PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

São Paulo tem maior 'teste de grandeza da América' para evitar nova mancha

Enzo Pérez e Hernanes disputam lance na partida entre São Paulo e River Plate, no Morumbi - Pool/Getty Images
Enzo Pérez e Hernanes disputam lance na partida entre São Paulo e River Plate, no Morumbi Imagem: Pool/Getty Images

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

30/09/2020 04h00

Classificação e Jogos

Muito mais do que os três pontos estarão em jogo hoje (30), a partir das 21h30, quando o São Paulo entrar em campo para enfrentar o River Plate, em Avellaneda, na Grande Buenos, na Argentina. Caso o Tricolor paulista seja derrotado, o time vai estar matematicamente eliminado da Copa Libertadores. Tal fracasso seria mais uma mancha para a história recente do clube.

Desde 1987, o time do Morumbi não cai na fase de grupos da competição continental. No total, o São Paulo só deixou a Libertadores na fase de grupos em outros dois anos (1978 e 1982). Também nesse passado recente, outra marca negativa foi a queda na Pré-Libertadores, quando o time foi sucumbiu diante do Talleres, na última temporada.

A lista de vexames recentes do São Paulo tem ainda a eliminação no Paulistão para o Mirassol, neste ano. Mas se voltarmos um pouco mais no tempo, ainda no início da gestão de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, em 2015, o time também tem fiascos em seu currículo. No Brasileirão de 2015, a equipe perdeu por 6 a 1 do arquirrival Corinthians, que entrou em campo com apenas três titulares.

Na temporada seguinte, pelas quartas de final do Paulistão, o time foi goleado pelo Audax, então comandado por Fernando Diniz, por 4 a 1. Na mesma temporada, no mata-mata das oitavas de final da Copa do Brasil, a equipe caiu diante do Juventude, que na época disputava a Série C do Nacional.

Em 2017, quando era treinado por Rogério Ceni, o time foi eliminado na primeira etapa da Copa Sul-Americana pelo modesto Defensa y Justicia-ARG, no Morumbi. Novamente contra um clube sem tanta tradição da Argentina, pela Copa Sul-Americana, o São Paulo deu vexame. Na segunda fase do torneio de 2018, a equipe acabou sendo eliminada pelo Colón.

Desta vez, o desafio é classificado como gigante também pela grandeza do adversário. O próprio São Paulo sempre fez questão de destacar o potencial do River Plate, que na visão dos tricolores brasileiros tem o time mais forte do continente.

Mesmo depois de ficar seis meses sem atuar, o River conseguiu empatar com o São Pauçlo fora de casa e aplicar uma goleada no Binacional (6 a 0). Nos últimos anos, o time manteve a base, conquistou títulos — foi campeão da Libertadores de 2018 e terminou 2019 como vice continental, sendo superado pelo Flamengo.

Por isso, para muitos, encarar o River fora de casa pode ser visto como a missão mais ingrata do torneio. E, em nenhum desses últimos anos, o Tricolor teve uma tarefa que fosse considerada tão difícil.

"É um time que temos de ponderar que foi semifinalista em 2017, campeão em 2018, e em 2019 foi vice jogando melhor do que o Flamengo, tem o mesmo treinador há seis anos, a mesma base e só enriquecendo o elenco nos últimos três anos. Não é algo para desconsiderar", avaliou Fernando Diniz.

"É uma equipe histórica que tem muito tempo jogando junto e que trata a bola com muito carinho. Então, vai ser um jogão. Vai ser um jogão porque são duas equipes que gostam de jogar, que propõe o jogo. E isso faz com que o espetáculo fique bom, interessante, mas sabendo que na nossa mente só passa um resultado. E para isso que a gente veio aqui. Sabendo que temos de fazer um jogo perfeito para poder conseguir", completou Daniel Alves.

O São Paulo chega para essa partida com apenas quatro pontos conquistados. A equipe brasileira foi derrotada pelo Binacional, do Peru, logo em sua estreia na competição. Para muitos, esse tropeço pode definir a trajetória do time na competição.

Por outro lado, se serve de motivação para os brasileiros, a equipe jamais perdeu para o River em Libertadores. No total, são três vitórias do São Paulo e dois empates, até o momento.

FICHA TÉCNICA:

RIVER PLATE x SÃO PAULO

Data: 30 de setembro de 2020, quarta-feira
Horário: 21h30 (de Brasília)
Local: Estádio Libertadores da América, em Avellaneda, na Grande Buenos, na Argentina
Competição: Copa Libertadores, quinta rodada da fase de Grupos
Árbitro: Cristian Garay (CHI)
Assistentes: Christian Schiemann (CHI) e Claudio Rios (CHI)

RIVER PLATE: Armani, Montiel, Martínez Quarta, Pinola e Casco; Nacho Fernández, Enzo Pérez e De la Cruz; Álverez, Suárez e Borré. Técnico: Marcelo Gallardo.

SÃO PAULO: Tiago Volpi; Igor Vinícius (Juanfran), Diego Costa, Léo Pelé e Reinaldo; Tchê Tchê, Daniel Alves, Gabriel Sara, Igor Gomes; Pablo e Hernanes (Paulinho Boia, Brenner ou Vítor Bueno). Técnico: Fernando Diniz.

São Paulo