Lívia Andrade diz que amor por Silvio Santos não a faz gostar das herdeiras

Lívia Andrade, 41, virou assunto nesta semana ao comemorar a estreia de Eliana, 51, na Globo e mandar uma indireta para Patrícia Abravanel, 46.

O que aconteceu

Lívia disse que Eliana é "guerreira e não herdeira", cutucando a filha de Silvio Santos, 93.

Sonia Abrão, 61, questionou como Lívia pode declarar amor ao dono do baú e "fazer o que fez com a filha dele".

A contratada da Globo, então, explicou. "Muito fácil de entender e de responder. Sentimentos são pessoais e intransferíveis. O que sinto pelo Silvio é carinho, amor, gratidão e respeito. Isso é eterno, o que eu sento pelo Sisi, pelo Silvio Santos. Isso nunca vai mudar, mas não me obriga a sentir o mesmo pelos herdeiros, agregados, colegas, amigos, funcionários, pessoas no geral, que vivem em torno dele. Tenho sentimentos pelas pessoas e isso é pessoal e intransferível".

Sonia também disse que Lívia humilhou Patrícia ao chamá-la de herdeira. Lívia, novamente, rebateu. "A palavra herdeiro parece ter um significado bem diferente para você, é negativo? É humilhante? Até parece que xinguei a mãe de alguém ou contei alguma mentira. Eu, inclusive, adoraria ter nascida herdeira. É uma benção dormir em paz sabendo que a casa é própria, ou que o aluguel tá pago, abrir a despensa da casa e não passar nenhuma vontade, poder estudar em boas escolas, não precisar optar entre trabalhar e estudar, deve ser maravilhoso viajar para Disney nas férias de julho, muitas facilidades, muitas facilidades. Inclusive tem muito herdeiro guerreiro por aí, não vejo essa maneira depreciativa".

A influenciadora ainda disse ter gratidão e amizade com as pessoas com quem trabalhou no SBT. "Essas pessoas sempre me valorizaram e respeitaram enquanto profissional. Então, eles têm minha eterna gratidão, carinho e respeito".

Por fim, a apresentadora relembrou os problemas que teve com Sônia no passado, já que ela estava no "Fofocalizando", disputando o horário da tarde com o "A Tarde É Sua", comandado por Abrão, na RedeTV!. "O que causa isso? A televisão é uma guerra de audiência. Além de ego e vaidade, as pessoas querem estar ali por grana, e as pessoas não se conformavam de eu estar ali naquele programa de fofoca, porque fazia muita publicidade, ganhava muito de publicidade, era de quatro a cinco por dia de segunda a sexta, fora meu salário que era muito bom".

Deixe seu comentário

Só para assinantes