PUBLICIDADE
Topo

Aline Ramos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Perder Marília Mendonça é como se despedir de uma amiga

Reprodução/Twitter
Imagem: Reprodução/Twitter
Conteúdo exclusivo para assinantes
Aline Ramos

Aline Ramos é jornalista, mas tá mais pra palpiteira, por isso cria conteúdo na internet desde 2014. Você com certeza já fez algum teste dela no BuzzFeed, onde foi redatora por dois anos. É especialista em diversidade e dá consultoria para marcas em temas como raça e gênero. Mas o que ama mesmo é escrever sobre entretenimento e dar opinião sobre tudo, se bobear até sobre a sua vida.

Colunista do UOL

05/11/2021 19h45

Marília Mendonça sempre esteve ali. Rica, famosa e bem-sucedida, poderia ter se afastado das pessoas comuns. Mas se recusou, e fez questão de estar e se mostrar próxima de todos nós, ainda que pelas redes sociais.

Com talento e carisma, esteve bem pertinho o tempo todo. Até quando a gente não percebia, lá estava ela, num verso cantarolado sem perceber ou no som que vinha da vizinhança.

Seu jeito debochado com a vida tornava tudo mais leve, divertido e verdadeiro. Marília nunca escondeu as suas dificuldades, seja com o peso ou por ser mãe, jovem e uma mulher em um universo dominado por homens. Sempre franca, abraçava as vulnerabilidades como ninguém. Isso nos ajuda a entender por que se tornou uma inspiração para tantas mulheres.

Ser transparente também fez com que Marília nem sempre fosse compreendida. Seu corpo foi alvo de críticas e sugestões não solicitadas. Ser mãe solo também trouxe dificuldades. Mas algo sempre ficou claro: ela foi muito fiel a si mesma.

Quando surgiu como um fenômeno com as suas músicas sobre a sofrência e a independência das mulheres, muita gente a associou ao feminismo. Por várias vezes, rejeitou o rótulo e negou ser feminista. Mas depois entendeu melhor e mudou de ideia. Independentemente da forma como se identificava, Marília sempre levantou questões importantes como violência contra a mulher e relacionamentos abusivos.

Perder Marília Mendonça significa se despedir de uma referência midiática muito importante para as mulheres. Numa época em que dizem tanto que devemos nos amar, mas fazem de tudo para que a gente se odeie, é essencial se ver em alguém que levanta a bandeira do amor próprio com tanta paixão e leveza.

Eu queria viver num mundo com mais mulheres como Marília Mendonça, mas infelizmente, nenhuma delas terá uma voz tão marcante, aquele conselho perfeito em forma de música ou um comentário engraçado sobre a série que a gente está assistindo ao mesmo tempo.

Marília Mendonça foi aquela melhor amiga que todo mundo gostaria de ter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL