PUBLICIDADE
Topo

Bichos

Tudo o que você precisa saber para cuidar do seu pet

Ração promete diminuir alergia de humanos a gatos. Será que funciona?

De acordo com pesquisas, a ração bloquaria até 47% dos alérgenos presentes no organismo dos felinos - Getty Images
De acordo com pesquisas, a ração bloquaria até 47% dos alérgenos presentes no organismo dos felinos
Imagem: Getty Images

Juliana Finardi

Colaboração para Nossa

07/09/2021 04h00

Denise tem dois filhos, um humano e outro felino. Um deles, o humano Bruno, tem alergia ao pelo do "irmão", o gato John Constantine, assim como a mãe. Foi então que, após alguns anos de espirros, tosse, garganta seca, coceira no nariz e olhos inchados, a família resolveu testar uma ração que promete diminuir os alérgenos presentes na saliva dos gatos e, consequentemente, a resposta sintomática nos humanos.

Esquisito? Pois é. Foi exatamente o que a mãe Denise Veridiano, 61 anos, que é dentista, pensou ao conhecer a proposta da Purina: a ração Pro Plan Live Clear. "Fui consultar a veterinária para saber se isso não traria nenhum problema ao John, já que ele ainda sofre com algumas sequelas intestinais de uma doença que teve. E ela disse que o ideal seria começar a oferecer a nova ração aos poucos", diz.

Denise com o gato John Constantine - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Denise com o gato John Constantine
Imagem: Arquivo pessoal

John é um gato da raça maine coon, caracterizada por felinos gigantes e super amigáveis, tem 7 anos e foi adotado há 4. Vítima de maus-tratos, ele tinha um vírus que desencadeou um problema intestinal e passa por tratamentos até hoje, por isso a preocupação de Denise com a nova dieta.

A gerente de comunicação científica da Purina, Luciana Pellegrino, explica que os estudos iniciais para o desenvolvimento da ração vieram de uma situação parecida com a da família de Denise. "Partiu de uma questão pessoal de um PHD em imunologia. A alergia da filha aos gatos e a vontade de ter um felino gerou essa inquietude nele, que acabaria trazendo a solução para um problema bastante grande, já que um em cada cinco adultos humanos tem essa sensibilidade", afirma.

A promessa da ração é diminuir a alergia dos tutores de gatos, já que possui em sua composição anticorpos que atuariam bloqueando até 47% dos alérgenos presentes no organismo dos felinos. A ideia é reduzir os níveis de uma proteína chamada Fel d 1 nas glândulas salivares e sebáceas dos gatinhos.

Um em cada cinco humanos adultos têm alergia a gatos - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Um em cada cinco humanos adultos têm alergia a gatos
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Ao lamberem-se, os felinos transferem essa Fel d 1 para a pelagem e, em seguida, liberam para o ambiente o alérgeno preso aos pelos e às caspas, provocando reações nos humanos. O fabricante garante que a ração não interfere na produção natural do Fel d 1 pelo gato porque só age sobre as moléculas presentes na saliva.

De acordo com Luciana, a função do Fel d 1 no organismo dos gatos não está completamente esclarecida, mas atuaria como feromônio, que são aquelas substâncias químicas que os felinos liberam, por exemplo, ao arranharem um sofá e "marcarem" o território.

A alergia humana é relacionada a uma proteína presente na saliva, pele e pelo dos gatos - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
A alergia humana é relacionada a uma proteína presente na saliva, pele e pelo dos gatos
Imagem: Getty Images/iStockphoto

O médico alergista André Gauderer explica que a alergia humana é exatamente a essa proteína presente não só na saliva, mas também na pele e no pelo dos gatos. Os cães, por exemplo, também produzem proteínas que podem causar alergia no homem.

"Se você espirrar, o nariz coçar e entupir, os olhos lacrimejarem, coçarem e ficarem vermelhos ao contato com gato, você provavelmente tem alergia a ele. A pele pode ficar com placas vermelhas e coçando muito. Em casos mais graves isso pode evoluir com tosse, falta de ar e dor no peito levando a uma crise de asma", diz

Gauderer afirma que algumas raças de gatos como siberiano, balinês, devon rex, cornish rex e gato abissínio produzem menos proteínas e, em teoria, poderiam ser toleradas pelas pessoas alérgicas. Ele também diz, pasmem, que já existem estudos em andamento que se concentram na eliminação total da Fel d 1 através de técnicas de edição genética dos gatos.

Filhote de gato da raça devon rex, uma das que, em teoria, poderiam ser toleradas por pessoas alérgicas - Getty Images - Getty Images
Filhote de gato da raça devon rex, uma das que, em teoria, poderiam ser toleradas por pessoas alérgicas
Imagem: Getty Images

No caso de Denise e o filho Bruno, após cerca de 3 meses da experiência com a ração, os sintomas alérgicos quase não existem mais e o filho humano, que quase não visitava mais a mãe, voltou a frequentar a casa.

Quando meu filho se mudou, o gato ficou comigo e ele percebeu que sempre que me visitava, saía pior da alergia. Mas agora ele vem mais vezes, então a ração fez bem até para o meu coração de mãe", brinca Denise

Bruno e Denise com o gato John Constantine - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Bruno e Denise com o gato John Constantine
Imagem: Arquivo pessoal

De acordo com o fabricante, para as pesquisas com a ração, foram coletadas amostras de pelos através da escovação de 105 gatos domésticos de pelo curto quatro vezes no período inicial de duas semanas e depois, semanalmente, durante um período de tratamento de 10 semanas. Os níveis da proteína alérgena nas caspas e nos pelos coletados apresentaram uma redução significativa a partir da terceira semana. A média de redução foi de 47%.

"É mais uma opção no arsenal que temos para tratar a alergia a gato. O alimento em questão parece diminuir a quantidade de alérgenos em 47% no ambiente aliviando assim os sintomas dos pacientes. Junto com um controle de ambiente adequado, medicamentos e imunoterapia (vacinas), soma no tratamento dos casos de alergia", diz Gauderer.