PUBLICIDADE
Topo

Brasil cai para Canadá nos pênaltis e fica sem medalha no futebol feminino

Gabriel Carneiro

Do UOL, em São Paulo

30/07/2021 07h55

O Brasil perdeu para o Canadá por 4 a 3 nos pênaltis depois de empate em 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação e foi eliminado hoje (30) nas quartas de final do futebol feminino nas Olimpíadas de Tóquio. Bárbara até defendeu a batida de Sinclair, mas Rafaelle errou a decisiva, em Miyagi.

Marta, Debinha e Érika acertaram pênaltis para o Brasil, mas Andressa Alves e Rafaella pararam na goleira Stephanie Labbe. Já para o Canadá, todas as outras fora Sinclair marcaram: Jessie Fleming, Ashley Lawrence, Adriana Leon e Vanessa Gilles.

A semifinal será na segunda-feira (2), às 5h, no Estádio Kashima, contra os Estados Unidos, que também eliminaram nos pênaltis a Holanda. Para o Brasil, é só a segunda vez na história em que não entra na disputa por uma medalha desde a chegada do futebol feminino às Olimpíadas há seis edições, como em Londres-2012.

Marta - Sam Robles - Sam Robles
Marta tenta jogada sobre Desiree Scott em Canadá x Brasil pelas quartas de final das Olimpíadas
Imagem: Sam Robles

Defesa forte, mas...

Num time pouco inspirado ofensivamente muito pelas escolhas da técnica Pia Sundhage, os destaques foram na defesa. Titular e presente do início ao fim em todos os jogos, Rafaelle repetiu o bom desempenho contra o Canadá ao vencer quase todos os duelos pessoais rasteiros e pelo alto e aparecer no ataque com tempo de bola preciso em jogadas aéreas. A parceira de zaga Érika também foi fundamental ao cortar sem falta um lance de profundidade de Deanne Rose na área já nos 40 do segundo tempo e ainda cabecear uma das melhores chances do Brasil na prorrogação.

Curiosamente, Rafaelle foi a brasileira que perdeu o pênalti decisivo em Miyagi, o que causou a eliminação da equipe.

E a Marta, Pia?

Marta - Koki Nagahama/Getty Images - Koki Nagahama/Getty Images
Marta tenta jogada na partida entre Brasil e Canadá no Estádio de Miyagi
Imagem: Koki Nagahama/Getty Images

Protagonista incontestável da seleção brasileira, Marta não foi bem contra o Canadá. No primeiro tempo foi deixada por Pia muito presa como meia pelo lado esquerdo, com responsabilidade defensiva ainda maior do que na primeira fase e problemas na recomposição, já que as adversárias criaram muito ali. Sem aproximação de Tamires nas jogadas ofensivas, ficou mais solta no segundo tempo, caiu também pela direita, e aí as decisões erradas e o acúmulo de desgaste atrapalharam. A impressão é de que Pia não conseguiu tirar o melhor da camisa 10, que na prorrogação passou longe de qualquer disposição física que pudesse fazer a diferença.

Domínios alternados

Lance - Koki Nagahama/Getty Images - Koki Nagahama/Getty Images
Lance entre Brasil e Canadá, pelas quartas de final das Olimpíadas de Tóquio-2020
Imagem: Koki Nagahama/Getty Images

O jogo se desenrolou com domínios alternados no primeiro tempo, competitivo desde o início porque fazia parte da ideia de jogo das duas seleções forçar o erro. E os problemas de cada uma — tanto quanto as qualidades — estavam claros: o Canadá sofria para sair jogando pelo chão e o Brasil não tinha coordenação no meio-campo. As principais jogadas tiveram base no entrosamento das duplas Lawrence e Beckie e Tamires e Marta. Aos 33, a árbitra Stephanie Frappart apitou um pênalti sobre Duda, mas anulou a marcação depois de consulta ao VAR.

Cada equipe teve duas chances mais claras no primeiro tempo. As do Canadá em finalização de Quinn por cima do gol no rebote de Bárbara numa cobrança de escanteio e de Beckie com chute rasteiro após lançamento nas costas da marcação. As do Brasil envolveram um chute de Tamires após assistência de Marta, também por cima do travessão, e uma conclusão de Debinha após tomada de bola da zagueira Vanessa Gilles numa saída errada em que o passe para Bia Zaneratto era a saída.

O segundo tempo começou meio igual. Rafaelle fez Stephanie Labbe trabalhar de um lado, Gilles acertou o travessão num cabeceio de outro, ambas em cobranças de escanteio, e Pia resolveu agir com a entrada de Ludmila. O volume ofensivo melhorou e os momentos de domínio aumentaram, mas ainda faltava conexão entre meio e ataque. Conforme o tempo foi passando e a perspectiva de prorrogação se anunciou os times botaram o pé no freio, tentaram uma ou outra esticada de bola e não mais do que isso, inclusive nos quatro minutos de acréscimos.

Como foi a prorrogação

Ludmila - Sam Robles/CBF - Sam Robles/CBF
Ludmila entrou no segundo tempo e criou boas chances para o Brasil contra o Canadá
Imagem: Sam Robles/CBF

As treinadoras não fizeram mudanças no intervalo do tempo normal para a prorrogação mesmo com suas equipes desgastadas, o que fez com que a lógica do jogo não mudasse. Aos dez minutos, Pia colocou Andressa Alves, de três bons jogos na fase de grupos. Bev Priestman também refrescou seu time com alterações, mas as melhores chances foram de Debinha em associações com as jogadoras mais descansadas do Brasil, Ludmila e Andressa Alves, e Érika num cabeceio em que a goleira Stephanie Labbe apareceu bem. O Brasil foi melhor, mas não fez gol e perdeu nos pênaltis.

FICHA TÉCNICA
CANADÁ 0 (4) x (3) 0 BRASIL

Competição: Jogos Olímpicos de Tóquio, quartas de final
Local: Estádio de Miyagi, em Miyagi (Japão)
Data/hora: 30 de julho de 2021 (sexta-feira), às 5h (de Brasília)
Árbitra: Stephanie Frappart (França)
Assistentes: Manuela Nicolosi (França) e Michelle O'Neill (Irlanda)
VAR: Bibiana Steinhaus-Webb (Alemanha)
Cartões amarelos: Ashley Lawrence, Riviere (Canadá), Duda, Ludmila (Brasil)

CANADÁ: Stephanie Labbe; Ashley Lawrence, Vanessa Gilles, Buchanan e Allysha Chapman (Riviere, aos 2/2ºT da prorrogação); Desiree Scott, Quinn (Julia Grosso, aos 17/2ºT) e Jessie Fleming; Janine Beckie (Adriana Leon, aos 16/1ºT da prorrogação), Prince (Deanne Rose, aos 17/2ºT, depois Huitema, aos 8/2ºT da prorrogação) e Sinclair. Técnica: Bev Priestman.

BRASIL: Bárbara; Bruna Benites, Érika, Rafaelle e Tamires; Formiga (Angelina, aos 27/2ºT), Andressinha, Duda (Andressa Alves, aos 10/1ºT da prorrogação) e Marta; Bia Zaneratto (Ludmila, aos 13/2ºT) e Debinha. Técnica: Pia Sundhage.