PUBLICIDADE
Topo

Com As Bahias e Candy Mel, blocos de SP viram pontos de visibilidade trans

Raquel Virgínia, Rafael Acerbi e Assucena Assucena do grupo As Bahias e a Cozinha Mineira - Pedro Dimitrow/Divulgação
Raquel Virgínia, Rafael Acerbi e Assucena Assucena do grupo As Bahias e a Cozinha Mineira Imagem: Pedro Dimitrow/Divulgação
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

24/02/2020 09h00

Resumo da notícia

  • As Bahias e a Cozinha Mineira prepararam repertório especial para trio
  • Mel Gonçalves lançará a carreira solo durante seu bloco no sábado (29)
  • Lisa Gomes desfilou pelas ruas da Mooca com bloco próprio

Mais democrático do que nunca, o Carnaval de São Paulo deste ano virou também um importante palco para a visibilidade trans. Pelo menos três blocos da cidade são capitaneados por personalidades da comunidade.

Nesta segunda-feira (24), por exemplo, As Bahias e a Cozinha Mineira, grupo indicado ao Grammy Latino no ano passado, ganhará as ruas do circuito da Avenida Tiradentes com seu trio elétrico, como parte do festival Love Fest. "Para qualquer parcela da população a representação nos espaços de visibilidade e poder são importantes e não seria diferente para população trans. Comandar um trio é acessar também um direito à palavra de ordem em uma das festas populares mais importantes do país. As pessoas trans têm o direito de ser e estar com demonstração de beleza e representação ativa na cultura brasileira por nossas vidas e contra qualquer retrocesso civil e político", afirma Assucena uma das vocalistas.

Para Raquel Virgínia, a época é propícia para conferir o protagonismo a comunidade. "O entretenimento e o lúdico do Carnaval são importantíssimos para a construção da dignidade. Muitas vezes, a diversão nos foi negada. Agora podemos ser condutoras dessa festa. E isso pra nossa construção coletiva é da maior importância", diz.

Consagrado na MPB, o grupo preparou um repertório especial para o trio elétrico. "Neste ano, fizemos uma formação especial para o trio. Uma banda composta somente por mulheres. O repertório vai percorrer os grandes hits do carnaval de décadas atrás e também músicas contemporâneas que disputam o status de hit do carnaval", conta Rafael Acerbi, único homem da equipe. "Balanceamos as canções tradicionais com os hits dos últimos anos: tem de Margareth Menezes e Ivete Sangalo à nossa mana Pabllo Vittar", adianta Assucena. A concentração começa às 14h.

Mel Gonçalves - Divulgação - Divulgação
Mel Gonçalves lançará carreira solo em bloco
Imagem: Divulgação

O bloco das Bahias não traz essa visibilidade sozinho. Além dele, no próximo sábado (29), haverá o "Lua de Mel", comandado por Mel Gonçalves, antes conhecida como Candy Mel, consagrada na Banda Uó. O desfile acontecerá no circuito do centro, nas proximidades da Avenida São João, a partir das 10h. Entre os atrativos, a oportunidade ver, em primeira mão, o lançamento de algumas músicas da carreira solo da cantora e relembrar hits como "Arregaçada" e "Búzios do Amor".

Lisa Gomes - Divulgação - Divulgação
Lisa Gomes colocou desfilou pelas ruas da Mooca com seu bloco
Imagem: Divulgação

Outra que colocou o bloco na rua foi Lisa Gomes, repórter do "TV Fama", da RedeTV!. A jornalista lançou um trio pelas ruas da Mooca no último dia 15. Na época do lançamento da agremiação, Lisa, que já chegou a ser expulsa de uma escola de samba por ser transexual, afirmou que considera isso uma bela resposta aos transfóbicos. "Sei do tamanho da minha representatividade, tenho uma grande responsabilidade."

No que depender da torcida da coluna, estes blocos terão vida longa.

Fefito