PUBLICIDADE
Topo

Dez suspeitos são presos por simular briga e furtar celulares em Salvador

Multidão em Salvador - Fred Pontes/Divulgacão
Multidão em Salvador Imagem: Fred Pontes/Divulgacão

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

24/02/2020 10h31

Dez pessoas foram presas e uma menor apreendida em flagrante suspeitas de furtarem aparelhos eletrônicos no circuito Dodô (Barra/Ondina), na região do Monte Pascoal, em Salvador. O grupo foi flagrado por policiais civis à paisana simulando brigas para gerar tumulto e conseguir furtar smartphones e tablets de foliões que estavam no Carnaval de Salvador.

Ontem, policiais civis infiltrados nos blocos detectou que o grupo simulava brigas para que na hora do empurra-empurra pudesse furtar aparelhos de telefone celular e tablets dos foliões. O grupo suspeito do crime escondia os objetos furtados em um isopor.

Foram recuperados dois smartphones e um tablet. Os aparelhos recuperados estão na Central de Flagrantes esperando que os donos se apresentem e comprovem a propriedade para que eles sejam devolvidos.

Os investigadores da Polícia Civil ficaram cerca de duas horas se passando por foliões e observaram que dez pessoas estavam furtando os aparelhos e entregavam a uma menor de idade, que era responsável por segurar o isopor.

"Eles perceberam que o bando, na maioria das vezes, causava brigas e se aproveitava dos empurrões e da grande concentração de público para praticar os furtos de celulares. Depois das subtrações, os smartphones eram escondidos em um isopor", disse a Secretaria de Segurança Pública.

O diretor do DIP (Departamento de Inteligência Policial), delegado José Eduardo, enfatizou que a ação da polícia envolveu imagens de câmera de videomonitoramento, que orientaram os policiais a paisana os locais exatos que o grupo suspeito de furto estava agindo.

O grupo foi levado para a Central de Flagrantes montada na Barra e autuado em flagrante. Eles aguardam audiência de custódia para que a Justiça decida se as prisões e apreensão em flagrante sejam convertidas em preventivas ou se vão responder pelo crime em liberdade.

A polícia não informou os nomes dos presos em cumprimento a Lei de Abuso de Autoridade. Os presos e a menor apreendida não apresentaram advogado para defesa enquanto prestavam depoimento e devem ser assistidos por defensor público.

Salvador