PUBLICIDADE
Topo

Cruzeiro contratou pai de santo para evitar queda, mas não pagou R$ 4 mil

Cruzeiro foi rebaixado após perder por 2 a 0 para o Palmeiras, em dezembro do ano passado, no Mineirão - Pedro Vilela/Getty Images
Cruzeiro foi rebaixado após perder por 2 a 0 para o Palmeiras, em dezembro do ano passado, no Mineirão Imagem: Pedro Vilela/Getty Images

Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

23/04/2020 04h00

Resumo da notícia

  • O Cruzeiro contratou Reginaldo Muller Pádua, um babalorixá (conhecidocomo pai de santo), para ajudar na luta contra o descenso em 2019 por R$ 10 mil
  • O clube pagou R$ 6 mil ao homem de 58 anos em três parcelas entre 16 de outubro e 28 de novembro. Mas deve R$ 4 mil ao responsável pelo trabalho
  • O UOL teve acesso aos documentos que comprovam o pagamento. As transferências ocorreram em 16/10, 13/11 e 28/11 do ano passado e totalizam R$ 6 mil
  • Os pagamentos a Reginaldo são autorizados pelo diretor Benecy Queiroz, que confirma o fato. O documento é datado em 16 de outubro de 2019
  • Reginaldo diz que o fato foi acordado com Zezé Perella: "Ficou entre eu e ele. Realmente, não mandaram para mim os R$ 4 mil, mandaram só R$ 6 mil"
  • Zezé Perrella, porém, nega que tenha envolvimento com o assunto. Procurado, o ex-presidente do clube diz por meio de mensagem telefônica: "Desconheço"

O Cruzeiro contratou Reginaldo Muller Pádua, um babalorixá (conhecido popularmente como pai de santo), com endereços em Guarapari (ES) e Itabira (MG), para ajudar na luta contra o rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro em 2019. Pelos serviços, foram cobrados R$ 10 mil, mas o clube pagou apenas R$ 6 mil ao homem de 58 anos em três parcelas, entre 16 de outubro e 28 de novembro. O restante da quantia (R$ 4 mil) ainda não foi pago ao responsável pelo trabalho.

O UOL Esporte teve acesso aos documentos que comprovam o pagamento do montante a Pádua. A primeira transferência, no valor de R$ 2,5 mil, ocorreu às 15h36 (de Brasília) do dia 16 de outubro de 2019, por meio de contas da Caixa Econômica Federal. O processo foi repetido às 14h26 de 13 de novembro, mas a transferência bancária foi de R$ 3 mil. O clube ainda pagou outros R$ 500 em 28 de novembro, em operação realizada às 11h56.

Os pagamentos ao pai de santo foram autorizados por Benecy Queiroz, chefe do departamento técnico do clube. O documento obtido pelo UOL Esporte é datado em 16 de outubro de 2019, assinado pelo dirigente e endereçado a uma integrante do departamento financeiro.

"Conforme nossos entendimentos e considerando os serviços prestados pelo Sr. REGINALDO MULLER PÁDUA ao Cruzeiro Esporte Clube em Brasília, solicitamos a fineza, de que seja pago ao mesmo, a importância de R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos reais)."

O dirigente confirma o fato ao UOL Esporte: "É um serviço religioso realmente que foi prestado na época do Zezé Perrella, entendeu? Foi o Zezé quem solicitou".

Benecy, no entanto, não sabe dizer se houve o pagamento integral da dívida com o babalorixá. "Foi mandado para pagar. Isso [se foi pago], eu não sei. Foi para o financeiro. Tem que ver com o financeiro, se pagou. Eu realmente não sei se pagou ou não".

Também procurado pela reportagem, Reginaldo Muller Pádua falou sobre o tema: "Ficou entre eu e ele [Zezé Perrella], como isso chegou até você, não sei. Realmente, eles não mandaram para mim os R$ 4 mil, mandaram só R$ 6 mil. Quem vai poder falar direitinho é o [Zezé] Perrella".

"O senhor Wagner [Pires de Sá, então presidente da Rapos] não tem nada a ver com isso, ele nunca conversou comigo. Ele estava até afastado por causa de saúde parece, não sei o que era. Nunca consegui falar com ele, ele nunca falou comigo. As únicas pessoas que conversei foram Valdir Barbosa e o Zezé [Perrella]. Eu até tentei ligar para ele em dois números que tenho e não consegui", concluiu.

Zezé Perrella, por sua vez, nega que tenha envolvimento com o assunto. Procurado, o ex-presidente do clube diz por meio de mensagem telefônica: "Desconheço". Ele ainda pede para que seja procurado o então mandatário cruzeirense, Wagner Pires de Sá.

Abordado pela reportagem, Pires de Sá alega que o clube nem sequer pagou o valor durante a sua gestão: "Não sei se alguém foi lá e contratou. O Cruzeiro não, o clube não. Tem gente que aprova, o Perrella, inclusive, gosta muito. O Cruzeiro não contratou. Não tem nada contratado. É o que chamam de fake news", comentou.

Cruzeiro