PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Vice do Fla acusa Landim de não cumprir acordo com Bernardinho e renuncia

Bernardinho e Rodolfo Landim firmam acordo - Marcelo Cortes / Flamengo
Bernardinho e Rodolfo Landim firmam acordo Imagem: Marcelo Cortes / Flamengo
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

19/11/2020 16h00

Com Pedro Ivo Almeida, do UOL Esporte

Está instaurada uma crise nos esportes olímpicos do Flamengo. Vice-presidente da área até a semana passada, Delano Franco renunciou ao cargo. Em carta enviada a diretoria, justificou a decisão alegando que o presidente Rodolfo Landim não cumpriu o acordo firmado entre Flamengo e Bernardinho. O clube rubro-negro diz que paga o combinado à "empresa" do treinador e que é apenas um patrocinador do time.

"A presidência do clube não recordou/reconheceu aspectos de uma negociação efetuada pelo diretor-executivo da área, por mim e pelo presidente junto a um parceiro importante dos esportes olímpicos, amparada pelo orçamento aprovado, ferindo significativamente os termos do acordo. Dessa forma, infelizmente o único caminho honrado que me restava era renunciar, o que fiz na data de hoje. Ainda torço para que o clube reveja sua decisão", escreveu Franco, em carta datada de 13 de novembro.

O Olhar Olímpico apurou que esse parceiro é o técnico Bernardinho. Em julho, o treinador, Landim e Franco participaram de uma entrevista coletiva para anunciar uma parceria que entre o Rio de Janeiro Vôlei Clube, projeto há anos liderado por Bernardinho, e o Flamengo. A entrevista aconteceu de forma virtual e os participantes só responderam perguntas previamente selecionadas pela assessoria de imprensa. Não foi explicado como se daria a divisão de custos e receitas.

O time de Bernardinho levou o Sesc-RJ como patrocinador máster e o Flamengo ficou de buscar outras empresas, se comprometendo a dividir com o Rio de Janeiro Vôlei Clube, que é quem tem contrato com jogadoras e com a comissão técnica, parte do que recebesse. Quando o Flamengo assinou patrocínio com a TIM por Lei Estadual de Incentivo ao Esporte, porém, Landim entendeu que esse era um contrato de patrocínio antigo, prévio ao acerto com Bernardinho, e se recusou a compartilhar o dinheiro.

Bernardinho, que chegou a dizer em uma live em maio que não estava recebendo salários porque o orçamento do clube não tinha capacidade para pagá-lo, contava com a divisão dos recursos obtidos pelo Flamengo. Para Delano Franco, a postura do clube descumpria o acordo firmado em julho, e ele levou isso a Landim, que manteve a decisão. O vice então optou por deixar o cargo.

Franco decidiu, de acordo com um interlocutor, não conceder entrevistas sobre sua saída do Flamengo e não respondeu aos contatos da reportagem. Na carta de despedida, ele agradeceu Landim pela oportunidade. "Agradeço a amigos feitos no Conselho Diretor, aos quais aprendi a admirar pela entrega abnegada e desinteressada aos interesses do clube, e ao presidente Rodolfo Landim pela oportunidade de servir ao Flamengo, da qual tenho imenso orgulho", escreveu. Franco estava no cargo desde o início da gestão Landim, há quase dois anos.

Após a publicação da reportagem, o Flamengo soltou nota dizendo que não tinha compromisso com Bernardinho para dividir o arrecadado com patrocínio. "O que existe é um contrato firmado entre o Flamengo e a empresa do Bernardinho, após longa negociação, desde o final de 2019, que estabelece que o Flamengo é um patrocinador do time. O Flamengo paga religiosamente o valor acordado à empresa do Bernardinho, fornece material esportivo e espaço para treinamento na Gávea e cede sua imagem para a empresa, o que aumenta bastante o poder de atração para outros patrocínios serem fechados pela empresa do técnico. O dinheiro destes outros patrocínios não iria para o Flamengo, mas apenas para a empresa do Bernardinho", diz a nota do Flamengo. A citada "empresa do Bernardinho" é, na verdade, o clube Rio de Janeiro Vôlei Clube.

"Os demais contratos da empresa são firmados diretamente pela própria empresa, e não pelo Flamengo. Portanto, não cabe ao Flamengo colocar nenhum novo investimento nesta parceria. Em suma, o Flamengo está cumprindo rigorosamente o contrato feito com o técnico e não irá se manifestar sobre o posicionamento pessoal de Delano Franco", continuou.

O clube de Bernardinho se posicionou em nota: "O Rio de Janeiro Vôlei Clube não fala sobre nenhum detalhe dos contratos firmados com seus parceiros", disse, via assessoria de imprensa.

+ Acompanhe o que mais importante acontece no esporte olímpico pelos perfis do Olhar Olímpico no Twitter e no Instagram. Segue lá! +