PUBLICIDADE
Topo

Fefito

Política, religião e ostentação fazem musas deixar o Carnaval

Nubia Oliiver diz que desfiles viraram batalha de quem paga mais - Marco Máximo/Divulgação
Nubia Oliiver diz que desfiles viraram batalha de quem paga mais Imagem: Marco Máximo/Divulgação
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

06/02/2020 14h32

Resumo da notícia

  • Para Núbia Oliiver, Carnaval virou batalha de quem paga mais
  • Denise Dias diz que religião e política afastam famosos e público
  • Falta de tempo para ir ao ensaios também é razão para não desfilar

Os desfiles de Carnaval de São Paulo e Rio de Janeiro têm passado por transformações nos últimos anos. Por causa delas, algumas musas conhecidas da avenida decidiram ficar de fora da folia em 2020. Para Núbia Oliiver, recordista de ensaios nus no Brasil, a ostentação virou um grande incômodo. "Estamos em um tempo que virou uma disputa de quem gasta mais com fantasia, quem paga para ter o melhor lugar de destaque, quem tem o corpo mais sarado para exibir na avenida. Antes nem havia essa loucura. A diversão deixada de lado em troca da ostentação acabou me desanimando de participar da festa", conta a ex-"Casa dos Artistas", que já foi madrinha de bateria da Acadêmicos do Tucuruvi e destaque da Império Serrano.

denise dias - Danillogram/Divulgação - Danillogram/Divulgação
Denise Dias não quer saber de política
Imagem: Danillogram/Divulgação

Denise Dias, que tem passagens pela Vila Isabel e Inocentes de Belford Roxo e foi rainha de bateria da Paraíso de Tuiuti, está cada vez mais incomodada com o cunho político dos desfiles. "Os enredos me deixam desanimada, já que vejo o carnaval como uma festa popular que retrata a alegria do povo e não tem sido assim. Cada vez mais temas como política e religião tem entrado nas escolas. Isso causa polêmicas e desconforto para quem desfila e divide opiniões de quem assiste", afirma a modelo, que desfilou como musa ou rainha nos últimos cinco anos. "Isso realmente tem me desanimado porque acho que o carnaval deveria ficar isento de tanta crítica e acaba ficando pesado para quem quer defender a escola dentro e fora da avenida. Num momento de tanto ódio e intolerância, acho que o carnaval deveria ter mais leveza e alegria."

Thaiz - Jessica Santos/Divulgação - Jessica Santos/Divulgação
Fora do Brasil, Thaiz Schmitt não tem tempo para ir aos ensaios
Imagem: Jessica Santos/Divulgação

Há ainda quem culpe a agenda lotada pela ausência no sambódromo, caso da ex-coelhinha da "Playboy" e atriz Thaiz Schmitt. "Como estou estudando atualmente em Los Angeles e só volto ao Brasil em período de férias, não consigo acompanhar ensaios e preparativos da escola. Não acho justo chegar só para o desfile. Mas ano que vem tudo indica que acabo meus cursos e volto a morar no Brasil", afirma a loira, que esteve no humorístico "Treme Treme", do Multishow e ficou famosa por namorar o cantor Latino e ser apontada como affair do ator Humberto Martins. "Eu sinto muita falta de desfilar no Carnaval tanto do Rio de Janeiro quanto de São Paulo. Estou me preparando para voltar. A energia da bateria é algo inexplicável de contar, só quem já desfilou sabe, mas precisa de dedicação."

Bordin - Divulgação - Divulgação
Viviane Bordin tem agenda corrida
Imagem: Divulgação

Dona de um site de ensaios sensuais e modelo, Viviane Bordin concorda e por isso viajará para descansar no Recife com o marido e os filhos: "Acho que deve existir um compromisso, frequentar a quadra, os ensaios e estar próxima da comunidade e dos segmentos da escola. Minha vida é super corrida e atualmente não posso ter esse compromisso. Não acho que vale aparecer só no dia dos desfiles, só pela questão da vitrine que o carnaval proporciona".

deborah - Giba Júnior/Divulgação - Giba Júnior/Divulgação
Deborah Albuquerque se recusa a usar tapa-sexo ou pluma de origem animal
Imagem: Giba Júnior/Divulgação

Há ainda quem não se sinta confortável com o tamanho ou material das fantasias. Para a musa fitness Deborah Albuquerque, esse tem sido um grande impedimento para sambar na avenida. "Apesar de trabalhar com fotos que mostram meu corpo, acho que não me sentiria confortável de colocar um tapa-sexo. Outro fator que não me agrada muito é a produção de algumas fantasias com plumas de origem animal, apesar de saber que isso já mudou e muitas escolas utilizam materiais sintéticos. Além disso acho que deve existir um compromisso, um elo entre você e a escola que desfila e minha vida é super corrida. Não acho justo aparecer só no dia dos desfiles, tirando lugar de pessoas da comunidade."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Fefito