PUBLICIDADE
Topo

Grande ideia

Estudantes do DF desenvolvem plástico biodegradável usando casca de laranja

Barbara Wingler, Kazue Nishi e Lucas Silva desenvolveram plástico biodegradável a partir da casca da laranja - Reprodução/Clube de Ciências Marie Curie
Barbara Wingler, Kazue Nishi e Lucas Silva desenvolveram plástico biodegradável a partir da casca da laranja Imagem: Reprodução/Clube de Ciências Marie Curie

Diana Carvalho

São Paulo

19/02/2020 04h00

Com uma estufa improvisada de caixa de madeira e muita força de vontade, três alunos do Centro de Ensino Médio 2 do Gama, no Distrito Federal, conseguiram desenvolver um plástico biodegradável feito a partir da casca de laranja. O resultado de oito meses de estudo rendeu ainda um convite para participar da World Invention Competition and Exhibition (WICE). O evento é uma competição e exibição mundial de invenções, que ocorre em setembro, na Malásia.

A ideia dos estudantes começou em agosto de 2019, quando Barbara Wingler, 18, Kazue Nishi, 17, e Lucas Silva,19, se juntaram para pensar em alternativas para diminuir os impactos negativos causados pelo plástico no meio ambiente.

Estima-se que haja 150 milhões de toneladas de resíduos plásticos no oceano. Além disso, durante a pesquisa, os estudantes descobriram que a casca da laranja, devido aos seus compostos orgânicos, também pode ser tóxica e poluir a natureza caso descartada de maneira errada.

A primeira película do plástico biodegradável feito a partir da casca de laranja - Divulgação/Clube de Ciências Marie Curie - Divulgação/Clube de Ciências Marie Curie
A primeira película do plástico biodegradável feito a partir da casca de laranja
Imagem: Divulgação/Clube de Ciências Marie Curie
Com o auxílio do professor de química Alex Aragão, os alunos resolveram então utilizar a casca da fruta como matéria prima. Após um longo processo, os jovens chegaram à primeira película de plástico biodegradável.

"Com as nossas condições de trabalho, todo o processo para transformar a casca de laranja demora 10 dias. Primeiro, a casca fica de molho na água, depois é preciso secar em uma estufa, que fizemos de maneira improvisada com uma caixa de madeira e tampa de vidro", explica Aragão.

Os estudantes do DF usaram uma estufa improvisada para secar as cascas de laranja - Reprodução/Clube de Ciências Marie Curie - Reprodução/Clube de Ciências Marie Curie
Os estudantes do DF usaram uma estufa improvisada para secar as cascas de laranja
Imagem: Reprodução/Clube de Ciências Marie Curie
Com uma estufa de fluxo de ar, por exemplo, todo o processo duraria menos de uma semana. Após esses dias de secagem, o material é triturado até virar pó. Depois, é feita a mistura com diversos reagentes químicos.

"O que a gente mais enfrenta, em se tratando de pesquisas na área da ciência, é a falta estrutura e investimento. Por isso ainda é tão difícil chamar atenção de indústrias para novos produtos, novas formas de fazer. É preciso contar com divulgação e, às vezes, tirar dinheiro do próprio bolso para custear materiais", afirma o professor, que também é responsável pelo Clube de Ciências Marie Curie, do Gama.

Depois de ganharem três prêmios de feiras de ciências nacionais, os desafios dos criadores do projeto ainda continuam. Para conseguir participar da World Invention Competition and Exhibition (WICE), eles criaram uma vaquinha virtual, para ajudar com os custos da viagem.

Os estudantes ao lado do professor Alex Aragão (de azul) durante a premiação da Feira Brasiliense de Tecnologia e Ciências (Febratec) - Reprodução/Clube de Ciências Marie Curie - Reprodução/Clube de Ciências Marie Curie
Os estudantes ao lado do professor Alex Aragão (de azul) durante a Feira Brasiliense de Tecnologia e Ciências (Febratec)
Imagem: Reprodução/Clube de Ciências Marie Curie
"Já estamos com 50% da meta atingida, acredito que vamos conseguir. Como professor, penso que é importante, cada vez mais, incentivar o interesse dos alunos por ciência. Eu fico fascinado com essa geração, que já no Ensino Médio demonstra tanto empenho. E é de se esperar que daqui alguns anos as universidades recebam alunos ainda mais preparados para desenvolver propostas e projetos científicos", aponta.

De acordo com o professor, os jovens devem agora aprimorar a resistência do bioplástico feito a partir da casca de laranja para, futuramente, ser usado na produção de copos, canudos e sacolas.

Grande ideia