Topo

O que pode ser?

A partir do sintoma, as possíveis doenças


O que pode ser?

Catapora é mais comum no fim do inverno: veja sinais e como prevenir doença

A catapora provoca até cerca de 500 erupções na pele que coçam e podem deixar marcas para sempre - iStock
A catapora provoca até cerca de 500 erupções na pele que coçam e podem deixar marcas para sempre Imagem: iStock

Cristina Almeida

Colaboração para o VivaBem

03/09/2019 04h00

Resumo da notícia

  • A varicela ou catapora é uma infecção causada pelo vírus Varicela-zóster, da mesma família do Herpes-vírus
  • Embora seja, em geral, uma doença benigna da infância, é altamente contagiosa e pode ter complicações
  • As típicas lesões de pele se caracterizam por manchas vermelhas que evoluem para pequenas bolhas e crostas em um processo que dura de seis a oito dias
  • A vacina, aplicada na infância em duas doses, garante proteção equivalente a 98%

Toda vez que você for vacinar seu filho, lembre-se: a imunização é um benefício da ciência que a humanidade levou séculos para poder usufruir. No caso da catapora, também conhecida como varicela, os médicos demoraram anos para diferenciá-la da varíola: foi só em 1767 que um cientista inglês, William Heberder, conseguiu provar que se tratavam de doenças distintas.

Em 1875, graças ao alemão Rudolf Steiner, o pai da medicina antroposófica, descobriu-se que a catapora tinha como causa um agente infeccioso. Apesar disso, a medicina teria de esperar mais de 100 anos até que a primeira vacina contra a doença fosse desenvolvida.

Quando ela chegou ao Brasil, na década de 1980, cerca de 90% das crianças tinham a doença, geralmente em idade escolar e antes dos 15 anos de idade. Cerca de 300 a 400 delas morriam todos os anos em decorrência de suas complicações. Hoje, os casos reduziram 70%.

Mais comum no final do inverno e no começo da primavera, a enfermidade tem como característica os exantemas (erupções na pele). Eles causam coceira, transformam-se em pequenas bolhas (vesículas) e, depois, em crostas. A literatura médica descreve que, a depender da gravidade da catapora, é possível que aconteçam até 500 manifestações dessas por todo o corpo. E o pior, algumas delas ainda podem deixar marcas.

O que causa a catapora

A varicela ou catapora é uma infecção provocada pelo vírus Varicela-zóster, da mesma família do Herpes-vírus. Trata-se de uma doença, em geral, benigna da infância, mas é altamente contagiosa, já que pode ser transmitida por meio do contato de pele a pele e também pela respiração. Grande parte dos adultos com mais de 40 anos já teve essa enfermidade.

Quais os sinais da doença

As lesões de pele características da catapora são classificadas como polimórficas, porque se manifestam em vários estágios: inicialmente são pequenas vesículas (como uma gota de orvalho), depois elas se rompem, formam pústulas (feridas) e, posteriormente, crostas (casquinhas).

Em uma mesma pessoa podem ser encontradas diferentes erupções em alguma dessas três fases. Contudo, antes que isso aconteça, é possível observar os sintomas abaixo:

Na sequência, as erupções tornam-se visíveis. Inicialmente acometem a face, migram para o couro cabeludo, tronco e extremidades. Além disso, as mucosas da boca, olhos, nariz, genitália e ânus também podem ser afetadas.

Algumas pessoas terão sintomas leves; outras, apresentarão lesões por todo o corpo. Em três ou cinco dias elas evoluirão para as crostas.

Tempo do contágio

Alguém com varicela já pode passar a doença (ou seja, a pessoa é "contagiante") de um a dois dias antes do aparecimento dos primeiros sinais e até que todas as lesões se transformem em crostas secas, o que acontece no período de seis a oito dias.

A doença praticamente acaba quando todas as lesões têm crostas.

Quando procurar um médico

Na maioria das crianças, a catapora é uma doença benigna e autolimitada. Isso significa que ela se resolve sozinha. Contudo, em alguns casos, complicações como pneumonia, otite, sinusite, artrite transitória, além de situações mais raras como encefalite e meningite podem ocorrer.

"Um exemplo comum são as infecções secundárias na pele causadas por bactérias, o que pode até levar à internação nos quadros mais graves", conta Nelson Douglas Ejzenbaum, pediatra e neonatologista do Hospital Samaritano (SP). Nesta hipótese, os sinais de alerta são os que você vê a seguir:

  • Febre persistente;
  • Dor local;
  • Inchaço;
  • Pele com aparência avermelhada criança;
  • Falta de ar;
  • Dificuldade para comer.

Ao observar tais sinais, você deve procurar ajuda médica imediatamente.

Quem precisa ficar atento

A varicela pode acometer qualquer pessoa na infância ou na idade adulta. Uma peculiaridade das doenças tipicamente infantis é que, caso ocorram em adolescentes ou adultos (e mesmo em pessoas que tenham sua imunidade reduzida), elas costumam ser mais graves.

Como são feitos o diagnóstico e o tratamento

Por ter sinais muito evidentes, a doença é considerada como de fácil reconhecimento. Em geral, basta que o médico ouça a história do paciente e faça o exame físico para definir o diagnóstico.

O tratamento visa amenizar os sintomas. E são indicados para esse fim cuidados como higiene da pele, boa hidratação, uso de antitérmico etc.

"As únicas exceções são as complicações neurológicas (encefalite e meningite), ou pacientes que estejam em estado de imunossupressão devido ao tratamento de câncer, por exemplo. Nesses casos, haverá uma intervenção específica", explica Marco Aurelio Palazzi Sáfadi, presidente do Departamento de Infectologia da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria).

Os especialistas sugerem que sejam evitados banhos à base de ervas por não existirem comprovação científica sobre seus benefícios.

Como prevenir a catapora

A estratégia de prevenção mais efetiva é a vacina. Licenciada há décadas em outros países, no Brasil ela foi incluída na rede pública em 2013, com uma dose (tetra viral - contra sarampo, caxumba, varicela e rubéola), que deve ser tomada aos 15 meses de idade. Em 2018, o Programa Nacional de Imunização foi ampliado para incluir uma segunda dose (monovalente - só contra a catapora), para otimizar sua eficácia, que deve ser aplicada aos 4 anos de idade.

Adultos e adolescentes que não tenham tomado a vacina na infância podem ser beneficiados com a versão monovalente, em qualquer idade.

Restrições da vacina e efeitos colaterais

A vacina é contraindicada para pessoas com deficiência imunitária e gestantes.

As reações mais comuns observadas são dor e vermelhidão locais, febre e aparecimento de pequenas lesões, como se fosse uma leve catapora. Contudo a informação dos especialistas é que isso representa de 1% a 2% dos casos.

Por que você deveria vacinar seu filho?

Quando doenças naturais e as vacinas que temos disponíveis são comparadas, o que se conclui é que as doenças têm riscos muito maiores de complicações do que as imunizações. "Embora a varicela seja uma enfermidade benigna, ela pode evoluir mal, levar a hospitalizações, deixar sequelas e até ser causa de óbito", alerta Juarez Cunha, pediatra e presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações).

A vacina é segura, eficaz e ainda está disponível de forma gratuita para crianças. Portanto, ela é considerada uma importante forma de proteção que pode chegar aos 98%, caso sejam tomadas as duas doses previstas no calendário vacinal.

Entenda a relação entre herpes zóster e catapora

As duas doenças têm em comum o mesmo agente infeccioso que é o vírus Varicela-zóster. Quando uma pessoa tem catapora ou é imunizada por meio da vacina, ela não voltará a ter a doença. Contudo, na idade adulta, especialmente entre pessoas que tenham seu sistema imunológico comprometido, como os idosos, portadores de doenças crônicas (hipertensão, diabetes, câncer, Aids, transplantados, entre outras), o herpes zóster pode se manifestar. A boa notícia é que esta doença também pode ser prevenida por meio de vacina.

Fontes: Juarez Cunha, pediatra e presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações); Marco Aurelio Palazzi Sáfadi, professor de pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e presidente do Departamento de Infectologia da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria); Nelson Douglas Ejzenbaum, pediatra e neonatologista do Hospital Samaritano (SP), membro da SBP e da AAP (Academia Americana de Pediatria). Revisão técnica: Juarez Cunha.
Referências: Ministério da Saúde; CDC (Centers for Disease Control and Prevention); Chickenpox and Varicella Vaccine, Carrington College; Arlant LHF et alli. Burden of varicella in Latin America and the Caribbean: findings from a systematic literature review. BMC Public Health. 2019; Folusakin Ayoade; Sandeep Kumar. Varicella Zoster (Chickenpox). Stat Pearls. NCBI (National Center for Biotechnology Information) 2018.