PUBLICIDADE
Topo

Bichos

Tudo o que você precisa saber para cuidar do seu pet

Cansei de ser gato, agora sou CEO: Chico domina as redes e os negócios

Popstar do perfil Cansei de Ser Gato, Chico é o inspirador e "CEO" da marca homônima de acessórios para felinos  - Fernando Moraes/UOL
Popstar do perfil Cansei de Ser Gato, Chico é o inspirador e "CEO" da marca homônima de acessórios para felinos Imagem: Fernando Moraes/UOL

Juliana Finardi

Colaboração para Nossa

24/09/2021 04h00

Foi de forma despretensiosa que, lá em 2013, a administradora de empresas Amanda Nori, de 33 anos, e a publicitária Stefany Guimarães, 32, transformaram Chico, um simpático felino tigradinho SRD, em popstar da internet. Na época, o termo "influencer" ainda nem existia e ser blogueiro não dava muito status para ninguém.

Tudo começou quando as meninas ganharam um chifre de unicórnio de um amigo e resolveram colocar na cabeça do Chico. Alguém disse: "Ele cansou de ser gato". Pronto. Estava criado o termo que seria transformado em marca dois anos depois.

O pulo do gato, com o perdão do trocadilho, foi quando elas perceberam que o felino que tinham em casa não era um exemplar qualquer da espécie. Diferente de qualquer outro, ele gostava de usar roupas (fantasias, neste caso), e posava para fotos como um verdadeiro artista.

No storytelling das suas redes, Chico tem a ambição de dominar o mundo - Fernando Moraes/UOL - Fernando Moraes/UOL
No storytelling das suas redes, Chico tem o objetivo da "dominação mundial felina"
Imagem: Fernando Moraes/UOL

Foi aí que ele começou a não só se fantasiar, mas a mostrar como era a vida de um gato blogueiro e virou um personagem"

"Dois anos depois, vimos a necessidade de ter produtos pensados e criados exclusivamente para gatos. Enquanto consumidoras, não encontrávamos muitas opções em petshops. A partir daí, começamos a criar e desenvolver produtos e, em 2015, lançamos a marca", diz Amanda.

Ambas deixaram seus antigos trabalhos e passaram a se dedicar à marca desde então.

Stefany Guimaraes (esquerda) e Amanda Nori preparam o gato Tião para a foto, em foto de 2015 - Ze Carlos Barretta/Folhapress TEC - Ze Carlos Barretta/Folhapress TEC
Stefany Guimaraes (esquerda) e Amanda Nori preparam o gato Tião para a foto, em foto de 2015
Imagem: Ze Carlos Barretta/Folhapress TEC

A grande família

Chico não é o único gatinho da família. Quem chegou primeiro, na verdade, foi Madalena, hoje com 9 anos, a mesma idade de Chico. Ele veio para fazer companhia à irmã. Depois, a ideia era trazer mais um bichano para a turma. Então, as moças procuraram a ajuda de uma protetora de animais.

"Ela levantou o Tião em uma das mãos e a Terezinha na outra, dizendo: 'tem esse aqui, que é irmão dessa aqui'. E não resistimos, claro", conta Stefany. Sebastião e Terezinha são irmãos "verdadeiros" e têm 8 anos. Estava formada a familinha dos quatro gatos tigradinhos que ficariam famosos alguns anos depois.

Os irmãos Sebastião e Terezinha com Chico, de amarelo: família de tigrados - Fernando Moares/UOL - Fernando Moares/UOL
Sebasti
Imagem: Fernando Moares/UOL

Apesar de Chico ter, entre todos, a maior "vocação" para a fama, os demais também aparecem como coadjuvantes na história criada pelas moças na internet. Desde o início, quem aparece e tem voz são os gatos, que falam sobre a própria vida, fazem propaganda dos produtos e dos patrocinadores, além de "conversarem" com os seguidores tutores de felinos.

Tudo acaba girando em torno da "dominação mundial felina", um termo que brinca com a personalidade e independência característica dos gatos. Chico e companhia referem-se aos humanos como funcionários de uma empresa onde quem manda são os felinos e a "brincadeira" está institucionalizada.

As pessoas pedem dicas importantes e conversam com o gatinho que responde por meio das redes sociais. Hoje, o público já chega a 2 milhões de seguidores entre Facebook, Instagram, site, blog e podcast exclusivo no serviço de streaming de áudio Spotify.

Um gato de negócios

chi cansei de ser gato de gravata - Fernando Moraes/UOL - Fernando Moraes/UOL
O perfil nas redes evoluiu para o comércio de itens para gatos com a marca Cansei de Ser Gato
Imagem: Fernando Moraes/UOL

Os produtos da marca Cansei de Ser Gato já somam 70 itens entre caminhas, brinquedos, potes de comida, além de produtos para humanos como cadernos, calendários, canecas e adesivos.

Os mais vendidos são a coxinha recheada de catnip (a chamada erva do gato, cujo cheiro acalma e traz felicidade aos bichanos) e o comedouro duplo de madeira.

A ideia das proprietárias é ampliar o portfólio de produtos já no próximo ano. Tudo, claro, com o aval do Chico, que agora já assume o posto de CEO da marca.

Tudo realmente é testado e aprovado pelos gatos, principalmente o Chico, que é bem exigente. Já deixamos de lançar produtos que os gatos de casa não usaram", afirma Amanda.

Ela também conta que o desenvolvimento dos itens acontece após conversas e pesquisas a respeito do comportamento e saúde da espécie. "Pensamos no bem-estar, conforto e design. Antes, o mercado não pensava na casa do humano, era só no bichinho e, em geral, cachorros. Olhamos para o que o mercado não está fazendo e desenvolvemos essas soluções para o dia a dia dos gatos e gateiros".

Sebastião e os irmãos testam os produtos antes de serem comercializados - Fernando Moraes/UOL - Fernando Moraes/UOL
Sebastião e os irmãos testam os produtos antes de serem comercializados
Imagem: Fernando Moraes/UOL

O trabalho das moças rendeu, neste ano, uma parceria com a rede Petz, que comprou a marca e terá os produtos vendidos nas prateleiras das lojas espalhadas pelo país. Elas não revelam os valores que envolveram as negociações, mas permanecem à frente da criação dos produtos e gerenciamento das redes que dão voz aos gatinhos.

"As categorias de produtos e serviços para gatos são as que mais crescem no Brasil, mas ainda são carentes de sortimento. Nós vamos dar uma curadoria, com inovação e criação de tendências neste segmento", diz Stefany.

Cuidados com a saúde

Com trabalho de "gente grande", Chico e família passam por checkups anuais, além de serem acompanhados de perto por veterinários que garantem a saúde de todos. A alimentação é apenas úmida, ou seja, ração seca raramente faz parte do cardápio dos tigrados.

"Foi o que fez o Chico emagrecer 1 quilo porque estava obeso quando comia apenas ração seca. Ele é do tipo que come tudo de uma vez, por isso tem horário para as refeições. Oferecemos ração seca apenas no comedouro bolinha, para que ele brinque e faça exercício enquanto come", explica Stefany.

Vida de modelo

Os cuidados garantem que todos "saiam bem nas fotos" o que, aliás, intriga muita gente. Qual é a mágica que faz um gato ficar quieto, fazer pose e carão para as fotos?

"Nem a gente tem essa resposta. O Chico simplesmente não liga para roupas e encara as câmeras. Se deixar, ele vai até a caixa de areia com moletom. Não fizemos nenhum treinamento, mas depois de tantos anos ele entende o comando "senta!" e ronrona fazendo fotos porque sabe que vai ganhar um petisquinho", conta Amanda.

Chico é um dos casos não muito usuais de gatos que gostam de vestir roupinhas e fantasias - Fernando Moraes/UOL - Fernando Moraes/UOL
Chico é um dos casos não muito usuais de gatos que gostam de vestir roupinhas e fantasias
Imagem: Fernando Moraes/UOL

Ela diz que as fotos não levam mais de dois minutos e como o CEO é bastante expressivo, é certeza de que em um total de cinco fotos, pelo menos quatro estarão boas para serem utilizadas nas redes.

Para acostumar os gatos com roupinhas, a dica de uma das mães de Chico e família é entender a personalidade do bichano e respeitá-la. "A Madalena e a Terezinha gostam menos, mas usam no frio. Gato não faz o que não quer, então a nossa dica é experimentar roupas confortáveis, que não tirem a mobilidade e ver como ele reage", recomenda Amanda.

A primeira vez pode ser estranho, mas na próxima ele pode começar a se adaptar"

Quem tem um gatinho para chamar de seu em casa sabe que quem manda mesmo é ele, que vai dormir onde quiser, comer só o que agrada e fazer apenas o que tem vontade sem obedecer comando nem ordem de humano algum. Tudo em prol da "dominação mundial felina", certo Chico?