Casagrande

Casagrande

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

Brasil se tornou o verdadeiro bobo do futebol mundial

Estamos atravessando o pior momento do futebol das seleções do Brasil dos últimos anos.

A falta de critério e de organização são inadmissíveis. Isso mostra o quanto a CBF está completamente perdida e é incompetente em tudo o que faz.

Na manhã desta sexta-feira (horário de Brasília), a seleção brasileira foi eliminada nas quartas de final da Copa do Mundo sub-17, na Indonésia, ao ser massacrada pela Argentina.

Os argentinos dominaram o jogo todo, e os brasileiros não viram a cor da bola. Os garotos da nossa seleção voltam para casa com o placar de 3 a 0 avassalador na bagagem. Todos os gols da seleção celeste foram marcados pelo meia Claudio Echeverri, revelação do River Plate.

Simplesmente não houve jogo, visto que o Brasil não equilibrou o confronto em nem um momento.

Em quatro dias, perdemos duas vezes para a Argentina, sofrendo quatro gols e sem anotar um sequer.

Na terça-feira (21), no Maracanã, sofremos a terceira derrota consecutiva pela primeira vez nas Eliminatórias para Copas do Mundo.

Não podemos esquecer que a seleção sub-20 foi eliminada por Israel nas quartas de final da Copa do Mundo que foi jogada na Argentina.

A seleção principal, treinada interinamente por Fernando Diniz, tenta jogar de uma forma, a seleção sub-20 comandada por Ramon Menezes joga de outra, e a sub-17 de Philipe Leal também atua de forma distinta.

Continua após a publicidade

Estes esquemas não estão dando certo. Não conseguimos ir para lugar algum.

Não existe uma interação tática entre as seleções. Como formar jogadores para a seleção principal com um entendimento tático se não temos um padrão?

Os três treinadores têm uma visão completamente diferente uns dos outros e as três seleções estão dando vexames.

O nosso futuro é incerto. A CBF, com o presidente Ednaldo Rodrigues, está "girando feito barata tonta" ou como um "cachorro correndo atrás do próprio rabo".

São dois termos populares que significam que não estamos saindo do lugar. Quando saímos, os passos são para trás, e não para a frente.

Boa parte dos torcedores está desiludida com as nossas seleções e muitos perderam o interesse pelos jogos.

Continua após a publicidade

O ano de 2023 foi sinistro para as nossas seleções.

Ainda tivemos a seleção brasileira feminina eliminada na primeira fase da Copa do Mundo da Austrália e Nova Zelândia, que era treinada por Pia Sundhage. A sueca foi demitida corretamente para dar lugar ao melhor e mais vencedor treinador do futebol feminino que temos, o ex-corintiano Arthur Elias.

Na seleção masculina principal, ninguém sabe quem será o treinador que dará continuidade ao trabalho nas Eliminatórias para chegarmos à Copa de 2026 com a equipe e o esquema tático definidos.

Será Ramon Menezes que comandará a seleção olímpica nos Jogos de Paris, em 2024, caso o time garanta a vaga após jogar o pré-olímpico. Na sub-17, não se sabe o que acontecerá.

Enquanto essa panela não for rompida na CBF nada irá funcionar.

Uma seleção com influência de empresários e com muitos ex-jogadores e atuais com interesse nas escolhas mostra total falta de comando.

Continua após a publicidade

O que me parece é que a CBF é uma fachada, pois as escolhas são tomadas partindo do lado de fora da entidade.

Bom, passamos por mais um vexame no nosso futebol.

Parece que os donos do futebol brasileiro não se incomodam com isso, e quem sofre são os torcedores apaixonados pelo futebol.

Errata:

o conteúdo foi alterado

  • Diferentemente do informado, a seleção sub-20 ainda não está classificada para os Jogos de Paris, em 2024 e precisa vencer o pré-olímpico primeiro. O erro já foi corrigido.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes