PUBLICIDADE

Topo

Qual é o Remédio

Um guia dos principais medicamentos que você usa


Ibuprofeno combate dores leves, febre e inflamações; saiba quando usá-lo

iStock
Imagem: iStock

Cristina Almeida

Colaboração para o VivaBem

14/01/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Ibuprofeno é um MIP (Medicamento Isento de Prescrição) classificado como AINE (Anti-inflamatório Não Esteroidal)
  • Entre os medicamentos de sua classe é considerado o de maior segurança
  • Com ação anti-inflamatória, analgésica e antipirética, ele não trata doenças, mas sintomas, por isso deve ser usado por tempo limitado
  • Embora seja vendido sem receita médica, em algumas situações ele deve ser evitado. Fale com seu médico ou farmacêutico antes de ingeri-lo

Disponível no mercado desde 1969, o ibuprofeno é muito usado na hora em que aparece aquela dor nas costas, na cabeça e até durante o período menstrual, quando a cólica não dá trégua.

O que é ibuprofeno

Trata-se de um MIP (Medicamento Isento de Prescrição) e, por isso, você pode comprá-lo na farmácia sem receita médica. Entre os farmacêuticos e médicos ele é conhecido como um AINE (Anti-Inflamatório Não Esteroidal), uma classe de medicamentos que possui as seguintes ações:

  • Antitérmica - é útil no controle da febre;
  • Analgésica - atua no controle de dores leves a moderadas;
  • Anti-inflamatória - combate inflamação.

Quando ele deve ser usado?

O ibuprofeno é considerado o mais seguro e bem tolerado entre os remédios da sua classe, mas você pode potencializar sua ação e ainda prevenir efeitos adversos fazendo o uso racional do medicamento, ou seja, use-o de forma apropriada, na dose certa e por tempo adequado. A instrução é da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Assim, o fármaco pode ser usado para aliviar os seguintes sintomas:

Conheça as apresentações disponíveis

Os medicamentos de referência cujo princípio ativo é o ibuprofeno são conhecidos como Advil, Alivium, Ibuflex, Buscofem, entre outros. Mas você também pode encontrar as versões genéricas que, igualmente, terão as seguintes apresentações:

  • Suspensão (gotas) - dosagens de 30mg e 100 mg;
  • Cápsulas/Comprimidos - dosagens de 200mg; 400mg; 600mg.

É importante respeitar as dosagens indicadas pelo fabricante, médico ou farmacêutico e sempre iniciar o uso desse medicamento a partir das menores dosagens disponíveis, deixando as maiores para situações mais graves.

Entenda como ele funciona

O Ibrupofeno possui excelente farmacocinética, ou seja, independentemente da apresentação, ele é bem absorvido e distribuído pelos tecidos, até que chega a seu alvo, efetua sua ação, se transforma em um produto excretável (metabolização) e finaliza sua tarefa, saindo do corpo pela via renal.

Quanto à farmacodinâmica, ou mecanismo de ação, ele age bloqueando os mecanismos orgânicos que causam a dor e a inflamação (enzima COX2). O tempo de espera para se beneficiar de seus efeitos é de 20 a 30 minutos, e eles têm duração de 4 a 6 horas.

"É importante lembrar que o Ibuprofeno não é remédio para curar doenças. Ele apenas controla os sintomas e, por isso, deve ser usado para melhorar a qualidade de vida das pessoas por determinado espaço de tempo", adverte Fernanda Cristina Ostrowski Sales, farmacêutica e bioquímica, docente da faculdade de Medicina, Farmácia e Odontologia da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná).

Quais são as vantagens e desvantagens do seu uso?

A primeira vantagem é que o ibuprofeno é considerado o mais tolerado medicamento entre os AINEs, especialmente entre as crianças acima de 2 anos. Por isso ele é muito indicado pelos pediatras. Além disso, é reconhecido como sendo o de maior segurança, desde que respeitadas as suas indicações, doses e contraindicações.

A segunda vantagem diz respeito aos menores riscos de hemorragia, toxicidade hepática e agranulocitose, ou seja, redução do sistema de defesa do corpo, quando comparado à dipirona e ao paracetamol.

A desvantagem é que ele não pode ser usado por pessoas alérgicas a algum dos seus componentes. Contudo, a depender da causa de seu uso, há outros fármacos com ações semelhantes. Nesses casos, o paracetamol ou a dipirona poderão substituí-lo.

Quem deve evitar o ibuprofeno

Fale com o farmacêutico ou seu médico antes de usar o ibuprofeno se você já teve alguma reação alérgica relacionada aos AINEs ou ao ácido acetilsalicílico (aspirina).

Indivíduos que se encaixem em algumas das condições abaixo devem evitar o medicamento Confira:

  • Pessoas que tenham úlcera ou gastrite;
  • Hipertensos não controlados;
  • Pacientes com elevado risco de doenças cardiovasculares, como infarto;
  • Indivíduos com doenças hepáticas;
  • Pessoas com insuficiência renal ou cardíaca;
  • Pacientes em fase pré-operatória (não devem utilizá-lo 48 horas antes da cirurgia);
  • Indivíduos com sangramentos presentes;
  • Pessoas que fazem uso de anticoagulantes ou antiagregantes plaquetários (remédios que previnem a trombose em pacientes de risco).

Crianças e idosos podem usá-lo?

Sim. Mas como não existem versões diferentes para adultos e crianças, para cada faixa etária é indicada uma forma farmacêutica (suspensão ou comprimidos), além de dosagens específicas que, para serem mais efetivas, deverão ser personalizadas.

No caso de crianças abaixo dos 2 anos de idade, bem como idosos, a dose deve ser orientada por um médico. Neste último caso, há risco de alteração da função renal.

Estou grávida, posso usar ibuprofeno?

Não. O fármaco é contraindicado para grávidas (ou quem esteja tentando engravidar) e lactantes (mulheres que amamentam). A razão para isso é que os AINEs têm sido relacionados a malformações cardíacas e prolongamento do trabalho de parto, especialmente quando usado no terceiro trimestre da gestação.

Portanto, ele deve ser evitado após a 30ª semana de gestação.

Quanto às lactantes, até o momento não existem estudos que comprovem a segurança do uso do medicamento por esse grupo. O conselho dos especialistas é nunca esquecer de dizer ao farmacêutico ou o médico que se está amamentando. Como o ibuprofeno nunca deve ser usado por longo período de tempo, alguns médicos poderão indicá-lo na falta de outras opções.

Qual é a melhor forma de consumi-lo?

Os comprimidos devem ser ingeridos com água ou leite. Evite sucos, bebidas gaseificadas e, em especial, bebidas alcoólicas.

Já a suspensão deve ser administrada diretamente na boca, em gotas. Porém, como o medicamento é amargo, diluí-las em um pouco de água facilita o processo.

Existe uma melhor hora do dia para usá-lo?

Não. O importante é que ele seja ingerido 3 vezes ao dia (a cada 8 horas). Em casos em que é o médico que indica o uso do ibuprofeno, a frequência poderá ser diferente, a depender de sua condição de saúde.

Ao esquecer de tomar o remédio, espere até a hora da dose seguinte e reinicie uso do medicamento. É desaconselhado tomar dois comprimidos (ou gotas em dobro) de uma vez para compensar a dose que foi esquecida.

Se você sempre esquece de tomar seus remédios, use algum alarme para lembrar-se.

Quais são os possíveis riscos e efeitos colaterais?

Embora seja bem tolerado e considerado seguro, o uso do ibuprofeno pode acarretar:

  • Dor de cabeça;
  • Náusea;
  • Tontura;
  • Má digestão.

Quando o uso deve ser interrompido?

Por vezes, os efeitos colaterais podem ser mais graves. Interrompa o consumo do medicamento e procure ajuda médica imediatamente se você observar os seguintes sintomas:

  • Fraqueza, vômito com sangue, fezes escuras ou com sangue;
  • Piora da dor ou dor com duração superior a 10 dias;
  • Piora da febre ou duração por mais de 3 dias;
  • Agravamento ou continuidade da dor de estômago.
  • Dificuldade para urinar;
  • Descontrole de pressão arterial.

Como saber se eu sou alérgico ao Ibuprofeno?

Fique atento aos seguintes sinais de reação alérgica: rubor (vermelhidão na pele), inchaço facial, coceira, fechamento de glote. Procure ajuda médica imediatamente.

Interações medicamentosas

O ibuprofeno não combina com alguns medicamentos e eles podem interagir seja reduzindo seu efeito, seja acarretando reações indesejadas. Fique atento se você faz uso contínuo dos seguintes medicamentos:

  • Anticoagulantes;
  • Outros anti-inflamatórios;
  • Antidepressivos - especialmente os inibidores de serotonina;
  • Diuréticos;
  • Anti-hipertensivos;
  • Esteroides;
  • Alguns tipos de antibióticos;
  • Medicamentos para controle do diabetes.

E atenção, embora até o momento desconhecem-se interações com fitoterápicos, é importante falar com um médico ou farmacêutico antes de usar esse medicamento se você faz uso contínuo deles ou mesmo de suplementos e vitaminas.

Interação com alimentos

Alguns estudos científicos sugerem que os alimentos interferem, mesmo que pouco, na absorção do ibuprofeno, reduzindo a sua concentração na corrente sanguínea.

Contudo, o clínico geral e médico de família Marco Aurélio Janaudis, diretor da Sobramfa - Educação Médica e Humanismo, afirma que o importante é observar o que é melhor para o paciente, adaptando o uso do remédio à sua necessidade.

"Grande parte dos analgésicos e anti-inflamatórios podem causar dores de estômago. Por isso, os pacientes preferem tomar esse tipo de fármaco antes ou após as refeições, para reduzir a chance de desconforto. Nesse caso, priorizamos o que é melhor para o paciente", diz Janaudis.

Dicas dos especialistas

Ao perceber a presença de um sintoma como dor de cabeça, dor muscular ou febre, por exemplo, aproveite a oportunidade da ida à farmácia para falar com o farmacêutico. Assim, você pode se certificar se, realmente, é o caso de usar este medicamento.

"É importante lembrar que ele é um profissional de nível superior que foi treinado para orientá-lo, identificar possíveis riscos e até encaminhá-lo para um médico, se for o caso", sugere Danyelle Cristine Marini, diretora do CRF-SP (Conselho Regional de Farmácia de São Paulo).

Em casa, coloque em prática as seguintes dicas:

  • Fique atento à validade do medicamento, que é de 24 meses. Considere que, após aberto, essa validade é ainda menor;
  • Leia atentamente a bula ou as instruções de consumo do medicamento;
  • Ingira os comprimidos inteiros. Evite esmagá-los ou cortá-los ao meio - eles podem ferir sua boca ou garganta;
  • Evite o uso prolongado do medicamento, especialmente se você tem gastrite ou úlcera. O tempo máximo de consumo é de 5 dias. A exceção é a indicação médica de uso prolongado. Caso não haja melhora do sintoma, é preciso investigar. Procure um médico sem demora;
  • Prefira comprar remédios nas doses justas para o uso indicado para evitar sobras;
  • Respeite o limite da dosagem diária indicada na bula;
  • Escolha um local protegido da luz e da umidade para armazenamento. Cozinhas e banheiros não são a melhor opção. A temperatura ambiente deve estar entre 15°C e 30°C;
  • Guarde seus remédios em compartimentos altos. A ideia é dificultar o acesso às crianças;
  • Procure saber quais locais próximos da sua casa aceitam o descarte de remédios. Algumas farmácias e indústrias farmacêuticas já têm projetos de coleta;
  • Evite descarte no lixo caseiro ou no vaso sanitário. Frascos vazios de vidro e plástico, bem como caixas e cartelas vazias podem ir para a reciclagem comum.

O Ministério da Saúde mantém uma cartilha (em pdf) para o Uso Racional de Medicamentos: leia e informe-se.

Fontes: Fernanda Cristina Ostrowski Sales, farmacêutica, bioquímica, mestre em Tecnologia em Saúde pela PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) e docente atuando na disciplina de Farmacologia dos cursos de Medicina, Farmácia e Odontologia da mesma instituição; Danyelle Cristine Marini, diretora do CRF-SP (Conselho Regional de Farmácia de São Paulo) (tesoureira), professora do curso de Medicina na Unifae (Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino/São João da Boa Vista) e nas Faculdades Integradas Maria Imaculada (Mogi Guaçu); Marco Aurélio Janaudis, clínico geral e médico de família, diretor da Sobramfa (Educação Médica e Humanismo). Revisão técnica: Danyelle Cristine Marini.

Referências: Ministério da Saúde; Cartilha para a promoção do uso racional de medicamentos. Ministério da Saúde. 2015; FDA (Food and Drug Administration); Rabia Bushra and Nousheen Aslam. An Overview of Clinical Pharmacology of Ibuprofen. OMJ. 2010; Vincent Trung H. Ngo; Tushar Bajaj. Ibuprofen. Stat Pearls. NCBI. 2019.

Qual é o Remédio