve criar primeiro um ambiente tão aconchegante quanto sua cama para chamar a atenção dele. Caminhas próprias para pets ou mesmo mantas são boas opções. Caso o filhote chore ou insista em subir na sua cama, mostre o chão e indique onde fica o espaço dele. Os comandos que já mencionamos para ensiná-los a não subir no sofá também são úteis nesse caso.

Para evitar o xixi pela casa, crie o cantinho das necessidades e aposte no adestramento positivo

Xixi pelo chão da casa toda - ou pior ainda, em tapetes - é o pesadelo de qualquer tutor que acaba de adotar um filhote. A má notícia é que, hora ou outra, esses acidentes infelizmente acontecerão, já que o animalzinho ainda não entende muito bem as regras da casa. Mas a boa é que perfeitamente possível educá-los para que esses episódios se tornem cada vez mais raros e quem sabe até desapareçam em algum momento! Como o UOL BICHOS já explicou em um outro texto, o tutor precisará seguir alguns passos como:

  • Criar um espaço adequado para que o filhote faça suas necessidades, utilizando jornais ou tapetes sanitários;
  • Estabelecer um rotina, alimentando o cãozinho sempre nos mesmos horários e o levando até o cantinho das necessidades logo depois que ele comer;
  • Recompensar o filhote com petiscos ou mesmo um carinho todas as vezes que ele fizer o xixi ou cocô no lugar certo.
Vale lembrar que, mais do que em qualquer outro caso, as represálias podem ter um efeito muito ruim no processo de ensinar o filhote a fazer as necessidades no local certo. Alguns animais, aponta a veterinária da DogHero, podem até mesmo desenvolver o hábito de comer as fezes para escondê-las do dono, simplesmente por medo de serem repreendidos.
Qualquer filhote pode ser educado e deixar maus hábitos para trás, mas o processo deve ser conduzido sempre com carinho e muita responsabilidade.