PUBLICIDADE
Topo

Bichos

Tudo o que você precisa saber para cuidar do seu pet

Pet destruidor, desanimado e acima do peso? Brinquedos podem ser a solução

Pet anda desanimado e forma de forma? Aposte nos brinquedos voltados para ele - Getty Images
Pet anda desanimado e forma de forma? Aposte nos brinquedos voltados para ele
Imagem: Getty Images

Juliana Finardi

Colaboração com Nossa

17/01/2021 04h00

Você saiu de casa por algumas horas e nem percebeu que seu pet estava entediado, sem brinquedos nem estímulos. Resultado: uma bela cena de destruição!

Foi pensando nestas situações que o veterinário comportamentalista Dalton Ishikawa, fundador da Pet Games, criou as pet balls, um tipo de brinquedo misturado com comedouro para estimular os gastos de energia física e mental dos pets. São esferas com aberturas ajustáveis e a ideia é que aos poucos se vá dificultando a saída da ração.

"É uma quebra de paradigma estimular comportamentos naturais de caça pelo alimento.

Muita gente fica com dó, mas se você resgata essas necessidades comportamentais no seu pet pode trazer bem-estar físico, mental e emocional", diz.

Jack com a pet ball  - Divulgação/Pet Games - Divulgação/Pet Games
Jack com a pet ball
Imagem: Divulgação/Pet Games
Brinquedo dispenser (a partir de R$ 28,90) na Cobasi  - Divulgação/Cobasi - Divulgação/Cobasi
Brinquedo dispenser (a partir de R$ 28,90) na Cobasi
Imagem: Divulgação/Cobasi

Bichinho em forma

Outro objetivo das pet balls também é desenvolver nos animais de estimação a capacidade de comer lentamente, já que muitos estão gordinhos pela falta de atividade física e pelos hábitos inerentes à domesticação.

"Os índices de obesidade já estão acima de 50% nos pets urbanos", diz Ishikawa.

Se a ideia é um cãozinho fit, há outras opções de comedouros lentos no mercado que estimulam, além do gasto de energia, o desenvolvimento cognitivo do seu fiel companheiro.

Brinquedos são aliados até mesmo no peso do pet - Getty Images - Getty Images
Brinquedos são aliados até mesmo no peso do pet
Imagem: Getty Images
Comedouro PetFit - Divulgação/Pet Games - Divulgação/Pet Games
Comedouro PetFit
Imagem: Divulgação/Pet Games

"Hoje em dia, mais de 50% dos cães domesticados vivem em ambientes 'indoor', ou seja, dentro de casa. Quando os tutores saem muito, trabalham fora, alguns cães desenvolvem ansiedade e esse acessório ajuda muito na qualidade de vida dos cachorros", afirma o veterinário da Cobasi, Bruno Sattelmayer, um dos responsáveis pelo treinamento do setor de acessórios para pet.

De acordo com o especialista, eles se sentem desafiados e motivados, aumentando seu desenvolvimento cognitivo — aquele relacionado ao aprendizado.

Também para gatinhos

Gatos com brinquedo  - Getty Images/iStock - Getty Images/iStock
Gatos também podem ganhar muito com brinquedos especiais
Imagem: Getty Images/iStock

Para os gatos, caçadores natos, a brincadeira pode ficar muito boa e desafiadora também se os brinquedos forem colocados em locais altos, dentro de nichos e em esconderijos divertidos.

Fará o gato se esforçar, gastar energia, se desafiar, gerando uma sensação de auto recompensa. Porém, cuidado ao escolher os níveis de dificuldade, pois caso haja insucesso, o animal pode se frustrar e perder o interesse", alerta Sattelmayer.

Brinquedo dispenser para ração ou petisco Cat Emotion Feliz Amicus (R$ 69,90) na Cobasi  -  Divulgaçao/Cobasi -  Divulgaçao/Cobasi
Brinquedo dispenser para ração ou petisco Cat Emotion Feliz Amicus (R$ 69,90) na Cobasi
Imagem: Divulgaçao/Cobasi

Formatos que simulam uma caça são os preferidos dos felinos. Os brinquedos em movimento, combinados com adereços como plumas e penas também imitam uma presa e deixam os gatos cada vez mais interessados.

"Os gatos são caçadores solitários, noturnos, e o comportamento de caça deles é mais forte que o dos cães", diz Ishikawa.

Como escolher o brinquedo mais indicado

O primeiro passo é escolher o tamanho correto, em que deve ser considerado o porte de cada pet e o alcance da mordida, pois além de brincar com as patas, ele deve conseguir interagir com o focinho e língua para sentir a textura do acessório.

Forma, peso e estímulo devem ser levados em conta quando comprar um brinquedo para o pet - Getty Images - Getty Images
Forma e peso devem ser levados em conta quando comprar um brinquedo para o pet
Imagem: Getty Images

O peso deve ser adequado, para que o animal tenha sempre controle do brinquedo. De acordo com o fabricante e idealizador das pet balls, elas foram desenvolvidas para que os pets não conseguissem abocanhá-las, já que não se trata de uma bolinha convencional.

A cor é muito mais voltada ao tutor, pois eles não conseguem enxergar as mesmas cores que os humanos.

Você também pode "fabricar" o brinquedo do seu fiel companheiro utilizando uma garrafinha pet. Basta fazer pequenas aberturas com estilete e recheá-la com petiscos. Quando o pet movimentar a garrafa, poderá garantir sua recompensa.

Até mesmo uma garrafinha de água pode virar um bom estímulo para o pet - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Até mesmo uma garrafinha de água pode virar um bom estímulo para o pet
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Para começar a brincadeira

A dúvida de muitos tutores é como ensinar os pets a brincar e interagir com as bolinhas/comedouros.

Paciência e truques ajudam a estimular o pet - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Paciência e truques ajudam a estimular o pet
Imagem: Getty Images/iStockphoto

O melhor jeito é começar de maneira gradativa, utilizando os níveis mais fáceis do acessório deixando mais espaço possível para se ter acesso ao petisco e ir dificultando aos poucos. Uma dica do veterinário da Cobasi é mostrar para o cão ou gato que se trata de algo bom, mesmo que seja novo.

Outra dica valiosa é deixar a bolinha com o cheiro do tutor, deixando pet mais confortável e confiante para o desafio.

Escolher um alimento que o pet goste ajuda muito no processo, e começar com uma maior quantidade no início, para facilitar o acerto. Para ajudar, deve-se sempre elogiar o pet, recompensando-o com carinho, festa, e quem sabe até um passeio", indica Sattelmayer.