PUBLICIDADE
Topo

Plástico criado na UFPR reduz para 5 meses tempo de decomposição do produto

A professora Michele Rigon Spier e o estudante de mestrado Luis Alberto Gallo Garcia integram equipe de trabalho que desenvolveu formulações de plástico biodegradável  - Divulgação/UFPR
A professora Michele Rigon Spier e o estudante de mestrado Luis Alberto Gallo Garcia integram equipe de trabalho que desenvolveu formulações de plástico biodegradável Imagem: Divulgação/UFPR

Antoniele Luciano

Colaboração para Ecoa

10/02/2020 04h00

Pesquisadores do Paraná desenvolveram uma embalagem biodegradável que pode se tornar uma nova alternativa para sacolas e sacos plásticos de lixo disponíveis no mercado. Enquanto os materiais convencionais, oriundos do petróleo, levam mais de 100 anos para se decompor no meio ambiente, testes no Laboratório de Engenharia Bioquímica e Biotecnologia (Lengebio), da Universidade Federal do Paraná (UFPR), demonstraram que o composto produzido em Curitiba precisaria de cinco meses para se desintegrar totalmente no solo.

Hoje, sacolas consideradas oxibiodegradáveis - que se degradam com apoio de aditivos, na presença de oxigênio e incidência de luz e calor em sua superfície, podem resistir até três anos depois de enterradas.

Mesmo após a oxidação, esses materiais não desaparecem totalmente, deixando microplásticos que ainda podem ser encontrados no oceano ou no organismo de animais. Já os materiais biodegradáveis se decompõem pela ação de micro-organismos vivos em até 180 dias, conforme estabelece normativa da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Material em equipamento no laboratório da UFPR: cor verde vem do uso de algas na composição  - Divulgação/UFPR
Material em equipamento no laboratório da UFPR: cor verde vem do uso de algas na composição
Imagem: Divulgação/UFPR
O estudo paranaense, que vem sendo feito há dois anos, resultou em duas formulações com propriedades parecidas - uma branca, com base em amido, e outra verde, com base em amido e algas. Ambas foram desenvolvidas de forma paralela, com aditivos biodegradáveis, compostos de fonte renovável e outros ingredientes mantidos em sigilo. "As duas podem ser usadas pra substituir o plástico convencional. A vantagem do plástico verde é que ele tem uma aceleração da degradação do solo em 7%, comparado com o de base amido. A desvantagem é que tem um custo um pouquinho maior", explica a coordenadora da pesquisa, a engenheira de alimentos Michele Rigon Spier, 42 anos, do departamento de Engenharia Química da UFPR.

Além dela, a equipe de trabalho conta com estudantes de mestrado e doutorado da UFPR e a colaboração do professor Fábio Yamashita, da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Excedentes da agroindústria

Há 16 anos atuando na área da inovação e tecnologia, Michele relata que a ideia de trabalhar com algo semelhante ao polietileno de baixa densidade (PEBD) veio do desejo de encontrar uma formulação que reduzisse a poluição no meio ambiente. "A partir dessa preocupação, vimos oportunidade para desenvolver um produto como um novo negócio no Brasil. Percebemos que ainda temos uma certa distância entre o que é pesquisado e o que é produzido no país", comenta a pesquisadora.

Conforme a professora, há uma tendência forte pela produção de sacolas biodegradáveis a partir de subprodutos da indústria agrícola, o que encontraria condições favoráveis no Brasil. "Temos um excedente de subprodutos da agroindústria que não vai causar conflito de alimentos para consumo humano. Então, poderíamos usar esse excedente ou subprodutos que a indústria de alimentos não utiliza para produzir os plásticos biodegradáveis", avalia.

Plástico biodegradável na cor branca tem como base o amido de milho - Divulgação/UFPR
Plástico biodegradável na cor branca tem como base o amido de milho
Imagem: Divulgação/UFPR
Análises

Foram necessárias pelo menos três etapas para que os pesquisadores chegassem ao plástico biodegradável obtido. Primeiro, houve um estudo sobre matérias-primas com potencial para substituir o plástico convencional. Depois, a produção dos filmes plásticos em equipamento industrial. Em seguida, vieram as análises e melhoramento das fórmulas para obter mais resistência e maleabilidade, por exemplo.

Em um dos testes, a equipe enterrou o plástico branco e o plástico verde em um solo simulado para, a cada dez dias, retirar amostras e analisar a perda de massa. "Fomos percebendo a redução dos fragmentos. Em dois meses, a perda já havia sido de metade; em cinco meses, de 100%. Fiquei até emocionada quando isso aconteceu", relata Michele.

Ela acredita que novos resultados devem ser obtidos nos próximos dois meses, quando os pesquisadores testarão a biodegradação das embalagens na água. "Os resultados poderiam ser mais rápidos se tivéssemos parceiros. Como não temos recursos, vamos fazendo em um ritmo mais lento", assinala Michele, ao explicar que o apoio financeiro é importante para adquirir reagentes e produtos químicos usados no experimento, entre outras ações.

Transferência de tecnologia

A ideia, conforme a pesquisadora, é apresentar os resultados a investidores. Em troca do apoio oferecido para a pesquisa, eles receberiam a transferência de tecnologia para produzir o material e colocá-lo no mercado.

Michele afirma que ainda não pode mensurar o percentual de quanto o plástico biodegradável obtido em laboratório custaria a mais que o plástico derivado do petróleo. No entanto, avalia que empresas que já produzem sacos e sacolas plásticas convencionais poderiam usar os mesmos equipamentos para operar com a fórmula da UFPR. "Seriam necessárias apenas algumas adaptações", pontua. Variando algumas propriedades, também seria possível aplicar a fórmula na produção de canudinhos, copos e outros recipientes plásticos.

A pesquisadora sustenta que o valor final desses produtos seria incomparável, do ponto de vista ecológico, ao do plástico que o consumidor está acostumado. "Esse plástico tem um valor muito maior que é a ajuda ao meio ambiente, à gestão do lixo, ao bem da população. É muito mais do que o transporte de materiais. Não é só o valor comercial", enfatiza.

1,5 milhão se sacolinhas por hora

De acordo com o Instituto Socioambiental dos Plásticos (Plastivida), ainda não há sacolas biodegradáveis comercializadas em larga escala no mercado brasileiro.

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) calcula que cerca de 1,5 milhão de sacolinhas plásticas são distribuídas por hora no Brasil. Oitenta por cento dessas embalagens são reutilizadas para acondicionar lixo, seguindo para lixões e aterros sanitários.

Grande ideia