PUBLICIDADE
Topo

'Acho que a amizade com eles acabou', diz Kelvin sobre polêmica com CBSk

Kelvin Hoefler, medalha de prata no skate street em Tóquio-2020 - TOBY MELVILLE/REUTERS
Kelvin Hoefler, medalha de prata no skate street em Tóquio-2020 Imagem: TOBY MELVILLE/REUTERS

Marcello De Vico

Colaboração para o UOL, em Santos (SP)

12/08/2021 04h00

A medalha de prata conquistada por Kelvin Hoefler em Tóquio, a primeira do skate na história dos Jogos Olímpicos, foi recheada de algumas polêmicas envolvendo os bastidores do esporte radical. Uma delas com Letícia Bufoni, que não postou nenhuma publicação comemorando a vitória do companheiro de time e justificou dizendo que Kelvin "não gostava de andar com eles".

Em entrevista ao UOL Esporte, Kelvin voltou a questionar a atitude de Letícia Bufoni, alegando que ela foi "infeliz" nos comentários. Disse, ainda, ter torcido por ela e por todos os brasileiros nas Olimpíadas, afinal, "é brasileiro raiz, p...!".

Tudo começou depois da prova de Kelvin, quando internautas levantaram a hipótese de os dois serem brigados. Bufoni aproveitou os stories para esclarecer a polêmica.

Kelvin Hoefler posta foto mencionando a CBSk - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Kelvin Hoefler posta foto mencionando a CBSk
Imagem: Reprodução/Instagram

"O Kelvin, pelo que vocês perceberam, nunca está com a gente nos rolês, nunca faz parte das nossas atividades por uma opção dele", postou Bufoni, que também citou um racha de Kelvin com a Confederação de skate: "Um exemplo grande é que a CBSk (Confederação Brasileira de Skate) não pode marcar ele nos stories porque ele bloqueou a CBSk. Então, não é uma opção minha, é ele que não quer estar com a gente."

À reportagem, Kelvin disse que a atitude de Bufoni não foi correta. "Foi um momento único para o esporte, primeira vez do skate nas Olimpíadas, primeira medalha da história do Brasil, primeira medalha que a gente [todo brasileiro] conquistou, então, acho que foi infeliz da parte dela, da Confederação principalmente...", afirmou.

"Não foi uma atitude correta de uma skatista, de um ser humano, de um brasileiro, de poder prejudicar a imagem de outro atleta, de um companheiro, de um brasileiro, e isso não foi legal. Mas vida que segue", acrescentou.

Apesar de tudo, Kelvin disse que esteve na torcida por cada um da equipe brasileira: "Eu sou brasileiro e torci por ela e para todos os brasileiros. Além de tudo, das intrigas que ela fez, da Confederação, eu torci. Além de tudo, eu sou brasileiro. Sou brasileiro raiz, p...!".

"Acho que a amizade com a CBSk acabou"

Brasileiro Kelvin Hoefler competindo na final do skate em Tóquio - Dan Mullan/Getty Images - Dan Mullan/Getty Images
Brasileiro Kelvin Hoefler competindo na final do skate em Tóquio
Imagem: Dan Mullan/Getty Images

A outra polêmica envolvendo o nome de Kelvin foi relacionada à Confederação. No dia da medalha do skatista, o UOL Esporte noticiou que a fala de Letícia Bufoni era só a face visível de um racha dentro da seleção de skate e que envolve, também, o comando da entidade.

Isso já havia ficado claro na própria prova de Kelvin, quando ele foi orientado pela amiga (e campeã mundial) Pâmela Rosa e pela própria esposa, por celular, e não pela comissão técnica da seleção, encabeçada por Rogério Mancha.

O pai de Kelvin chegou a publicar uma mensagem após a medalha para dizer que o filho é preterido pela CBSk. "Será que agora vocês vão respeitar meu filho ou vão continuar a menosprezar ele [sic]? É nítido o que vocês estão fazendo. Essa medalha de prata representa todo esforço e dedicação dele. Vocês deveriam ser mais imparciais. É uma vergonha o que fazem com meu filho", disse no Instagram.

Kelvin também não tirou o pé e, ao UOL Esporte, afirmou que a amizade entre ele e a Confederação de skate acabou. Ele voltou a criticar as atitudes da entidade e disse que chegou a tentar fazer as pazes com a CBSk.

"Independente de Confederação, essa medalha é nossa. A Confederação vai querer se vangloriar de alguma forma... Eu tentei fazer as pazes de alguma forma e os caras quiseram botar para baixo. Os caras não quiseram. Não fiz as pazes porque eu estava errado, quis fazer as pazes porque é uma conquista nossa, e os caras falaram mal ainda de algumas coisas como minha esposa não ter ido para os Jogos, X-Games... Não foi só por causa disso, foi por muitas outras coisas. Se eu começar a citar aqui vamos ficar até amanhã", afirmou.

"Foram muitas coisas que eles não fizeram legal que me deixaram chateado. Falaram muita mentira na mídia e fiquei bastante triste, porque é uma conquista nossa, e eles falaram besteira. Então acho que a amizade com eles acabou", completou.

Leia outros trechos da entrevista:

Entrevista pra c....

Estou fazendo entrevista pra c.... [risos]. Mudou bastante. Acho que a mídia está dando um espaço bem legal para o skate, é muito gratificante ser o primeiro medalhista olímpico lá em Tóquio, sendo uma categoria novata, e isso foi legal pra caramba. É bastante entrevista, mudou bastante. A gente tem outro tipo de lifestyle [estilo de vida, em português], e isso mudou bastante.

"Pacote completo" após medalha

Na real, seria legal que fosse só a medalha de prata, nosso lifestyle é o mesmo do surfe, medalha e pronto, só aquilo já seria bom, mais nada [risos]. Mas eu vou além disso, trocar ideia com a imprensa, sentir o carinho da galera... Estou curtindo dar essas entrevistas. Não sou muito de dar entrevista, sou bem quieto, tímido, mas é bem legal, independente de ser o lifestyle do skate que não está muito aí para mídia, entrevista... Mas estou curtindo, achando da hora!

Diversão acima de tudo

O skate é diferente. Não é aquele esporte competitivo... A gente demonstrou que o negócio é legal, divertido, que todo mundo quer participar e que é diversão acima de tudo. Acho que veio para ficar e a imprensa gostou, porque todo mundo se identificou com o esporte. É um esporte legal, com bastante companheirismo, imagens de amizade, então é uma parada bem legal.