PUBLICIDADE
Topo

MMA


Por que UFC corre para marcar novos eventos em meio à pandemia da Covid-19

Douglas P. DeFelice/Getty Images
Imagem: Douglas P. DeFelice/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

19/05/2020 04h00

O UFC encerrou a maratona de três eventos em uma semana já pensando nos próximos. Tão logo a última luta em Jacksonville, na Flórida (EUA), terminou, o presidente Dana White anunciou que o próximo card da organização acontecerá em Las Vegas. Se o Estado de Nevada não reabrir suas atividades, o evento, então, irá para o Arizona.

Mais que um pioneirismo em tempos de crise, a atitude de Dana White é uma resposta à pressão para que o UFC voltasse às atividades. A organização tem um contrato de US$ 750 milhões (R$ 4,1 bilhões) com a ESPN dos Estados Unidos para a realização de 42 eventos em 2020, segundo a revista Sports Illustrated. Menos eventos significam menos dinheiro na conta das empresas donas do Ultimate.

A pandemia causada pelo novo coronavírus (causador da Covid-19) fez com que as chances que esse acordo fosse cumprido diminuíssem. O UFC chegou a ficar quase dois meses sem realizar lutas por causa da crise sanitária. Ao todo, cinco eventos foram cancelados antes da maratona de três cards em oito dias em Jacksonville.

A pressa para voltar às atividades incomodou até a própria ESPN, quando Dana White fechou um acordo para mandar o UFC 249 em uma reserva indígena na Califórnia. Pela legislação norte-americana, terras indígenas não precisam seguir regulamentações estaduais.

"Hoje, recebemos uma ligação do mais alto escalão da Disney e do mais alto da ESPN ... E os poderosos que estão lá me pediram para desistir e não fazer esse evento no sábado", disse Dana White, na época do cancelamento.

O retorno foi aceito apenas quando a Flórida mudou suas recomendações. Desde 9 de abril, os eventos esportivos passaram a ser "serviços essenciais" no Estado. Assim, o caminho do UFC ficou livre para o retorno, mesmo que sem público.

Mesmo com a lei dessa vez ao seu lado, Dana White recebeu críticas por insistir em realizar eventos enquanto os casos de contágios nos Estados Unidos aumentam. Em resposta, o chefão anunciou um protocolo de segurança sanitária que teria que ser cumprido nos três eventos.

"As pessoas pensam que eu falo 'não me importo com o coronavírus e vamos fazer isso de qualquer jeito'. Nós sabemos o quão sério é o coronavírus. Saúde e segurança foram as prioridades nas últimas semanas e sempre foram uma prioridade para nós nesses últimos 20 anos", disse na época.

Contaminação não muda os planos

Mike Roach/Zuffa LLC
Imagem: Mike Roach/Zuffa LLC

A pressão sobre o UFC aumentou um dia antes do primeiro evento em Jacksonville. Escalado para o card preliminar contra Uriah Hall, Ronaldo Jacaré e mais dois membros de sua equipe foram diagnosticados com Coronavírus (Covid-19). Mas nem assim o UFC 249 foi cancelado.

"Realizamos 1.200 testes essa semana em 300 pessoas. Não é algo inesperado uma pessoa ter seu teste como positivo. O sistema funciona. E o bom disso é que agora que sabemos que Jacaré foi diagnosticado, ele está fazendo o que é preciso e estamos aqui para ajudá-lo no que for preciso", disse Dana White à ESPN no dia em que Jacaré foi diagnosticado com a doença.

Desde então, não houve mais nenhum caso confirmado entre os lutadores que participaram dos três eventos em Jacksonville.
"Estou feliz que acabou. Queria que essa semana terminasse. Isso tudo foi um sucesso em todos os sentidos. Ninguém ficou doente. Não há garantias na vida, mas aqui estamos e vamos agora para casa. Foram grandes eventos. Uma grande semana", comemorou Dana White.

MMA