PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Botafogo recria time de basquete e vai jogar Campeonato Brasileiro

Botafogo é campeão sul-americano de basquete - Divulgação/LNB
Botafogo é campeão sul-americano de basquete Imagem: Divulgação/LNB
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

04/11/2020 13h50

Campeão da Liga Sul-Americana na temporada passada, o Botafogo vai continuar tendo um time masculino de basquete. O clube, que ficou de fora do Novo Basquete Brasil (NBB) por não ter quitado dívidas com o elenco, foi anunciado hoje (4) como um dos participantes da próxima edição do Campeonato Brasileiro.

Apesar do nome, o "Campeonato Brasileiro" é a segunda divisão nacional e dá ao seu campeão o direito de pleitear participar do NBB, torneio organizado pela Liga Nacional de Basquete (LNB). O Botafogo tem uma franquia, mas não foi aceito na edição que começa neste fim de ano, por não cumprir os critérios. Pagando as dívidas, ele poderia voltar na temporada 2021/2022.

O clube que representa o Botafogo no NBB não é o Botafogo de Futebol e Regatas, mas a Associação Botafogo Olímpico, um CNPJ independente apto a receber recursos públicos incentivados. Pelo Botafogo tradicional, o time de basquete estaria acabado, mas um torcedor conseguiu autorização da diretoria para assumir esse CNPJ e tentar levantar fundos para a equipe.

Carlos Salomão conseguiu junto à diretoria o direito de continuar tocando o projeto, desde que isso não gerasse custos ao clube. Foi ele quem tentou a engenharia financeira para pagar as dívidas com os jogadores e inscrever o time no NBB. Não conseguiu, mas manteve a equipe viva, inscrevendo-a no Campeonato Brasileiro, que demanda investimento bem mais baixo, na casa de R$ 500 mil.

A competição terá 12 equipes e, segundo a CBB, começa em 13 de fevereiro. O Palmeiras chegou a conversar com a confederação, mas não fez inscrição. Também vão jogar dois times de Joinville - Joinville Basquete e Black Star — e outros dois catarinenses: Brusque Basquete e Blumenau Basquete. O Ponta Grossa, do Paraná, campeão em 2019, está confirmado no Brasileiro junto com ADRM Maringá e Londrina Basketball, também do Paraná. O Vila Nova representa Goiás e o Osasco será o único time de São Paulo.

A surpresa fica pela ausência da Liga Sorocabana de Basquete (LSB), que está disputando o Campeonato Paulista e tem um projeto contínuo. Também havia a expectativa que o Flamengo inscrevesse uma equipe sub-22, o que acabou não ocorrendo. São José e Rio Claro, ambos de São Paulo, que também deixaram o NBB, não se inscreveram.