PUBLICIDADE

Topo

Qual é o Remédio

Um guia dos principais medicamentos que você usa


Qual é o Remédio

AAS, além de dor e febre também previne doenças cardiovasculares

iStock
Imagem: iStock

Cristina Almeida

Colaboração para VivaBem

04/08/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Ácido acetilsalicílico é um medicamento classificado como Anti-inflamatório Não-Esteroidal
  • É também analgésico, antifebril e deve ser usado por tempo limitado e sob orientação médica
  • Ele ainda tem uso de longo prazo para a prevenção de doenças cardiovasculares
  • Doses altas podem levar a efeitos colaterais como sangramento estomacal e toxicidade

Disponível desde o início dos anos 1900, o ácido acetilsalicílico é um dos medicamentos mais usados do mundo para o controle da dor e da febre. Um de seus componentes, o salicilato, deriva do salgueiro, e suas propriedades já eram conhecidas há 4.000 anos.

O que é o Ácido Acetilsalicílico (AAS)?

Trata-se de um MIP (Medicamento Isento de Prescrição) e, por isso, você pode comprá-lo na farmácia sem receita médica.

Nos livros de farmacologia, esse medicamento é classificado como um AINE (Anti-Inflamatório Não Esteroidal) e, portanto, possui propriedades analgésica, antipirética (age contra a febre) e anti-inflamatória. Além disso, ele também é considerado um antiagregante plaquetário (previne coágulos sanguíneos).

Em quais situações deve ser usado?

Dada a utilização desse fármaco há mais de um século, ele é considerado muito seguro. Contudo, é importante que você faça o uso racional desse remédio, ou seja, utilize-o de forma apropriada, na dose certa e por tempo adequado.

A medicação é indicada para aliviar os seguintes sintomas - leves a moderados:

A literatura médica sobre o AAS indica que ele também pode ser útil na prevenção e auxiliar no tratamento dos quadros a seguir descritos:

  • Angina (inclusive na sua prevenção)
  • Doenças reumatológicas (espondilite anquilosante, osteoartrite, artrite reumatoide e lúpus)
  • Redução do risco cardiovascular
  • Câncer colorretal
  • Acidente vascular isquêmico (AVCI ou derrame) - inclusive na sua prevenção
  • Infarto do miocárdio (e também na sua prevenção)
  • Preparação para cirurgia de revascularização (ponte de safena)

Entenda como funciona

O AAS possui boa farmacocinética, ou seja, ele é rapidamente absorvido no trato gastrointestinal, especialmente na sua forma líquida, e é distribuído pelos tecidos, até que chega a seu alvo, efetua sua ação, se transforma em um produto excretável (metabolização), termina sua tarefa e sai do corpo pela via renal.

O mecanismo de ação (farmacodinâmica) consiste na inibição das enzimas Cox, com a diminuição da produção de prostaglandinas, combatendo, assim, a inflamação, a dor e a febre. Um detalhe desse medicamento é que ele é também capaz de bloquear o troboxano A2 que é produzido nas plaquetas, impedindo a agregação plaquetária —o que impede a formação de coágulos. A explicação é de Amouni Mourad, farmacêutica, professora do curso de farmácia da Universidade Presbiteriana Mackenzie e assessora técnica do CRF-SP.

O medicamento começa a fazer efeito já a partir de 20 minutos, e pode durar por até 6 horas. De modo geral, ele não deve ser utilizado, sem orientação médica, por mais de 3 ou 5 dias seguidos.

Conheça as apresentações disponíveis

A Aspirina® e o BufferinCardio® são as marcas de referência do AAS. Mas você pode encontrar as versões genéricas. Confira algumas apresentações e doses disponíveis:

Comprimidos

  • 81 mg - infantil;
  • 100 mg - infantil (nessa concentração também serve como preventivo para problemas cardiovasculares);
  • 500 mg - crianças acima de 12 anos e adultos.

Embora o medicamento seja considerado bastante seguro, e possa ser comprado sem receita, é importante que ele seja utilizado sob orientação médica, farmacêutica ou de um cirurgião dentista. Brenno Cardoso Gomes, professor do curso de medicina da Universidade Positivo e chefe do Departamento de Medicina Integrada da UFPR, fala que o AAS, assim como outros anti-inflamatórios com princípios ativos diferentes, podem ter efeitos colaterais preocupantes, a depender das condições de saúde de quem o utiliza.

"Um deles é o sangramento do estômago, mas podem ocorrer até reações imunológicas. Além disso, o uso desse medicamento, na prevenção primária de eventos cardiovasculares, tem sido controvertido. Por todos esses motivos, é importante evitar a automedicação", adverte o especialista em clínica médica.

A advertência de Gomes se refere às diretrizes das sociedades de cardiologia de todo o mundo: a aspirina só deve ser usada para prevenir infarto e AVC em pessoas sem doenças cardiovasculares diagnosticadas, em casos específicos. Na prevenção secundária —isto é, por quem já tem histórico de doença cardiovascular—, o remédio é bastante utilizado, mas quando receitado pelo médico —não tome por conta própria.

Soma-se a isso o fato de que, na pediatria, a overdose do AAS é considerada bastante comum. Aliás, o uso de altas doses de AAS, ou outros medicamentos à base de salicilatos, por longo prazo, pode prolongar sua absorção e causar grave toxicidade.

Quais são as vantagens e desvantagens desse medicamento?

A maior vantagem é que se trata de um fármaco cujos efeitos são bastante conhecidos e estudados. Por isso, é considerado seguro e eficaz quando utilizado sob orientação de um profissional da área da saúde.

Outra vantagem é que algumas apresentações constam da Rename (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais) e, assim, têm distribuição gratuita em todas as UBS (Unidades Básicas de Saúde). Para ter acesso a elas, basta apresentar a receita médica.

Na opinião de Cynthia França Wolanski Bordin, farmacêutica e professora adjunta das Faculdades de Farmácia, Enfermagem, Odontologia e Medicina da PUC-PR, a maior desvantagem do AAS é que, "apesar de ser um MIP, ele deve ser usado com critério e cuidado, principalmente quando a pessoa tem algum problema gástrico, distúrbio de coagulação, suspeita de dengue —ou qualquer outra situação que possa levar a uma hemorragia".

Saiba quais são as contraindicações do AAS

Ela não pode ser usada por pessoas que sejam alérgicas (ou tenham conhecimento de que alguém da família tenha tido reação semelhante) ao seu princípio ativo ou a qualquer outro componente de sua fórmula. Caso você seja alérgico ao ibuprofeno também não deve fazer uso do AAS.

Nas seguintes condições, também, você não deve utilizar esse medicamento:

  • Gravidez (principalmente no último trimestre)
  • Alteração das funções do coração, dos rins e do fígado
  • Uso de metotrexato (doses superiores a 15mg na semana)
  • Asma brônquica ou crise de asma consequente ao uso de salicilatos ou substâncias similares
  • Úlcera no estômago ou intestino
  • Propensão a sangramentos, inclusive hemofilia
  • Suspeita de dengue ou febre amarela hemorrágica
  • Síndrome de Reye em crianças
  • Pessoas com deficiência de G6PD (glicose-6-fosfato desidrogenase)

Crianças e idosos podem usá-lo?

Sim, desde que orientados por profissional da área da saúde sobre tempo de tratamento, dosagem, além das contraindicações descritas, especialmente em relação a doenças virais como a varicela (catapora), relacionada à Síndrome de Reye que, embora rara, deve ser considerada.

Entre os idosos, é preciso também ter atenção à possível maior fragilidade renal ou hepática, ou o uso concomitante com outros medicamentos. Os cuidados nesse grupo visam evitar efeitos colaterais indesejáveis, como a toxicidade.

Estou grávida? Posso usar AAS?

O AAS pode atravessar a barreira placentária e ainda passa para o leite materno. No último trimestre de gravidez, o medicamento é contraindicado. Assim, caso haja necessidade de uso desse fármaco durante a gravidez ou lactação, o médico deve avaliar o custo/benefício de sua indicação.

Qual é a melhor forma de consumi-lo?

A orientação é de que ele seja ingerido, de preferência, após as refeições. Para esse fim, prefira água.

Existe uma melhor hora do dia para usar esse medicamento?

Não. O importante é que o AAS seja ingerido na forma indicada pelo médico, farmacêutico ou fabricante.

O que faço quando esquecer de tomar o remédio?

Tome-o assim que lembrar e reinicie o esquema de uso do medicamento. É desaconselhado tomar doses em dobro de uma vez para compensar a dose que foi esquecida. Se você sempre se esquece de tomar seus remédios, use algum tipo de alarme para lembrar-se.

Quais são os possíveis efeitos colaterais?

Este medicamento é considerado bem tolerado, seguro e eficaz quando usado em doses adequadas. Apesar disso, o efeito colateral mais comum é o desconforto gastrointestinal, que pode variar entre a má digestão e sangramentos.

Além disso, algumas pessoas poderão observar as seguintes manifestações:

  • Anemia pós-hemorrágica, por deficiência de ferro (a longo ou curto prazo)
  • Reações alérgicas (hipersensibilidade)
  • Mau funcionamento temporário do fígado (raro)
  • Zumbidos (tinitos) e tonturas
  • Destruição/rompimento das células sanguíneas (hemólise) e anemia hemolítica em pessoas com deficiência de glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD)
  • Insuficiência renal aguda
  • Hemorragia intracerebral
  • Síndrome de Reye

Entenda a relação do consumo de AAS e a Síndrome de Reye

Esta enfermidade é considerada rara, mas a literatura médica já relatou que ela pode ser desencadeada em crianças ou adolescentes com quadros virais, como gripes ou mesmo varicela (catapora), quando houver o uso de AAS. A Síndrome de Reye é definida como uma encefalopatia aguda inflamatória que pode ser grave e evoluir para óbito.

Interações medicamentosas

Algumas medicações não combinam com o AAS. E quando isso acontece, elas podem alterar ou reduzir seu efeito. Avise o médico, o farmacêutico ou dentista, caso esteja fazendo uso (ou tenha feito uso recentemente) das substâncias abaixo descritas:

  • Outros AINES
  • Redutores de pressão (como o captopril)
  • Metotrexato - trata doenças autoimunes e câncer
  • Ácido valproico - estabilizador de humor e anticonvulsivante
  • Varfarina e heparinas - trombolíticos ou anticoagulantes orais de baixo peso molecular
  • Verapamil - usado para doenças cardiovasculares
  • Digoxina - trata problemas cardíacos
  • Barbitúrico - sedativo, antiepiléptico etc.
  • Lítio - trata transtornos psiquiátricos
  • Diuréticos de Alça - utilizado para aumentar volume e concentração de urina
  • Probenecida - trata a gota
  • Álcool

Evite também o uso concomitante do AAS com os seguintes fitoterápicos, porque todos eles têm atividade antiplaquetária, o que pode potencializar a chance de sangramentos. Confira:

Entre os suplementos, o ácido fólico pode reduzir a absorção do cálcio, componente essencial para o organismo cuja falta pode levar à anemia.

Comunique ao profissional da saúde que faz uso de alguma dessas substâncias antes de começar a usar o AAS.

Existe interação com exames laboratoriais?

Luciana Canetto, diretora e secretária-geral do CRF-SP (Conselho Regional de Farmácia de São Paulo), adverte para a possível interação com medidores de glicose, especialmente alguns tipos de fitas reagentes. "A sugestão é utilizar outros testes para a medição de níveis de glicose em pacientes que recebem terapia crônica com ácido acetilsalicílico", indica a especialista.

Fique atento à interação alimentar

A recomendação do fabricante é que o medicamento seja consumido após as refeições. A medida faz com que o AAS demore mais para ser absorvido, mas não anula o seu efeito. Contudo, evite a ingestão do fármaco com frutas secas ricas em vitamina C (goji berry, por exemplo). A razão para isso é que elas podem aumentar a excreção urinária de ácido acetilsalicílico.

Em casa, coloque em prática as seguintes dicas:

  • Fique atento à validade do medicamento, que é de 24 meses. Considere que, após aberto, essa validade é ainda menor;
  • Mantenha o medicamento sempre dentro da própria embalagem e nunca descarte a bula até terminar o tratamento;
  • Leia atentamente a bula ou as instruções de consumo do medicamento;
  • Utilize o medicamento na posologia indicada;
  • Ingira os comprimidos inteiros. Evite esmagá-los ou cortá-los ao meio --eles podem ferir sua boca ou garganta. A exceção é a indicação médica;
  • Escolha um local protegido da luz e da umidade para armazenamento. Cozinhas e banheiros não são a melhor opção. A temperatura ambiente deve estar entre 15°C e 30°C;
  • Guarde seus remédios em compartimentos altos ou trancados. A ideia é dificultar o acesso das crianças;
  • Procure saber quais locais próximos da sua casa aceitam o descarte de remédios. Algumas farmácias e indústrias farmacêuticas já têm projetos de coleta;
  • Evite o descarte no lixo caseiro ou no vaso sanitário. Frascos vazios de vidro e plástico, bem como caixas e cartelas vazias podem ir para a reciclagem comum.

O Ministério da Saúde mantém uma cartilha (em pdf) para o Uso Racional de Medicamentos, mas você pode complementar a leitura com a Cartilha do Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos - FIOCRUZ) (em pdf) ou do Conselho Regional de Farmácia de São Paulo (também em pdf). Quanto mais você se educa em saúde, menos riscos você corre.

Fontes: Luciana Canetto, diretora e secretária-geral do CRF-SP (Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo), farmacêutica especialista em saúde pública pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e em gestão pública pela Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), farmacêutica do Departamento de Assistência Farmacêutica na Secretaria Municipal de Saúde de Piracicaba; Cynthia França Wolanski Bordin, farmacêutica e professora adjunta das Faculdades de Farmácia, Enfermagem, Odontologia e Medicina da PUC-PR, com mestrado em tecnologia química e doutorado em ciências da saúde; Brenno Cardoso Gomes, especialista em clínica médica e medicina intensiva, mestre em medicina interna e doutorando em anestesiologia; é professor do curso de medicina da Universidade Positivo e da UFPR (Universidade Federal do Paraná), além de chefe do Departamento de Medicina Integrada da UFPR; Amouni Mourad, farmacêutica, professora do curso de farmácia da Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP) e assessora técnica do CRF-SP. Revisão técnica: Amouni Mourad.

Referências: Arif H, Aggarwal S. Salicylic Acid (Aspirin) [atualizado em 2020 Apr 21]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan; Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK519032/; J Michael Gaziano, Carlos Brotons, Rosa Coppolecchia, Claudio Cricelli, Philip B Gorelick et al.Use of aspirin to reduce risk of initial vascular events in patients at moderate risk of cardiovascular disease (ARRIVE): a randomised, double-blind, placebo-controlled Trial. Lancet. 2018.

Qual é o Remédio