PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Rafael Reis

Coronavírus: Temporada do futebol europeu tem tudo para não chegar ao fim

Francesco Caputo, do Sassuolo (Itália), comemora gol pedindo para torcedores ficarem em casa devido ao coronavírus - Reprodução
Francesco Caputo, do Sassuolo (Itália), comemora gol pedindo para torcedores ficarem em casa devido ao coronavírus Imagem: Reprodução
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

11/03/2020 04h20

A temporada 2019/2020 do futebol europeu corre sério risco de entrar para a história como aquela que terminou sem times campeões.

A rápida proliferação da epidemia do novo coronavírus pode fazer com que os principais campeonatos nacionais do Velho Continente e mesmo a badalada Liga dos Campeões tenham um fim prematuro e não possam declarar seus vencedores.

Não, essa não é uma previsão exagerada, mas sim um próximo passo natural devido ao caminho que as discussões sobre a possibilidade de conciliar o crescimento dos casos de covid-19 e o calendário do esporte mais popular do planeta estão tomando.

Até agora, nenhuma competição importante de futebol foi cancelada devido à epidemia. Mas parece ser apenas uma questão de tempo até que alguma liga ou federação anuncie essa difícil decisão.

Na segunda-feira (9), o governo italiano anunciou que todas as competições esportivas do país, incluindo o tradicional Calcio, ficarão paralisadas até o começo de abril. Os campeonatos Suíço e Austríaco também estão suspensos por conta da epidemia. A rodada de abertura das eliminatórias sul-americanas da Copa-2022 também está ameaçada.

As próximas rodadas do futebol na Espanha e na França não terão presença de torcedores nos estádios, assim como pelo menos cinco das oito partidas de volta das oitavas de final da Champions (Valencia x Atalanta, PSG x Borussia Dortmund, Juventus x Lyon, Barcelona x Napoli e Bayern de Munique x Chelsea).

Os jogos com portões fechados foram justamente a primeira medida tomada pelas autoridades do futebol italiano para tentar conter o coronavírus. Conforme a epidemia foi se agravando, eles endureceram as restrições até chegarem à suspensão do campeonato.

De acordo com dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), a Europa já havia registrado até ontem algo em torno 15 mil infecções por covid-19. Isso significa cerca de 13% dos casos identificados no mundo todo.

No entanto, o continente europeu é aquele onde o vírus tem se espalhado com mais velocidade nas últimas semanas, o que gerou a sensação de pânico que tomou conta do primeiro escalão do futebol.

A aposta dos dirigentes é que a epidemia tenha um declínio rápido depois de alcançar o seu auge (algo que vem acontecendo na China, berço do vírus) e que o rumo da modalidade possa retornar à normalidade dentro de 30 ou 40 dias.

Mas, mesmo que essa previsão para lá de otimista se mostre correta, o estrago já foi feito. Afinal, não há espaço no calendário para abrigar as três rodadas e meia que foram adiadas do Campeonato Italiano e nem as partidas que ainda terão o mesmo caminho em outros países.

A menos que a Eurocopa, cujo início está previsto para o dia 12 de junho, seja adiada para o próximo ano, e que as competições interclubes possam invadir seu período de disputa, os campeonatos nacionais correm risco sim de serem encerrados abruptamente.

E aí, por justiça esportiva, não dá para declarar nenhum clube campeão. Afinal, os times não terão enfrentados todos eles os mesmos adversários. Por isso, é bom a gente se preparar para a ideia de uma temporada sem distribuição de títulos.

Rafael Reis