PUBLICIDADE
Topo

Andreza Delgado

Amigos homens, vejam 'I May Destroy You'

I May Destroy You
I May Destroy You
HBO
Andreza Delgado

Andreza Delgado, baiana da terra do cacau, é uma das criadoras da Perifacon, a Comic Con da favela. Tem um canal no YouTube para resenhar séries, HQ's, filmes e livros e o game perifa, mas quando dá tempo tuíta pelos cotovelos.

Colunista do UOL

22/09/2020 14h13

Parece clichê, mas eu realmente gostaria que meus amigos homens tirassem um tempo da sua vida para ver a obra de Michaela Coel. Ela usou relatos tão pessoais que tornou "I May Destroy You" uma obra dolorosa e necessária.

Michaela contou que escreveu várias versões do roteiro antes de chegar no final da série que co-dirigiu, escreveu e protagonizou. Ela viveu Arabella, uma jovem escritora londrina de ascendência ganesa de um bom humor millennial.

Continua depois da publicidade
micgaela coel - Divulgação - Divulgação
Michaela Coel em cena de "I May Destroy You", série da HBO
Imagem: Divulgação

Bom, sem muito rodeio: a história é que Arebella está no processo de um segundo livro. Quando sai para relaxar com amigos, ela acaba sendo drogada e abusada sexualmente.

Sim! É isso que acontece logo de cara no primeiro episódio e você, junto com ela, vai acompanhar frame a frame a situação.

Mas vamos ao argumento central:

PFV AMIGOS HOMENS VEJAM ESSA SÉRIE!

Sou muito crítica quanto a violência sexual como recurso narrativo. Eu sempre me pergunto: "será que precisamos mesmo que fulana sofra um estupro para crescer como personagem?"

Mas não é o caso de "I May Destroy You".

Continua depois da publicidade
cena ima destroy - Divulgação - Divulgação
Marouane Zotti e Michaela Coel em cena de "I May Destroy You", série da HBO
Imagem: Divulgação

A série te joga na cara comportamentos masculinos destrutivos, e sei que de primeira você vai pensar que devo estar falando apenas do abusador em questão, mas não é por aí.

Todos os homens em volta de Michaela tem uma lição para ensinar sobre comportamentos machistas e destrutivos.

A cultura do estupro é uma realidade! E se aprende na série que não acontece só com mulheres e também pode rolar com homens.

O que ilustra bem uma das coisas mais importantes que você, amigo homem, pode aprender assistindo: consentimento, limites e que o termo ESTUPRO é amplo.

i may - Paapa Essiedu e Samson Ajewoles - I May Destroy You - foto reprodução - Paapa Essiedu e Samson Ajewoles - I May Destroy You - foto reprodução
Paapa Essiedu e Samson Ajewoles - I May Destroy You - foto reprodução
Imagem: Paapa Essiedu e Samson Ajewoles - I May Destroy You - foto reprodução

A série também aborda uma discussão aberta e ampla sobre o que é um estupro através da cena que acontece um "stealthing", termo que infelizmente não tem tradução exata para língua portuguesa. Mas basicamente consiste na prática de se retirar a camisinha sem o consentimento durante o ato sexual.

Continua depois da publicidade
i may destroy - Divulgação - Divulgação
Michaela Coel em cena de "I May Destroy You", série da HBO
Imagem: Divulgação

Queria sentar numa mesa de bar e ouvir meus amigos homens falando sobre qual parte da série se identificou. Eu tenho certeza que, principalmente as mulheres, se viram em muito dos abusos que a protagonista sofreu, não só sexual, mas o comportamento predatório e acobertamento dos homens.

Gostaria de encerrar falando coisas positivas, sobre como crescemos em quanto sociedade com uma obra do tipo. Mas a real é que fico triste por Michaela roteirizar sobre um abuso vivido, para que principalmente os homens entendam o que significam limites quando se trata do corpo do outro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL