PUBLICIDADE
Topo

Armandinho celebra 70 anos de trio na praça na última noite do Carnaval

Aurélio Nunes

Colaboração para o UOL, em Salvador

25/02/2020 22h49

Ao som das guitarras baianas dos irmãos Armandinho e Aroldo Macedo, Salvador celebrou hoje o último pôr de sol do Carnaval 2020. "São 70 anos de trio neste palco de tantos encontros memoráveis", disse o cantor, do alto do trio parado na Praça Castro Alves.

Nada mais justo que a data histórica fosse celebrada pela banda dos irmãos Macedo, legítimos herdeiros do legado deixado pelo já falecido pai, Osmar, criador da engenhoca que revolucionou os carnavais da Bahia ao lado de Dodô.

Mas Armandinho teve de esperar o final da apresentação de Ivete Sangalo , que se despedia do Carnaval do Campo Grande com seu trio estacionado na esquina da Avenida Sete com a Carlos Gomes.

A música só começou mesmo pra valer com os tradicionais afagos entre os artistas baianos, com Ivete dizendo que ia esperar para ver a apresentacão que Armandinho ainda daria na Barra do alto de seu camarote e Armandinho retribuindo com: "O Brasil te ama".

No chão, um público pequeno, mas fiel e diversificado. Tinha fantasiado do Olodum, Filho de Gandhy, mascarados, ambulantes, policiais, crianças dos 7 aos 70 anos.

E depois de desfilar o repertório com "Baianidade Nagô", "Varre Vassourinha", "Bloco do Prazer" e "Zanzubar", a despedida não poderia ser outra senão "Chame Gente", aquela hino do carnaval baiano em que "a gente se completa enchendo de alegria a praça e o poeta".

Foi o último pôr de sol, mas não o último suspiro do Carnaval, que se arrasta pela madrugada até a Quarta-feira de Cinzas.

Salvador