PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Resultado tem que ser muito festejado pelo Flamengo

só para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

29/06/2022 23h46

O Flamengo teve mais sorte do que juízo em Ibagué. Sofreu num 1º tempo de muita fragilidade defensiva, criou pouco e não manteve a intensidade regular ao longo dos 90 minutos. Mas venceu o Tolima! Foi um dia de destaques incomuns para o torcedor rubro-negro. Léo Pereira o melhor em campo! Rodinei importante na parte ofensiva, e Andreas Pereira marcou um golaço na sua provável despedida.

O técnico Hernán Torres não teve Plata e Ibarguen, dois de seus principais jogadores. O lateral-direito Marulanda também ficou de fora. Riascos entrou no setor. Lucumí e Miranda na frente. Cataño foi barrado para a entrada de Garcia na meia-central. Dorival Junior não teve Rodrigo Caio, João Gomes e Willian Arão. Manteve o 4-3-3. Léo Pereira ganhou espaço na zaga. Diego foi o primeiro homem de meio-campo.

A entrega saiu muito melhor que a encomenda para o Flamengo no 1º tempo. Sabe-se lá como o Rubro-Negro não foi para o intervalo com um gol sofrido. Juan Caicedo chegou a marcar em impedimento logo aos sete minutos e o tento foi anulado. O que se viu do time carioca sem a bola foi pavoroso. Atitude passiva na abordagem de marcação. Espaços entre o meio e a defesa. Lado esquerdo totalmente vulnerável.

Os desfalques de Plata e Ibarguen precisam ser comemorados pelo rubro-negro. Não que sejam grandes craques, mas certamente aproveitariam melhor as chances que Miranda e Lucumí tiveram e desperdiçaram. Seja nos momentos em que tentou adiantar a marcação ou quando recuou o bloco, o Flamengo deu espaços. Santos fez duas ótimas defesas e Léo Pereira salvou um chute de Rovira em cima da linha.

01 - Rodrigo Coutinho - Rodrigo Coutinho
Como Tolima e Flamengo iniciaram o jogo válido pelas oitavas de final da Libertadores 2022
Imagem: Rodrigo Coutinho

A ação de Léo Pereira impediu um gol que sairia em erro de saída de bola do goleiro Santos, outro problema apresentado pelo Mais Querido. Quando os anfitriões adiantavam o bloco de marcação, não havia movimentos suficientes para gerar as linhas de passe, e o erro era forçado. O Tolima pecou demais na parte técnica, e por isso não aproveitou as muitas falhas dos visitantes na 1ª etapa.

A parte positiva do Flamengo antes do intervalo veio nos momentos em que conseguia aproximar suas peças no campo ofensivo e desacelerar o jogo. Sobretudo pela direita, com ótimas participações de Rodinei e as aproximações de Everton Ribeiro, Gabigol e Arrascaeta. Andreas Pereira era outro que acrescentava boas ações com a bola, e marcou um golaço aos 16 minutos para abrir o placar.

No meio da etapa inicial, Thiago Maia inverteu posicionamento com Diego numa tentativa de dar mais consistência defensiva ao time, mas nada foi solucionado. A energia do Tolima caiu bastante na 2ª etapa. O jogo ficou mais lento e o Flamengo sofreu menos. Ayrton Lucas entrou no lugar de Diego para ajudar um frágil Filipe Luís pela esquerda. Lázaro e Marinho foram a campo na sequência.

Os colombianos encheram a equipe de atacantes, mas não criaram nada de tão relevante e o rubro-negro desperdiçou ótimas oportunidades de contra-ataque. Pedro e Marinho poderiam ter ampliado nos acréscimos.