PUBLICIDADE
Topo

Quem não deve não foge, Weintraub!

Caio Magri

Com foco em responsabilidade social corporativa, aborda tanto as questões críticas quanto as boas práticas nas agendas das desigualdades, dos direitos humanos, de integridade e ética, e do meio ambiente. A fim de compartilhar a contribuição de diferentes atores sociais - empresas, academia, organizações e poder público ? em busca de uma sociedade sustentável e justa.

23/06/2020 04h00

Quando o Diário Oficial da União publicou no dia 20/06 por volta do meio-dia, em edição extra, a exoneração de Weintraub do Ministério da Educação ele já estava em Miami, um dos dez destinos preferidos por fraudadores, traficantes, sonegadores fiscais e corruptos. Da forma como está acontecendo não deu nem tempo de limpar as gavetas. Weintraub é investigado em dois inquéritos no STF.

O fugitivo, protegido pelo governo Bolsonaro, está correndo atrás de uma vaga de diretor executivo do Banco Mundial (BM).

O Banco Mundial é a maior instituição financeira internacional e tem como missão combater a pobreza e promover a prosperidade. 189 países são seus sócios, como uma cooperativa.

Como é possível que Weintraub possa ocupar este cargo em nome do Brasil, representando a Colômbia, República Dominicana, Equador, Haiti, Panamá, Filipinas, Suriname e Trinidad e Tobago?

Ele publicou em redes sociais ofensas à China e aos chineses, motivo de um inquérito por racismo no STF.

No vídeo da reunião ministerial ele diz: " Eu odeio o termo 'povos indígenas', odeio esse termo. Odeio. O 'povo cigano'."

Como ele pode ser nomeado sendo racista e supremacista?

Esses oito países que o Brasil representa têm a maioria absoluta de seu povo formados por povos originários, a população indígena, e a população negra. Será uma vergonha internacional se os governos destas nações aprovarem o nome de Weintraub.

O Banco Mundial tem mecanismos de integridade poderosos para seus funcionários e parceiros de negócios.

Nas "Diretrizes da Vice-Presidência de Integridade do Grupo Banco Mundial" está escrito, no primeiro de seus onze artigos: " Proibição de Conduta Imprópria: uma proibição claramente articulada e visível de Conduta Imprópria (fraude, corrupção, conluio e práticas coercitivas) a ser expressa em um código de conduta ou documento ou comunicação semelhantes ; e em seu artigo 4.1 : " Devida diligência dos funcionários: Avaliar funcionários atuais e futuros com qualquer autoridade para tomar decisão ou em posição de influenciar resultados de negócios, inclusive gerentes e membros da Diretoria Executiva, a fim de determinar se adotaram Conduta Imprópria ou outra conduta incoerente com um Programa de Cumprimento da Integridade eficaz.

Não é possível que, com estas políticas internas, a governança do Banco Mundial permita que Weintraub venha a exercer o cargo de diretor executivo.

Vamos todos acionar e escrever para a atual vice-presidente de integridade do BM, Lisa K Miller para denunciar a violação em marcha e abertura imediata de uma investigação para avaliar a nomeação de Weintraub à luz do Código de Conduta do Banco Mundial.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.