Topo

Com 1º iPhone mais "barato", Apple tenta se reposicionar; veja evolução

O iPhone 11 é o primeiro modelo verdadeiramente mais barato da Apple - Bruna Souza Cruz/UOL
O iPhone 11 é o primeiro modelo verdadeiramente mais barato da Apple Imagem: Bruna Souza Cruz/UOL

Rodrigo Trindade

De Tilt, em São Paulo

18/10/2019 04h00

Sem tempo, irmão

  • Nos EUA, iPhone 11 é o primeiro modelo a ter uma queda real de preço
  • No Brasil, toda nova família de iPhones será mais barata do que no ano passado
  • Terceira do mundo no mercado de celulares, Apple muda um pouco de estratégia

O iPhone 11 é um marco para a história dos badalados smartphones da Apple. Pela primeira vez na história, a empresa baixou, nos Estados Unidos, o preço de seus novos modelos. O iPhone XR, de 2018, chegou ao mercado custando US$ 749, US$ 50 a mais do que o iPhone 11 de 64 GB, o mais "básico" entre os aparelhos lançados em 2019.

Os modelos começam a ser vendidos nesta sexta-feira (18) no Brasil por:

iPhone 11

  • 64 GB: R$ 4.999 (à vista fica R$ 4.499)
  • 128 GB: R$ 5.299 (à vista fica R$ 4.769,10)
  • 256 GB: R$ 5.799 (à vista fica R$ 5.219,10)

iPhone 11 Pro

  • 64 GB: R$ 6.999 (à vista fica R$ 6.299.10)
  • 256 GB: R$ 7.799 (à vista fica R$ 7.019,10)
  • 512 GB: R$ 8.999 (à vista fica R$ 8.099,10)

iPhone 11 Pro Max

  • 64 GB: R$ 7.599 (à vista fica R$ 6.839,10)
  • 256 GB: R$ 8.399 (à vista fica R$ 7.559,10)
  • 512 GB: R$ 9.599 (à vista fica R$ 8.639,10)

Como deu para perceber, do outro lado estão os iPhone 11 Pro e 11 Pro Max, que mantiveram à risca os valores de seus antecessores (XS e XS Max). Em 2018, com o iPhone XS Max, a Apple bateu um recorde: colocou no mercado um celular que custava quase três vezes mais do que o primeiro iPhone.

Preço impactou avanço da Apple

Lançar celulares que custavam até US$ 1.449 continuou a impactar o posicionamento da Apple no mercado global de smartphones. Embora a receita dela tenha aumentado com a venda de aparelhos mais caros até o fim de 2018, a Huawei a atropelou e tomou o segundo lugar do mercado de celulares. A Samsung lidera, mas a chinesa tem se mantido na vice posição mesmo com o boicote norte-americano.

O preço alto não é o único fator. Como analistas apontam, cada vez mais pessoas possuem celulares excelentes. Convencê-los a uma troca por outro melhor e mais caro é cada vez mais difícil —para todas as empresas.

Diante deste cenário, a Apple passou a apostar pesado em serviços por assinatura (Apple TV+) e em acessórios como os AirPods, o que tem surtido efeito nos resultados financeiros da empresa.

No terceiro semestre fiscal de 2019, anunciado em julho, o iPhone correspondeu a menos de 50% da receita da empresa pela primeira vez em sete anos, gerando 12% menos na comparação o terceiro trimestre fiscal de 2018.

Por que o iPhone 11 é diferente?

Preparamos um gráfico com a evolução dos preços oficiais do iPhone nos Estados Unidos, que têm uma constância muito maior do que aqui no Brasil, para mostrar a virada no preço dos aparelhos.

Você vai notar que o primeiro iPhone surgiu custando de US$ 499 a US$ 599, mas o preço "caiu" nos anos seguintes. Isso é explicado pelos subsídios das vendas casadas com planos de telefonia, que embutiam o verdadeiro valor do celular. Isso acaba no iPhone SE, lançado no início de 2016. Ali os preços começam a, de fato, subir de uma forma visível.

O gráfico até mostra outra "queda" de preço, do iPhone 5C. Este, contudo, foi um ponto fora da curva, pois o modelo era uma repaginação do iPhone 5 com uma traseira de plástico e colorida. Era um celular com hardware essencialmente "velho", US$ 100 mais barato que o modelo modernizado de 2013, o 5S.

Com o iPhone 11, a história é diferente. Ele cumpre exatamente o mesmo papel do iPhone XR, o smartphone mais em conta lançado em 2018. Porém, em vez de manter as entranhas do antecessor e ganhar alguma diferença no visual, o iPhone 11 tem o A13 Bionic, processador de última geração da Apple, câmera dupla e com modo noturno.

Todas são melhorias tangíveis, que permitem a afirmação de que a Apple realmente baixou o preço de um ano para o outro.

A decisão foi um aprendizado após as vendas da família de iPhones de 2018. Em novembro do ano passado, o "The Wall Street Journal" noticiou que a Apple até cogitou cortar os preços do iPhone XR para impulsionar as vendas, que foram decepcionantes.

O modelo, no final das contas, foi o maior sucesso de vendas da família de 2018. No anúncio de resultados do primeiro trimestre de 2019, o chefe de finanças Luca Maestri confirmou que o iPhone XR era o mais popular entre todos os modelos vendidos no período, mas não revelou números —prática adotada com vendas em queda.

Também barateou no Brasil

Fazer um histórico de preços no Brasil é mais confuso, por envolver câmbio, tarifas e eventuais decisões da própria Apple de aumentar o valor por objetivos próprios. Com o lançamento no país nesta sexta-feira (18), a empresa adotou a mesma diminuição de preço do iPhone XR para o iPhone 11, mas foi além: o 11 Pro e o 11 Pro Max estão mais baratos do que o XS e o XS Max.

Comparamos a seguir os preços de lançamento dos modelos de 2018 e 2019:

  • iPhone XR de 64 GB, R$ 5.199 x R$ 4.999, iPhone 11 de 64 GB
  • iPhone XS de 64 GB, R$ 7.299 x R$ 6.999, iPhone 11 Pro de 64 GB
  • iPhone XS Max de 64 GB, R$ 7.999 x R$ 7.599, iPhone 11 Pro Max de 64 GB

Os preços podem até ser menores, para quem tiver disponibilidade de pagar à vista —compreensivelmente, não serão muitas pessoas. A explicação oficial da Apple é que a redução de preços foi feita para oferecer melhores opções para os consumidores brasileiros, mas há uma estratégia global por trás disso.

Em janeiro, Tim Cook admitiu que a forma como a Apple definia os preços fora dos Estados Unidos seria repensada. Até então, os valores eram definidos a partir do dólar, o que encarecia os iPhones, que estão longe de ser baratos, fora do território americano.

E não é só bondade. A Apple tende a perder espaço na China, que está envolvida em guerra comercial com os Estados Unidos e tem sido o palco de vendas fortes da Huawei e outras marcas locais. Com menos acesso e mais competição no mercado chinês, a marca americana precisa encontrar consumidores no resto do mundo.

Diminuindo o ticket de entrada, quem sabe ele arruma um bom número de brasileiros para essa conta. Se o especulado iPhone SE 2 for realmente lançado ano que vem, comprar um novo celular da Apple pode ficar ainda mais factível.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

iPhone 11