PUBLICIDADE
Topo

Bichos

Tudo o que você precisa saber para cuidar do seu pet

Cuidados com cão idoso vão de casa adaptada à alimentação especial

Cão idoso exige uma série de cuidados especiais para viver forte e saudável - Getty Images
Cão idoso exige uma série de cuidados especiais para viver forte e saudável
Imagem: Getty Images

Juliana Finardi

Colaboração com Nossa

25/05/2021 04h00

Parece que até ontem ele ainda era um filhotinho cheio de energia e peripécias pela casa. Mas agora, depois de uma coleção de histórias para contar, sinais como alguns pelinhos brancos pelo corpo e um ritmo menos frenético nas brincadeiras denunciam: a família tem oficialmente um cãozinho idoso em casa.

Para promover qualidade de vida ao doguinho sênior, diminuir eventuais desconfortos do envelhecimento e até desacelerá-lo, o tutor pode atentar-se a alimentação, peso, check-up veterinário e adaptações físicas em casa.

Mas como saber quando chegou o momento certo? A veterinária Aline Oliveira, da SPet junto a Cobasi Villa Lobos, explica que o processo de envelhecimento nos cães está diretamente relacionado a porte (tamanho) e raça.

Cães menores tendem a envelhecer mais tarde. Por exemplo, yorkshires ou poodle toy são considerados idosos em média com 10 anos. Já os cães maiores, principalmente os de porte grande e gigante, estão na terceira idade a partir de 7 anos, lembrando que há variações individuais e muitos podem fugir a essa regra", diz.

Cães maiores tendem a envelhecer mais rápido, mas isso não é regra - Getty Images - Getty Images
Cães maiores tendem a envelhecer mais rápido, mas isso não é regra
Imagem: Getty Images

Como cuidar

O presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria Veterinária, Enore Massoni, afirma que os cuidados com o sistema locomotor dos cães de grande porte devem ser redobrados por conta do peso e da sobrecarga articular.

"Trabalhos acadêmicos estimam que 70% dos cães idosos de grande porte apresentam algum grau de osteoartrites com desenvolvimento de dor e perda de qualidade de vida", lembra.

O que comer

Alimentação rica em antioxidantes ajuda a combater o envelhecimento do seu pet - Getty Images - Getty Images
Alimentação rica em antioxidantes ajuda a combater o envelhecimento do seu pet
Imagem: Getty Images

Com o perdão do trocadilho, o "pulo do gato" para os cães de grande porte é saber que eles vivem menos porque produzem os famosos radicais livres e que, por isso, uma alimentação rica em antioxidantes ajuda a combatê-los e desacelera o envelhecimento.

Massoni aponta que carnes vermelhas e brancas, fígado, cereais integrais, beterraba, mamão, batata-doce, frutas e verduras são alguns dos alimentos antioxidantes que compõem uma extensa lista dos que ajudam no combate aos radicais livres.

Seja qual for a raça ou porte de seu melhor amigo, Aline afirma que a partir dos 7 anos já vale a pena investir em cuidados extras como observar se o peso está adequado, se o pet ainda tem vigor para atividades físicas e cogitar, com a devida orientação veterinária, a inclusão de suplementos articulares na alimentação do cãozinho.

Pode brincar? E dormir mais?

Na hora de passear com seu pet idoso, fique atento ao ritmo - Ben McCanna/Portland Portland Press Herald via Getty Images - Ben McCanna/Portland Portland Press Herald via Getty Images
Na hora de passear com seu pet idoso, fique atento ao ritmo
Imagem: Ben McCanna/Portland Portland Press Herald via Getty Images

As atividades físicas e brincadeiras, aliás, merecem atenção especial nesta fase. Embora afirmem não haver necessidade de proibições, os especialistas recomendam que o tutor use o bom senso e entenda que o cão não é mais tão jovem nem tem a mesma resistência de quando era um filhote.

"Idosos gostam de rotina e parar com uma brincadeira que ele gostava só porque envelheceu, não será saudável. O que deve mudar é a intensidade e duração. Tudo deve ser feito respeitando as limitações do animal", diz Massoni.

O geriatra veterinário também afirma que as atividades físicas são importantes para a saúde mental e do sistema locomotor do cãozinho.

Se ele costumava passear uma vez ao dia por uma hora, que tal três passeios de 20 minutos?"

Sono demais pode ser sinal de problemas em seu pet idoso - Getty Images - Getty Images
Sono demais pode ser sinal de problemas em seu pet idoso
Imagem: Getty Images

O diretor clínico da rede PetCare unidade Morumbi, Marcelo Quinzani, afirma que o tutor deve ficar atento ao fato de o cãozinho dormir mais.

"Pode ser sinal de dor ou desconforto. Também nessa fase aparecem os sinais de perda de visão, diminuição da audição e olfato, o que faz com que ele fique mais inseguro e interage menos com o meio ambiente."

Casa do "senhorzinho"

Mudanças em casa podem ser consideradas principalmente em casos de idosinhos que apresentem algum déficit visual ou cognitivo. Aline indica portões para evitar o acesso a áreas perigosas como escadas e piscinas, além de pisos antiderrapantes principalmente para cães grandes com problemas articulares.

Rampas em escadas, camas e sofás e a elevação de comedouros e bebedouros para uma altura mais confortável que facilite o acesso a água e comida também são dicas de adaptações.

A casa deve ser adaptada às necessidades do cão mais velho - Suzanne Kreiter/The Boston Globe via Getty Images - Suzanne Kreiter/The Boston Globe via Getty Images
A casa deve ser adaptada às necessidades do cão mais velho
Imagem: Suzanne Kreiter/The Boston Globe via Getty Images

Veterinário é aliado

É por isso que, ainda de acordo com Quinzani, as visitas ao veterinário devem acontecer com maior periodicidade nesta fase da vida do pet. "O seu bebê tornou-se um velhinho que precisa ainda mais dos seus cuidados e das visitas e orientação do médico veterinário"

Massoni diz que para os animais jovens, são indicadas visitas anuais ao veterinário; para os idosos (quando atingem 75% de sua expectativa de vida), a cada 6 meses, e para os geriatras (quando ultrapassam a expectativa), a cada 3 meses.

"Lógico que não existe regra nem receita de bolo. Um idosinho saudável pode visitar a clínica a cada 6 meses desde que seu tutor mantenha contato com o veterinário. Já um cardiopata ou nefropata às vezes pode precisar de visitas semanais."

Visitas ao veterinário devem ficar mais frequentes para os cães idosos - Getty Images - Getty Images
Visitas ao veterinário devem ficar mais frequentes para os cães idosos
Imagem: Getty Images

A adoção de cadernetas de saúde é uma prática interessante para se tornar rotina na clínica de animais idosos, na opinião do veterinário geriatra.

"Funcionam basicamente como a carteira de vacinação de filhote, onde constam informações sobre os animais, dados de exames, próximas consultas, vacinas e todas as informações importantes para o veterinário e para o tutor."

Esse modelo, diz Massoni, já é adotado em programas de saúde da família no SUS (Sistema Único de Saúde), em humanos, e deve ser um ótimo exemplo para veterinários e tutores de animais idosos.