PUBLICIDADE

Topo

O que pode ser?

A partir do sintoma, as possíveis doenças


Acne: tratar cedo e cuidado personalizado controlam e previnem cicatrizes

iStock
Imagem: iStock

Cristina Almeida

Colaboração para VivaBem

20/10/2020 04h00

"Quando casar passa". É assim que, no passado, se respondia às queixas dos adolescentes sobre a avalanche de espinhas e cravos que apareciam em suas faces, costas e peito. Alguns deles se casaram, outros não, mas boa parte dessas pessoas podem ter chegado aos 30 anos com a mesma reclamação. O fato é que todo o incômodo (inclusive psicológico) causado pela inflamação da pele poderia ter sido minimizado com uma simples providência: uma consulta ao dermatologista.

Existem vários tipos de acne, que podem acometer a população em geral, inclusive recém-nascidos. A mais comum é a acne juvenil. Apesar de se manifestar com maior frequência na puberdade, ela também pode aparecer na idade adulta, especialmente entre as mulheres.

Nos homens, a enfermidade pode ser mais grave, e ainda está presente em 85% dos adolescentes. Um estudo observacional, realizado em São Paulo, concluiu que, na capital, esse percentual corresponde a 96%. A pesquisa foi publicada na revista médica Anais Brasileiros de Dermatologia.

A doença não é considerada preocupante, embora 20% dos pacientes possam ter uma modalidade mais intensa dela. Contudo, mesmo as formas leves a moderadas causam estresse e alterações na autoestima, principalmente porque podem ter como complicação cicatrizes permanentes.

Apesar disso, Alessandra Romiti, dermatologista coordenadora do Departamento de Cosmiatria da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) garante: "Quando o tratamento é bem conduzido, o controle da doença é possível, e os pacientes podem até se livrar dela de forma definitiva".

Entenda o que é acne

Trata-se de uma doença da pele caracterizada por um processo inflamatório das glândulas sebáceas e dos folículos pilosos. Em outras palavras, a acne decorre da interação entre as células mortas e a substância oleosa natural da sua pele (sebo), além das bactérias ali existentes, que bloqueiam os poros e levam à inflamação.

A depender de sua extensão, ela pode ser classificada como leve, moderada ou grave.

As regiões do corpo mais afetadas são aquelas onde há maior concentração de glândulas sebáceas: a face, a parte superior do tórax, costas e ombros.

Por que isso acontece?

O conhecimento sobre a origem da acne ainda está em evolução, mas até o momento os médicos sabem que, no período da puberdade ocorre o aumento de níveis hormonais sexuais (andrógenos e estrógenos) que estimulam as glândulas sebáceas a produzirem maior quantidade de sebo. Além disso, outras condições podem influenciar o aparecimento da acne. Confira:

  • Genética
  • Histórico familiar
  • Uso de determinados medicamentos (exemplo: lítio, esteroides, anticonvulsivantes, corticoides, vitaminas do complexo B)
  • Exposição excessiva ao sol
  • Uso de itens que façam oclusão da área afetada (bandana ou mochila)
  • Distúrbios endócrinos (síndrome do ovário policístico)

Fatores desencadeantes

Isoladamente, as situações abaixo descritas não têm relação com a origem da acne, mas podem desencadear sua manifestação. Saiba quais são elas:

  • Cosméticos à base de óleo
  • Ansiedade grave e raiva (provavelmente em razão da estimulação dos hormônios do estresse)
  • Tensão pré-menstrual
  • Uso do tabaco (especialmente entre adultos maduros)

O papel da dieta

O que você como pode influenciar sua saúde. No caso da acne, tem-se observado que, para alguns indivíduos, alimentos com alto índice glicêmico (produtos lácteos, alimentos processados, gordurosos, chocolate etc) podem agravar a acne.

A recomendação dos especialistas é que você fique atento aos itens que, para você, têm esse efeito. Assim que forem identificados, eles devem ser evitados.

Outros fatores associados à acne

São também associados os seguintes quadros:

  • Seborreia
  • Hiperandrogenismo (hirsutismo, entre mulheres; uso de anabolizantes entres os homens)
  • Acantose nigricans (doença de pele caracterizada pela resistência à insulina e hiperpigmentação)
  • Períodos menstruais irregulares
  • Aumento de peso

Quem está mais suscetível

A acne é mais comum na adolescência e pode acometer homens e mulheres igualmente, mas de modo diferente.

Entre os homens ela tende a ser mais grave; no grupo feminino, os quadros costumam ser intermitentes devido à ação hormonal ou o uso de determinados cosméticos.

A maioria das pessoas pode ter de lidar com a acne por anos, até que ela melhora, naturalmente, conforme amadurecem. Outros indivíduos terão acne mesmo na vida adulta. Nas mulheres, fatores genéticos e hormonais contribuem para a persistência da acne, sendo necessário tratamento de manutenção em longo prazo.

Além disso, fique atento caso você tenha histórico pessoal ou familiar de distúrbios de pigmentação e/ou de cicatrização.

Como reconhecer os sintomas

A acne é facilmente reconhecível. Ela se manifesta por meio de "espinhas" que podem ou não ter inflamação. Em um estágio mais avançado pode-se observar o folículo dilatado, que poderá se romper.

Os médicos classificam os sintomas por graus, nas formas a seguir descritas:

Grau 1
Comedão - é o cravo. E ele pode ser um microcomedão, aberto ou fechado. É chamada de acne comedoniana;

Grau 2
Pápula - trata-se de uma lesão sólida, arredondada e avermelhada (eritematosa) - é a acne papulopustulosa;

Grau 3
Nódulo ou cisto - o primeiro é uma lesão caracterizada por inflamação, que se expande por camadas mais profundas da pele e pode levar à destruição de tecidos, causando cicatrizes. Já o cisto, maior que a pústula (lesão com pus), é inflamado e se expande por camadas mais profundas da pele. Costuma ser muito doloroso e ainda deixa cicatriz. São também definidos como acne nódulo-cística.

Grau 4
Comedões, pápulas, pústulas, nódulos, múltiplos cistos, abcessos e cicatrizes irregulares - revelam uma forma severa de acne, e são mais comuns entre os homens. As lesões aparecem na face, no pescoço, no tronco e até nos membros superiores. Podem ser chamados de acne conglobata.

Quando é hora de procurar ajuda médica?

O ideal é procurar um dermatologista tão logo a acne apareça e comece a incomodar. Isso porque quanto mais cedo ocorrer o aprendizado de como lidar com a sua pele, e mais precoce for o tratamento, maiores são as chances de controle do problema.

A medida também evita complicações como cicatrizes permanentes, além do uso de produtos inadequados que poderiam agravar, ainda mais, o quadro.

Como é feito o diagnóstico?

Adriane Reichert Faria, dermatologista e professora da Escola de Medicina da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) explica que ele é clínico, ou seja, decorre da coleta do seu histórico de saúde e da sua queixa, além do exame físico.

Alguns exames complementares, de sangue ou ultrassom, poderão ser solicitados para identificar a possível origem da acne. Faria cita como exemplo os testes hormonais, que podem ser úteis entre as mulheres em idade reprodutiva [níveis de testosterona, do hormônio folículo estimulante (FSH), dehidroepiandrosterona (DHEA) etc].

"A ideia é identificar algum problema para que ele possa ser corrigido. Nesses casos, tratamos conjuntamente a causa do problema e as lesões", acrescenta a médica.

Como é feito o tratamento?

Ele se fundamenta em diretrizes clínicas para a abordagem racional, segura e efetiva da acne. O objetivo do tratamento é reduzir ou evitar as lesões, atenuar o estresse psicológico, além de prevenir cicatrizes.

A estratégia terapêutica começa com a educação do paciente sobre a doença, sua própria pele, além de orientações específicas e individualizadas sobre como lidar com ela.

A dermatologista Kátia Sheylla Malta Purim, professora de dermatologia do curso de medicina da Universidade Positivo (PR), esclarece que as práticas clínicas e decisões terapêuticas são sempre personalizadas porque o médico deve considerar o histórico do paciente e as características de sua pele, inclusive quanto à cicatrização.

"Além disso, o tratamento deve basear-se na gravidade e na extensão da acne", diz.

Mas não espere resultados rápidos. Por vezes, é preciso esperar até 3 meses para observar a melhora desejada. A boa notícia é que, de modo geral, caso o paciente siga as instruções médicas, o resultado é positivo e o tratamento pode levar ao desaparecimento dos sintomas.

Tratamento medicamentoso

Além das orientações médicas sobre como lidar com a sua própria pele, seu médico usará alguns medicamentos específicos, geralmente em conjunto. Confira:

  • Medicações tópicas (géis, cremes, loções, sabonetes. São exemplos os retinoides, antibióticos, ácido azelaico etc)
  • Medicações sistêmicas (por exemplo, antibióticos orais)
  • Terapias hormonais (anticoncepcionais)

A isotretinoína é útil no tratamento da acne, mas seu uso requer acompanhamento médico. A razão para isso é que seus eventuais efeitos colaterais são considerados graves e não devem ser banalizados.

Tratamentos não farmacológicos

Eles não são considerados práticas de rotina, e podem não funcionar para todos. Conheça as opções disponíveis:

  • Esfoliação química
  • Terapia fotodinâmica
  • Luz intensa pulsada
  • Laser
  • Microdermoabrasão
  • Limpeza de pele (em casos específicos)

Acne tem prevenção?

Sim. E ela começa a partir de cuidados com a saúde geral e da pele. É possível controlar a acne com medidas indicadas para você, o que inclui o uso de sabonetes e cosméticos adequados, e demais tratamentos prescritos pelo seu médico.

Estilo de vida saudável, alimentação equilibrada, higiene do sono, exercícios físicos e adoção de técnicas para controle do estresse também são recomendadas.

Possíveis complicações

Mesmo com o sucesso do tratamento, os efeitos psicológicos da acne podem durar no tempo, e ainda podem levar à depressão, à ansiedade, à baixa autoestima. Entretanto, os especialistas afirmam que as consequências mais desafiadoras da acne são as cicatrizes, principalmente porque, para algumas delas, pode não haver solução. Daí a importância do tratamento precoce para prevenir esse desfecho.

É importante lembrar que as cicatrizes devem ser tratadas por profissional habilitado e experiente. Isso porque é ele quem deverá fazer uma análise criteriosa de cada caso, das lesões, bem como das técnicas que podem beneficiar cada paciente.

Além da proteção solar, a estratégia de tratamento delas pode incluir procedimentos cirúrgicos, peelings, dermoabrasão, microagulhamento, laser, preenchedores etc. Apesar dessas várias opções, os resultados variarão de pessoa a pessoa.

Saiba como colaborar com o tratamento

Confira as dicas dos especialistas para potencializar, ainda mais, os efeitos da terapia contra a acne:

  • Faça visitas regulares ao dermatologista;
  • Evite lavar as regiões afetadas mais de 2 vezes ao dia. Lavar demais pode irritar a pele e piorar os sintomas;
  • Prefira água morna ao lavar-se. Extremos de temperatura agravam os sintomas;
  • Reduza o uso de cosméticos e maquiagem. Dê preferência a produtos à base de água. Aprenda a identificar nas embalagens a informação de que ele é ou não comedogênico. Isso significa que o item tem menor chance de bloquear os poros da sua pele, o que facilitaria o aparecimento de acne;
  • Retire a maquiagem antes de dormir;
  • Exercite-se regularmente. A prática física não melhora a acne, mas melhora a autoestima e o humor. Banhe-se o mais rápido possível. O suor pode ser irritante para sua pele;
  • Lave o cabelo com maior frequência e evite que os fios caiam sobre seu rosto;
  • Resista à tentação de "cutucar" ou espremer as lesões. Elas podem levar a cicatrizes permanentes;
  • Fale com seu médico caso faça uso de suplemento protéico-calórico. Ele tem sido relacionado ao agravamento da acne.

Fontes: Alessandra Romiti, dermatologista coordenadora do Departamento de Cosmiatria da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia); Adriane Reichert Faria, dermatologista e professora da Escola de Medicina da PUC-PR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná); Kátia Sheylla Malta Purim, dermatologista, professora de dermatologia da Faculdade de Medicina da Universidade Positivo (PR). Revisão técnica: Kátia Sheylla Malta Purim.

Referências: Ministério da Saúde; SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia); AAD (American Academy of Dermathology Association) - Acne Clinical Guideline; Heng, A.H.S., Chew, F.T. Systematic review of the epidemiology of acne vulgaris. Sci Rep 10, 5754 (2020). https://doi.org/10.1038/s41598-020-62715-3; Sutaria AH, Masood S, Schlessinger J. Acne Vulgaris. [Atualiado em 2020 Aug 8]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2020 Jan-. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK459173/;
Bagatin E, Freitas THP, Rivitti Machado MC, Ribeiro BM, Nunes S, Rocha MA. Adult female acne: a guide to clinical practice. An Bras Dermatol. 2019;94(1):62-75; Bagatin E, Timpano DL, GuadanhimLRS, Nogueira VMA, TerzianLR, Steiner D, Florez M. Prevalência e formas clínicas da acne vulgar em adolescentes da cidade de São Paulo, Brasil. Na Bras Dermatol. 2014;89(3):428-35; Pontes TC, Fernandes Filho GMC, Trindade ASP, Sobral-Filho JF. Incidência de acne vulgar em adultos jovens usuários de suplementos proteico-calóricos na cidade de João Pessoa, PB. An Bras Dermatol. 2013;88(6):909-14.

O que pode ser?