PUBLICIDADE

Topo

Comprar console usado: veja 9 dicas para se dar bem

Ligou o console usado e ouviu um barulho estranho? Pode ser problema no leitor - Reprodução
Ligou o console usado e ouviu um barulho estranho? Pode ser problema no leitor Imagem: Reprodução

Por Julia Moioli

Colaboração para São Paulo

06/03/2022 04h00

Com o dólar ainda alto e a falta de chips no mercado mundial que fez PS5 e Xbox Series sumir dos estoques, comprar um console usado acabou se tornando uma alternativa bem mais atraente para muitos consumidores.

Mas é preciso planejar bem esse tipo de compra. Fechar negócio às pressas pode fazer você acabar com um videogame que não funciona ou, pior ainda, sem videogame nenhum.

Beatriz Soares, diretora de produto da OLX Brasil - Divulgação/OLX Brasil - Divulgação/OLX Brasil
Beatriz, da OLX: tire todas as dúvidas antes de fechar negócio
Imagem: Divulgação/OLX Brasil

"Hoje, consoles são o segundo item mais envolvido em fraude online, perdendo apenas para telefone celular", afirma Beatriz Soares, diretora de produto da OLX Brasil. "E as fraudes são muito baseadas em engenharia social: os criminosos envolvem emocionalmente suas vítimas, apressando a decisão, e elas acabam caindo no golpe."

Segundo a executiva, gente do país inteiro anuncia produtos e o inventário é grande. Então, o consumidor tem poder de barganha. Se você está desconfiado ou se a negociação não foi para frente porque alguma dúvida não foi respondida, procure outro vendedor.

Confira outras dicas essenciais.

1) Prefira compras seguras online ou em lojas físicas

A grande vantagem das lojas físicas é que você tem garantia de no mínimo três meses, de acordo com o Código de Defesa do Consumidor.

No caso de usados adquiridos com pessoas físicas (em plataformas online, por exemplo), não há legislação específica. Então, se você viu uma boa oferta e ficou interessado, primeiro cheque a avaliação do vendedor.

Decidiu seguir em frente? Opte pelo serviço de compra segura ou garantida, oferecido por quase todas as plataformas. Ele permite trocas e consegue reaver seu dinheiro, caso o produto seja diferente do que foi negociado.

2) Se a compra for online, não saia da plataforma

Dentro da plataforma, a conversa pode ser acompanhada e é muito mais segura.

"Fraudadores não gostam de ambientes em que podem ser rastreados, então eles normalmente tentam levar o cliente para um aplicativo de mensagens", diz Beatriz.

Outro problema de transferir o papo para o WhatsApp, por exemplo, é a exposição de dados. O falso vendedor pode pedir informações pessoais extras (e desnecessárias), que podem ser usadas em outros golpes.

3) Fique atento ao preço

Super Nintendo SNES - panchof/Getty Images - panchof/Getty Images
Consoles antigos são mais raros e exigem boa pesquisa de preço
Imagem: panchof/Getty Images

Pesquise preços e entenda qual é a média do mercado. "Consoles usados chegam a ser até 70% mais baratos", explica Beatriz. "Mas você vai ver que foi o mercado que estabeleceu esse valor e a maioria dos produtos semelhantes tem preços parecidos."

Em outras palavras: desconfie de super ofertas, com preços muito abaixo da concorrência.

Para consoles mais antigos, como Super NES e Mega Drive, é quase o oposto. Eles são mais raros e acabam virando item de colecionador. "N
ão existe muita base de preço, especialmente online", afirma o colecionador e podcaster NT, do Pod+Joga, que gravou recentemente um episódio sobre o assunto. "Se você não pesquisar bem, pode acabar pagando muito mais caro."

4) Analise cada detalhe do produto

Plataformas como OLX e Mercado Livre incentivam os vendedores a incluir o maior número possível de imagens nos anúncios. Mas, se você tiver alguma dúvida ou quiser ver algum ângulo que não aparece no site, peça mais.

Na hora de pegar o produto (com o vendedor ou na loja física), faça uma análise geral. Olhe se ele apresenta riscos, arranhões ou peças quebradas.

Não se esqueça de checar o controle. Segundo NT, botões não costumam dar muitos problemas, mas alavancas, sim. Fuja das muito moles.

Para consoles vintages, fique atento ao plástico. "Com o passar dos anos, ele vai ressecando e as pecinhas menores quebram mais facilmente", explica NT.

Consoles PS4 Xbox Switch - Divulgação/Gmbox - Divulgação/Gmbox
Controles são mais suscetíveis a defeitos, especialmente alavancas
Imagem: Divulgação/Gmbox

5) Teste antes de levar pra casa

"Teste todas as funções que o console oferece e os acessórios", indica Alex Montenegro, sócio da loja Gameteczone, em São Paulo.

"Se comprou um Super Nintendo, teste os jogos e os controles; se comprou um PS4, teste os jogos em mídia física, os controles (no cabo e fora dele), a conexão via cabo de rede e wi-fi. A mesma regra vale para um console portátil", afirma.

Para compras online, a estratégia é um pouco mais difícil, mas vale fazer o possível para conseguir. Marque a transação física em um lugar público onde você possa fazer o teste. Pergunte, por exemplo, ao gerente de um estabelecimento comercial que você frequenta e que tenha televisão se você pode fazer isso lá. Nunca (nunca mesmo!) leve o vendedor para sua casa.

Se você ligar o console e ouvir um barulho estranho, é provável que o leitor esteja com defeito - especialmente em videogames com CD, a partir do PS1. Pule fora.

6) Conheça o histórico

Pergunte sobre o antigo dono e onde o console estava guardado. Estava em um lugar úmido e escuro? Talvez exposto ao pó ou pelo de animais?

"Não dá para prever quando um equipamento apresentará defeito, mas se o PS5 ou Xbox estiverem com as entradas de ar obstruídas por sujeira ou poeira, é prudente fazer uma manutenção preventiva com um técnico de confiança, afim de evitar problemas ocasionados por superaquecimento", indica Montenegro.

Outra coisa importante é garantir que o videogame seja original mesmo. Aparelhos piratas ou destravados quase sempre o sinônimo de pepinos.

Segundo NT, o controle é o acessório que dá mais pistas. A pilha do Xbox, por exemplo, deve durar meses por causa da baixa voltagem. Além disso, os botões costumam ser mais duros nos piratas.

Mega Drive - Divulgação - Divulgação
Onde e como o aparelho estava guardado?
Imagem: Divulgação

7) Comunique-se claramente

Em lojas físicas, fica bem claro o que está incluso na venda. Mas, em plataformas online, é preciso prestar muita atenção no que está sendo anunciado. É apenas o console ou inclui acessórios, jogos, carregadores? Quando não estiver claro, pergunte.

Garanta o estado de funcionamento do console. "Eu sempre pergunto: 'está funcionando?'", conta NT. "Porque assim eu fico com uma garantia por escrito de que ele deveria estar funcionando e, numa compra segura, eu posso devolver se quiser."

8) Só pague quando tiver o aparelho nas mãos

A diretora da OLX recomenda que, nas compras online, você só entregue o dinheiro ao receber o videogame. O golpe mais comum, de acordo com um estudo da empresa, é a falsa venda, ou seja, o produto não existe de verdade. Lembre-se: comprovante de envio não é garantia de nada, já que você não sabe exatamente o que foi dentro do pacote.

9) Crie uma relação com as melhores lojas

Especialmente se você é colecionador, vale a pena frequentar as lojas físicas especializadas.

Segundo NT, "no caso de videogame antigo, você só vai conseguir mesmo saber se ele está com problema no leitor ou na placa de cartucho depois de jogar jogos diferentes por oito, nove horas".

Então, se você conhecer o vendedor, poderá inclusive negociar uma troca. "O videogame antigo traz uma relação de amizade em cima de uma nostalgia, e a equipe da loja dificilmente vai vender um console com problemas."

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: https://www.tiktok.com/@start_uol?
Twitch: https://www.twitch.tv/startuol