PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Caio Magri


Não haverá ENEM em 2020!

Caio Magri

Com foco em responsabilidade social corporativa, aborda tanto as questões críticas quanto as boas práticas nas agendas das desigualdades, dos direitos humanos, de integridade e ética, e do meio ambiente. A fim de compartilhar a contribuição de diferentes atores sociais - empresas, academia, organizações e poder público ? em busca de uma sociedade sustentável e justa.

17/05/2020 04h00

Manter o ENEM em 2020 é genocídio educacional de milhares de estudantes pobres que estão nas escolas públicas.

Criado em 1998 durante o governo Fernando Henrique Cardoso, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) teve por princípio avaliar anualmente o aprendizado dos alunos do ensino médio em todo o país.

Em 2009, durante a gestão do ministro da Educação Fernando Haddad, no governo Lula, foi introduzido um novo modelo de avaliação, com a proposta de unificar o concurso vestibular das universidades federais brasileiras, e posteriormente utilizado como parâmetro para todas as universidades públicas e gratuitas. Um avanço enorme para reduzir as desigualdades de acesso às universidades públicas.

Neste grave momento, quando as escolas ficarão fechadas por mais de quatro meses, milhões de estudantes não estão acessando as aulas virtuais prometidas pelas autoridades de educação.

A estratégia adotada escancara a desigualdade e as dificuldades enfrentadas pelos estudantes e professores de escolas públicas - acesso limitado à internet, falta de computadores e de espaço em casa, problemas sociais, sobrecarga de trabalho docente e baixa escolaridade dos familiares.

Segundo a pesquisa TIC Domicílios, divulgada em 2019, apenas 44% dos domicílios da zona rural brasileira têm acesso à internet. Na área urbana, o índice é bem mais alto: 70% dos lares estão conectados. O estudo, feito anualmente pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic), é um dos principais no país no segmento de acesso a tecnologias.

Mas as diferenças ficam ainda mais evidentes ao se analisar cada classe social: entre os mais ricos (classes A e B), 96,5% das casas têm sinal de internet; entre os mais pobres (classes D e E), 59% não conseguem navegar na rede.

Já não bastam as atitudes do governo Bolsonaro, que propaga mentiras sobre a pandemia flertando com a morte e apostando no caos social, temos agora a insistência criminosa do ministro Weintraub na manutenção o ENEM em 2020. E para isso usa recursos públicos em uma propaganda falsa e enganosa.

Não haverá ENEM, ministro! E é obrigação funcional do MPF, da CGU e do TCU acusá-lo e processá-lo por uso indevido de dinheiro público e obriga-lo a devolver centavo por centavo do gasto com propaganda indevida.

É hora de solidariedade!

Solidariedade com os estudantes que não contam com acesso à internet em suas casas para aulas virtuais.

Solidariedade com os estudantes que não tem computadores nem recursos para pagar a internet.

Desobediência civil já!

Boicote o ENEM!

#boicoteoEnem

Caio Magri