PUBLICIDADE
Topo

Botafogo terá missão de retomar mudança de identidade e Honda pode ajudar

Paulo Autuori, técnico do Botafogo, analisa opções no elenco e busca melhor esquema para time - Vítor Silva/Botafogo
Paulo Autuori, técnico do Botafogo, analisa opções no elenco e busca melhor esquema para time Imagem: Vítor Silva/Botafogo

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

06/04/2020 04h00

Após a paralisação por conta da pandemia de coronavírus, o Botafogo tentará retomar um trabalho em estágio inicial que apontava para uma mudança de identidade da equipe. E, nesta alteração, Honda pode ser a ser peça-chave no esquema.

Com Paulo Autuori, que assumiu o time em meados de fevereiro, o Alvinegro vinha buscando ser um time um pouco mais ofensivo e com mais posse de bola, estilo diferente do que apresentava Alberto Valentim, que apostava em uma equipe mais reativa, veloz e com ligação direta entre os setores.

Apenas como parâmetro, considerando as sete partidas sob o comando de Valentim, a equipe teve uma média de 48% de posse de bola. Já com Autuori, esse valor gira em torno de 53%. Vale ressaltar, porém, que, como não tem transmissão televisiva, em tal valor não consta a derrota por 3 a 0 para o Rubro-Negro, pelo Campeonato Carioca.

Ainda assim, o Botafogo ensaia uma mudança na forma de jogar, sentida também no número de finalizações e passes certos, que tiveram respectivas melhoras.

"Nós vamos, passo a passo, tentar construir uma ideia de jogo. Tem partidas que vão aparecer com mais evidência e outras nem tanto. O que não vou admitir é que a gente renuncie à nossa ideia de jogo contra qualquer adversário, seja mais forte ou mais fraco. Não admito deixar de fazer aquilo que temos de fazer. Complicados, todos os jogos são. O importante é não renunciar nunca ao que nós queremos", disse Autuori, antes do jogo com o Boavista.

Após o duelo, que aconteceu no Nilton Santos e foi vencido pelo time da casa por 2 a 1, ele voltou a colocar tal ideal em pauta:

"Não perdemos hábitos de jogos que temos de mudar para sermos mais efetivos no jogo. Principalmente na posse de bola no campo do adversário. Não podemos ter uma posse inútil, que não machuque o adversário".

Desta forma, Honda, que fez a estreia contra o Bangu - último jogo antes da paralisação - pode ganhar ainda mais importância no esquema. O experiente meia japonês será, justamente, um dos responsáveis em auxiliar na transição e fazer a equipe "ter mais a bola". Autuori não descarta até que o camisa 4 jogue ao lado de Bruno Nazário, salientando que há opções para mudar o esquema em busca

"Jogar o Bruno e o Honda? Dá. Muda um pouco a característica da equipe. Se isso acontecer, temos de ter atenções a outras situações, que não vou falar aqui para não dar muitas pistas ao adversário", indicou, antes do confronto com o Bangu.

No ano passado, sob o comando do então técnico Eduardo Barroca, o Alvinegro foi um time que tinha bastante a posse e, em certo momento, chegou a liderar o ranking deste quesito no Campeonato Brasileiro. Foi neste período, inclusive, que conseguiu somar um bom número de pontos na competição, mas esbarrou em alguns obstáculos, como a pouca efetividade no ataque, e o treinador foi demitido em outubro, sendo substituído por Valentim.

Botafogo